Subscribe:

terça-feira, 29 de setembro de 2015

ESTUDO A GLÓRIA DA SEGUNDA CASA SERÁ MAIOR DO QUE A PRIMEIRA...


   ESTUDO A GLÓRIA DA SEGUNDA CASA SERÁ MAIOR DO QUE A PRIMEIRA...
A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos exércitos; e neste lugar darei a paz, diz o Senhor dos exércitos. Ageu 2: 9

Introdução:

Em 605 a.C., Nabucodonosor, rei da Babilônia, sitiou Jerusalém e depôs o rei apóstata Jeoaquim, neto de Josias. Levou Nabucodonosor a elite da juventude judaica (Daniel 1-3) e Judá ficou pagando imposto a babilônia.

Em 598 a.C., Zedequias rei de Judá se revoltou contra Babilônia e Nabucodonosor, voltou e destruiu a cidade e o templo de Jerusalém saqueando todo ouro e utensílios da Casa de Deus (II Crônicas 36).

O profeta Isaías profetizou, sobre um rei persa que libertaria o povo judeu das mãos dos babilônicos e mencionou seu nome Ciro, O Persa. Deus revelara seu nome 150 anos antes de seu nascimento.

A invasão da Babilônia pelo rei Ciro, foi algo extraordinário e inexplicável, (para a mente humana, mas tudo estava no controle do Senhor), pois por um erro de alguém, uma das portas da muralha ficou aberta, permitindo a entrada dos inimigos, enquanto o rei Belsazar  completamente embriagado, preocupava-se com o banquete e a escrita misteriosa na parede.

Após a conquista, Ciro emite um decreto autorizando os povos que se encontravam cativos na Babilônia a voltarem para sua terra de origem, beneficiando os judeus.

Que digo de Ciro: Ele é meu pastor, e cumprirá todo o meu beneplácito; que digo também de Jerusalém: Ela será habitada, e ao templo: Tu serás fundado. Isaías 44: 28

Assim diz Jeová ao seu ungido, a Ciro a quem tomei pela mão direita para lhe sujeitar nações ante a sua face, desapertar os lombos de reis e lhe abrir portas cujas entradas não serão fechadas. Isaías 45: 1

Dois anos depois 536 aC., um grupo de Judeus liderado por Zorobabel chega em Jerusalém. Cumprindo-se a profecia de Jeremias.

Toda esta terra virá a ser uma desolação e um espanto; estas nações servirão o rei de Babilônia setenta anos. Jeremias 25:11

A obra do de reconstrução do templo começa em 535 aC., mas a oposição dos samaritanos os Judeus foram obrigados a desistir.

A prosperidade material não serve de sinal seguro Espiritual, mas, quando se põem as coisas principais em primeiro lugar, isso resulta em bênçãos de todas as modalidades.

Mas buscai primeiramente o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mateus 6:33

Apresentação do profeta

Ageu, cujo nome significa “Festivo”, foi um dos profetas pós-exílicos, um contemporâneo de Zacarias. Tinha as qualidades de um bom pastor. Encorajador cuja palavra estava em sintonia com o coração do povo e a mente de Deus, ele foi o mensageiro do Senhor, com a mensagem do Senhor, levando ao seu grupo desanimado a segurança da presença de Deus.

Data

O ministério de Ageu cobriu um período de um pouco menos de quatro meses, durante o segundo reinado do rei Dario, que governou a Pérsia de 522 a 486 a.C, Isso localiza Ageu na história em 520 aC.

Contexto Histórico

Ageu exortou o povo de Jerusalém que retornara da Babilônia por decreto do imperador Ciro (539 a.C.) a reconstruir o Templo do Senhor (saqueado pelos babilônios setenta anos antes) e o calendário litúrgico – adoração, festas religiosas e os sacrifícios. A primeira leva a sair da Babilônia e chegar a Jerusalém foi chefiada por Sesbazar (Esdras 1:5-11) e lançou a fundação do novo templo. No entanto esse primeiro projeto não foi em frente devido a dificuldades de sobrevivência do povo de Jerusalém cercada de estrangeiros hostis, pela seca e péssima colheita. Uma segunda leva de judeus vindo da Babilônia e sob a liderança de Zorobabel e Josué chegou e foram inspirados pelos profetas Ageu e Zacarias a um segundo projeto de reconstrução do Templo. O templo simbolizava a presença do Senhor no meio do seu povo, estimulando-o a seguir os mandamentos, inspirar a verdadeira adoração ao Senhor fazendo recordar a todos a aliança de Deus com Israel.

Em 520 aC, ajuntou aos exilados que haviam retornado à sua terra natal em 536 aC, para reconstruir o templo do Senhor. Eles haviam começado bem, construindo um altar e oferecendo sacrifícios, estabelecendo, então, o fundamento para a Casa do Senhor no ano seguinte. A construção havia cessado, todavia quando os inimigos zombaram dos esforços dos construtores. Mas, o ministério de Ageu e o de Zacarias fizeram com que o povo se reanimasse e completasse a tarefa em cinco anos. O templo reconstruído foi dedicado em 515 aC

A Repreensão. Ageu 1:1-11; 2:12-19

O problema no tempo de Ageu é que o povo naquela época estava mais focado em re-erguer suas próprias casas (seu conforto) do que o próprio Templo (vida religiosa e de relação com Deus). 

No segundo ano do rei Dario, no sexto mês, no primeiro dia do mês, veio a palavra do Senhor por intervenção do profeta Ageu a Zorobabel, filho de Sealtiel, governador de Judá, e ao sumo sacerdote Josué, filho de Jozadaque, dizendo: Assim fala o Senhor dos exércitos: Este povo diz: Não é o tempo de chegarmos nós, o tempo de se edificar a casa do Senhor. Então veio a palavra do Senhor por intervenção do profeta Ageu, dizendo: Acaso é tempo de habitardes vós nas vossas casas forradas, enquanto esta casa fica desolada? (1-4)

Eram casas de fino acabamento, provavelmente de madeiras caras talvez até as originalmente compradas para construção do templo, conforme Esdras 3:7 :7 Então eles deram dinheiro aos pedreiros e aos carpinteiros, e deram comida, bebida e azeite ao povo de Sidom e de Tiro, para que, pelo mar, trouxessem do Líbano para Jope toras de cedro.

Isso tinha sido autorizado por Ciro, rei da Pérsia.

Deus faz admoestação ao povo através de Ageu:

Agora, pois, assim diz o Senhor dos exércitos: Considerai os vossos caminhos. Tendes semeado muito, e recolhido pouco; comeis, porém não vos fartais; bebeis, porém não vos saciais; vestí-vos, mas ninguém fica quente; e quem recebe salário, recebe-o para o meter num saco furado. Assim diz o Senhor dos exércitos: Considerai os vossos caminhos. Subi ao monte, trazei madeira e edificai a casa; dela me deleitarei, e serei glorificado, diz o SENHOR. (5-8)

As várias exortações de Deus ao povo, tinham o propósito de desafiar o Seu povo a mudar de atitude e não continuar rebelde e desobediente como foram seus antecessores.

Pois o Senhor castiga ao que ama, E açoita a todo o filho que recebe. Hebreus 12: 6

Nesse tempo Judá não tinha mais Rei, e sim um governador seu nome era Zorobabel, bisneto de Josias, descendente de Davi.

O sumo-sacerdote chamava-se Josué; Eles representavam o poder Político e religioso da nação e era por seu intermédio que o projeto de Deus deveria despertar o interesse a ação coletiva.

Os Judeus que voltaram do exílio já estavam bem cômodos em Jerusalém. Moravam em casas boas e a prosperidade material aumentava.

Todo o mundo achava que o templo deveria ser restaurado um dia, mas não tão já. Ageu 1:2

A demora dos Judeus é típica. Quantas vezes o Senhor nos desafia com um projeto na sua obra, e demoramos, dizendo como os judeus: Ainda não é o tempo”.

Como é preciso reconhecer o tempo, o “KAIRÓS (grego)” do Senhor!

Elias precisou reconhecer o Kairós, ao desafiar Acabe, ele é direcionado por Deus a um lugar chamado TORRENTE DE QUERITE (vale de Açor, próximo de Jericó), passado dias sendo alimentado por corvo e bebendo água do ribeiro, a torrente secou, o FIM DO SUPRIMENTO DE ÁGUA. Algumas vezes em nossa vida há o fim de uma coisa para que haja começo de outra.

Elias tisbita, que era dos que peregrinavam em Gileade, disse a Acabe: Pela vida do Senhor Deus de Israel, em cuja presença estou, não haverá neste ano nem orvalho nem chuva, senão conforme a minha palavra. Veio a ele a palavra do Senhor dizendo: Retira-te daqui, vai para a banda do Oriente, e esconde-te junto da torrente de Querite, que está defronte do Jordão. Beberás da torrente; eu ordenei aos corvos que te sustentem ali mesmo. Partiu e fez conforme a ordem do Senhor porque foi e habitou junto da torrente de Querite, que está defronte do Jordão. Os corvos traziam-lhe pela manhã pão e carne, também de tarde pão e carne; e ele bebia da torrente. Mas passados dias, secou a torrente, porque não chovia sobre a terra. I Reis. 17:1-7

Ageu 1:6 - “TENDES SEMEADO MUITO E RECOLHIDO POUCO;...”

O profeta Ageu desafiou e os exortou a se lembrarem do passado de trevas e a viverem um presente de um modo totalmente oposto ao anterior cheio de muitas negligências.

Quantas vezes os nossos sofrimentos pessoais estão ligados à nossa desobediência ao Senhor!

Obedecer é melhor que o sacrificar!

As escolhas que geralmente fazemos, afetam nossa vida material e espiritual.

Esperastes o muito, e eis que veio a ser pouco; trouxestes-o para casa, e o dissipei com um assopro. Por que? diz Senhor os exércitos. Por causa da minha casa que fica desolada, enquanto correis cada um para a sua casa. Portanto por causa de vós é que os céus têm retido o orvalho, e a terra tem retido o seu fruto. Mandei vir a seca sobre a terra, e sobre os montes, e sobre o trigo, e sobre o mosto, e sobre o azeite, e sobre o que a terra produz, e sobre os homens, e sobre os animais e sobre todo o trabalho manual. (Ageu 1: 9-11)

A Reação à Mensagem

A reação dos lideres e do povo ao sermão de Ageu produziu impacto forte no povo que logo iniciou a reconstrução do Templo.

Então Zorobabel, filho de Sealtiel, e o sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, juntamente com todo o  resto do povo, obedeceram a voz do Senhor seu Deus, e as palavras do profeta Ageu, como o Senhor seu Deus o tinha enviado; e temeu o povo diante do Senhor.
Então Ageu, o mensageiro do Senhor, falou ao povo, conforme a mensagem do Senhor, dizendo: Eu sou convosco, e diz o Senhor.
E o Senhor suscitou o espírito do governador de Judá Zorobabel, filho de Sealtiel, e o espírito do sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, e o espírito de todo o resto do povo; e eles vieram, e começaram a trabalhar na casa do Senhor dos exércitos, seu Deus,ao vigésimo quarto dia do sexto mês. Ageu 1:12-15

Eram corações abertos, mentes sensíveis e espíritos pronto; e a exemplo de Samuel, reagiram positivamente: “FALA SENHOR, PORQUE O TEU SERVO OUVE – I Samuel. 3:10”.

Ouve no povo um Acolhimento à Palavra (v.12); Temor a Deus (v.12); A presença do Senhor como segurança (v.13); Despertamento Espiritual (v.14); Ação e Trabalho (v. 14 e 15).

Se ouvires atentamente a voz de Jeová teu Deus, cuidando de cumprir todos os mandamentos que eu hoje te ordeno, Jeová teu Deus exaltará acima de todas as nações da terra.
Todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, se ouvires a voz de Jeová teu Deus. E o Senhor te porá por cabeça, e não por cauda; e só estarás por cima, e não por baixo; se obedeceres aos mandamentos do Senhor teu Deus, que eu hoje te ordeno, para os guardar e cumprir, Deuteronômio. 28:2, 13

No entanto, devido à escassez ou desperdício de recursos, a reconstrução do Templo não o deixou com a mesma glória do original como no tempo de Salomão.

No segundo ano do rei Dario, no vigésimo primeiro dia do sétimo mês, veio a palavra do SENHOR por meio do profeta Ageu: “Pergunte o seguinte ao governador de Judá, Zorobabel, filho de Sealtiel, ao sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, e ao restante do povo: Quem de vocês viu este templo em seu primeiro esplendor? Comparado a ele, não é como nada o que vocês vêem agora? Mas Deus vem em socorro de Zorobabel e Josué para animá-los e garantir que também encherá de gloria este segundo Templo como nos dias de Salomão “Coragem, Zorobabel”, declara o SENHOR. “Coragem, sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque. Coragem! Ao trabalho, ó povo da terra!”, declara o SENHOR. “Porque eu estou com vocês”, declara o SENHOR dos Exércitos. “Esta é a aliança que fiz com vocês quando vocês saíram do Egito: Meu espírito está entre vocês. Não tenham medo”. Assim diz o SENHOR dos Exércitos: “Dentro de pouco tempo farei tremer o céu, a terra, o mar e o continente. Farei tremer todas as nações, as quais trarão para cá os seus tesouros, e encherei este templo de glória”, diz o SENHOR dos Exércitos. “Tanto a prata quanto o ouro me pertencem”, declara o SENHOR dos Exércitos. “A glória deste novo templo será maior do que a do antigo”, diz o SENHOR dos Exércitos. “E neste lugar estabelecerei a paz”, declara o SENHOR dos Exércitos.Ageu 2: 1-9

O Profeta apelou para o testemunho dos anciões entre eles, que ainda se lembravam da primeira casa do Senhor em toda a sua Glória.

Era natural que sentissem desânimo, comparando a obra-prima de Salomão com a velha ruína existente.

Deus sempre faz coisas novas. A Esperança suplanta a saudade.

Por isso o profeta insistiu que aquele que CRÊ deve enfrentar com REALISMO o desafio atual.

A obra de Deus precisava de dedicação abnegada de toda a comunidade da FÈ, do esforço dos grandes e dos pequenos.

Deus promete nesta profecia abalar todas as nações, quando encheria de glória aquela casa.

Apelo à santidade, consciência pura – Ageu 2:10-19

Deus conclama para que o povo tenha uma consciência pura, que o povo se santifique antes de fazer a obra do Senhor no Templo. E faz algumas perguntas:

No vigésimo quarto dia do nono mês (época em que se esperavam as primeiras chuvas que regariam a nova safra), no segundo ano do reinado de Dario, a palavra do SENHOR veio ao profeta Ageu: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: “Faça aos sacerdotes a seguinte pergunta sobre a Lei: Se alguém levar carne consagrada na borda de suas vestes, e com elas tocar num pão, ou em algo cozido, ou em vinho, ou em azeite ou em qualquer comida, isso ficará consagrado?” Os sacerdotes responderam: “Não”. Ou seja , a santificação não é transmitida às coisas que a carne toca. (10-12)

Se alguém ficar impuro por tocar num cadáver e depois tocar em alguma dessas coisas, ela ficará impura?” “Sim”, responderam os sacerdotes, “ficará impura.”Ageu 2 Ou seja, algo contaminado que toque algo santificado contamina o santificado. Ageu transmitiu esta resposta do SENHOR: “É o que acontece com este povo e com esta nação. Tudo o que fazem e tudo o que me oferecem é impuro. “Agora prestem atenção; de hoje em diante reconsiderem. Em que condições vocês viviam antes que se colocasse pedra sobre pedra no templo do SENHOR? Ageu 2 Deus quer ensinar que a pureza não pode ser transferida mas a contaminação, sim. E convida o povo à santificação fazendo promessas de bênçãos. Quando alguém chegava a um monte de trigo procurando vinte medidas, havia apenas dez. Quando alguém ia ao depósito de vinho para tirar cinquenta medidas, só encontrava vinte. Eu destruí todo o trabalho das mãos de vocês, com mofo, ferrugem e granizo, mas vocês não se voltaram para mim”, declara o SENHOR. A partir de hoje, vigésimo quarto dia do nono mês, atentem para o dia em que os fundamentos do templo do SENHOR foram lançados. Reconsiderem: ainda há alguma semente no celeiro? Até hoje a videira, a figueira, a romeira e a oliveira não têm dado fruto. Mas, de hoje em diante, abençoarei vocês.” (13-19)

Zorobabel – servo davídico e anel de selar – Ageu 2:20-23

A palavra do SENHOR veio a Ageu pela segunda vez, no vigésimo quarto dia do nono mês: “Diga a Zorobabel, governador de Judá, que eu farei tremer o céu e a terra. Derrubarei tronos e destruirei o poder dos reinos estrangeiros. Virarei os carros e os seus condutores; os cavalos e os seus cavaleiros cairão, cada um pela espada do seu companheiro. “Naquele dia”, declara o SENHOR dos Exércitos, “eu o tomarei, meu servo Zorobabel, filho de Sealtiel”, declara o SENHOR, “e farei de você um anel de selar, porque o tenho escolhido”, declara o SENHOR dos Exércitos. (20-23)

A designação de Zorobabel como “anel de selar” do Senhor cancelava a maldição pronunciada por Jeremias sobre o rei Jeoaquim e seus descendentes (Jeremias 22:24-30). A família davídica tendo sua autoridade restaurada retomava a linhagem messiânica de Judá (Mateus1:11-12). Deus assim confirmava Israel como povo eleito, reacendia as expectativas messiânicas entre o povo e garantia as promessas da aliança. Deus conclamava os judeus a terem confiança no futuro.

O Templo que os Judeus iriam reconstruir seria aquele que o MESSIAS compareceria! E de fato, CRISTO andou naquele templo. Herodes o embelezou com obras durante 46 anos (Jo. 2:19), mas era a mesma construção.

E disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai uma casa de negócio. João 2: 16

Neste sentido a Glória da última casa foi a presença de JESUS CRISTO nosso Salvador, cuja glória é bem maior do que a da Lei.

Quando estamos realizando o trabalho do Senhor, surgem muitas vezes dificuldades, incompreensões e obstáculos; sabemos que estas coisas causam tristezas e desânimo. Graças a Deus porque nesta hora vem o socorro divino do encorajamento.

Conclusão

A prioridade e a fidelidade devem ser o desafio maior para todo aquele que pleiteia a construção de uma obra que venha glorificar a Deus.

Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, constantes, aplicando-vos cada vez mais a obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor. I Coríntios 15:58...
Bispo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante.


0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.