Subscribe:

quinta-feira, 12 de março de 2015

ESTUDO COMO SOFRE UM LEVITA NA CASA DE DEUS...


                                ESTUDO COMO SOFRE UM LEVITA NA CASA DE DEUS...
Em meio as Diversidades da Vida e conversando com uma Amiga e Levita da Casa de DEUS sobre as perseguições e humilhações que quem DEUS escolhe para esse Ministério sofre, o Espírito Santo me levou a escrever esse ESTUDO que vai te servir de espelho, pois essa Grande amiga e irmã em CRISTO têm sofrido muitas humilhações por causa do perfeito louvor que sai de sua boca e agrada o Coração de DEUS e com isso tem ficado muito triste, pois vários são os que se dizem Pastores e Líderes Evangélicos que perseguem os que pregam o evangelho através do louvor, mas não se preocupa pois a tua obrigação é louvar ao Senhor por toda eternidade, pois quando estivermos ao lado do Cristo de DEUS, somente iremos adora-lo com louvores e Cânticos, o nome dessa Irmã que me levou a fazer essa mensagem não divulgarei, mas apenas estarei orando por ela e por todos aquele que servem a DEUS com os Louvores.
1. Levitas, quem são?
 Muitas vezes os ministros de louvor e músicos evangélicos são chamados de “levitas”.
No Novo Testamento não temos referência a ministros de louvor nem a instrumentistas na igreja. Jesus disse que o Pai procura adoradores (João 4.24). O ensino apostólico, por sua vez, incentiva todos os cristãos a prestarem culto ao Senhor, com salmos, hinos e cânticos espirituais (Ef.5.18-20; Col. 3.16).
Então, de onde então vem o conceito de “levita”?
Tomamos por empréstimo de Israel e do Velho Testamento. Originalmente, “levita” significa descendente de Levi, que era um dos 12 filhos de Jacó.
Os levitas começaram a se destacar entre as 12 tribos de Israel por ocasião do episódio do bezerro de ouro. Quando Moisés desceu do monte e viu o povo entregue à idolatria, encheu-se de ira e cobrou um posicionamento dos israelitas.
 Naquele momento, os descendentes de Levi se manifestaram para servirem somente ao Senhor (Êx.32.26).
 Daí em diante, os levitas se tornaram ministros de Deus. Dentre eles, alguns eram sacerdotes (família de Aarão) e os outros, seus auxiliares.
Embora os sacerdotes fossem levitas, tornou-se habitual separar os dois grupos.
Então, muitas das vezes em que se fala sobre os levitas no Velho Testamento, a referência se aplica aos ajudantes dos sacerdotes. Seu serviço era cuidar do tabernáculo e de seus utensílios, inclusive carregando tudo durante a viagem pelo deserto (Núm. capítulos.3, 4, 8, 18).
Naquele tempo, os levitas não eram responsáveis pela música no tabernáculo. Afinal, não havia uma parte musical no culto estabelecido pela lei de Moisés, embora as orações e sacrifícios incluíssem o sentido de louvor, adoração e ações de graças.
Muito tempo depois, Davi inseriu a música como parte integrante do culto. Afinal, ele era músico e compositor desde a sua juventude (I Sm.16.23), então, atribuiu a alguns levitas a responsabilidade musical.
Em I Crônicas (9.14-33; 23.1-32; 25.1-7), vemos diversas atribuições dos levitas:
“Havia entre eles porteiros, guardas, padeiros e também cantores e instrumentistas” (II Crônicas 5.13; 34.12).
Considerando o paralelo existente entre Israel e a igreja de Jesus Cristo, podemos utilizar o nome “levita”, embora não sejamos descendentes de Levi.   Mas, se queremos assim considerar, então todos os que servem em qualquer ministério podem ser chamados “levitas”. O levita é aquele que executa qualquer serviço ligado ao culto. O levita é simplesmente um servo.
Aqueles levitas, designados por Davi para o louvor, eram liderados por Asafe, Hemã e Jedutum, e tinham a tarefa de PROFETIZAR com harpas, alaúdes e saltérios (I Crônicas 25.1).
Nessa época, surgiu a maior parte dos salmos de Israel. Hoje, podemos testificar que aqueles levitas eram mesmo profetas. Através deles o Espírito Santo falava ao povo.
Além disso, eram mestres no que realizavam (I Crô.25.7).
 Se queremos usar o nome de “levitas” precisamos nos dispor para o serviço e para caminhar em direção a um nível de qualidade excelente no ministério.
 Como um todo, os Levitas se tornaram responsáveis em “fazer o trabalho na tenda da congregação”, o Tabernáculo (Números 4:3).
A palavra Hebraica para serviço também significa luta, portanto, o serviço deles no Tabernáculo era uma figura da luta espiritual.
Levi teve três filhos: Gérson, Coate e Merari. O trabalho dos Levitas foi distribuído de acordo com suas famílias:
A família de Gerson era responsável por carregar e montar as cortinas do Pátio Externo do Tabernáculo, as coberturas do Tabernáculo, a cortina da Porta do Santuário, a cortina da Porta do Pátio Externo, juntamente com todas as cordas e fixadores que seguravam estas cortinas (Números 3:25-26)
A família de Merari era responsável por carregar e montar as Tábuas, as Travessas, as Colunas e Bases do Pátio Externo (Números 3:36-37)
A família de Coate era responsável pelo transporte da Arca da Aliança, o Véu, o Altar de Incenso, o Castiçal, a Mesa dos Pães, a Pia e o Altar de Holocausto juntamente com todos os utensílios do Santuário (Números 3:31).
Os filhos de Israel sabiam quando era a hora de sair para sua jornada através do deserto, pois havia uma coluna de nuvem durante o dia e uma coluna de fogo de noite para os guiar. Os Levitas desmontavam e transportavam o Tabernáculo, montando-o novamente no lugar indicado pela nuvem. Quando o Tabernáculo era edificado no novo local, Deus indicava o lugar que cada tribo deveria ocupar ao seu redor (Números 2:1-34).
Os Levitas deveriam armar as suas tendas ao redor do Tabernáculo (Números 1:53).
 Podemos usar o termo Levita para quem não é da tribo de Levi?
Quando dizemos hoje que somos levitas alguém pode perguntar como podemos nos denominar Levitas se não somos da Tribo de Levi. Por isso gostaria de alongar este comentário sobre os levitas a fim de que ninguém se perturbe com estas questões.
 Juízes 17:7
“Havia um moço de Belém de Judá, da tribo de Judá, que era levita e se demorava ali.”     
O levita de Mica veio de Belém e era da família de Judá. Como poderia ser ele levita sendo de Judá e não da tribo de Leví? O levita, neste texto é um exemplo da possibilidade de que indivíduos de outras tribos podiam, durante algum período, unir-se a tribo sacerdotal. Há ainda evidencias de que o termo levita fosse um título funcional com o sentido de voto, alem de servir como designação de uma tribo. Tipologicamente o Levita do Velho testamento nada mais é do que a figura do servo do novo testamento, que se consagra e assume a posição de levita para trabalhar e conduzir o tabernáculo do senhor.
2. A divisão entre os Levitas.
O que será isso? Por que existe divisão entre os levitas num âmbito geral do corpo de Cristo?
Vamos voltar para o inicio de tudo… e em questão de Levitas, tudo começa com Levi.
Levi foi o terceiro filho de Jacó. E quando Jacó percebeu que iria morrer, chamou seus filhos e os abençoou, mas para Levi e Simeão (que eram irmãos e filhos da mesma mãe), Jacó disse:
 “5: Simeão e Levi são irmãos; as suas espadas são instrumentos de violência.
6: No seu secreto conselho não entre minha alma, com a sua congregação minha glória não se ajunte; porque no seu furor mataram homens, e na sua teima arrebataram bois.
7: Maldito seja o seu furor, pois era forte, e a sua ira, pois era dura; eu os dividirei em Jacó, e os espalharei em Israel.”
O versículo 5 diz que Levi usava instrumentos de violência.
Muitas vezes os Levitas são rebeldes e até violentos com suas atitudes para com os seus Lideres e Igreja, mas, pelo contrário, os nossos instrumentos devem ser a paz e o amor para com a Igreja, e honrar os nossos Lideres.
Somos rudes e prepotentes… os “donos da verdade”… Não aceitamos a repreensão… Falamos uma
coisa e vivemos outra. Deus olha para os instrumentos musicais e vê violência neles, Deus não aceita isso, por isso Jacó diz:
No seu secreto conselho não entre minha alma, com a sua congregação minha glória não se ajunte”
Deus fala para estes levitas que, sua glória estará com eles… farão muitas coisas, mas não chegam a lugar nenhum sem a unção.
“…eu os dividirei em Jacó, e os espalharei em Israel.”
Este versículo mostra a razão pelo qual os Levitas são divididos…
É isso mesmo! Esta divisão entre os Levitas foi uma maldição lançada por Jacó aos próprios Levitas, mas, até quando…?
3. Levitas: A reconciliação com Deus e o Chamado.
Vamos agora adiantar um pouco na Bíblia e achegar ao monte Sinai onde Moises recebeu os mandamentos do Senhor.
O contexto desta história fala que o povo achou que Moises não iria voltar mais, então, resolveram fazer um bezerro de ouro e adorá-lo como o seu “deus”; mas o que acontece é que Moises não morreu, e Deus manda Moises descer do monte, pois o povo havia se corrompido.
Chegando lá Moises quebra as tábuas do testemunho e destrói os bezerro de ouro.
Moises chega ao povo e faz uma pergunta decisiva:
“Pôs-se em pé Moisés na porta do arraial e disse: Quem é do SENHOR, venha a mim.
 Então se ajuntaram a ele todos os filhos de Levi.”
Isso foi decisivo na vida dos Levitas.  Eles se achegaram ao Senhor
nos próximos versículos Deus os usa para fazer justiça no meio do povo de Deus… Eles foram zelosos.
E veja o que Deus fala para os Levitas por terem se achegado ao Senhor e por terem sido Zelosos na casa de Deus.
29 – “Hoje fostes separados para o Senhor, pois cada um foi contra o seu filho, e contra o seu irmão, e hoje Ele vos abençoou”
Desde aquele momento, Deus separou os Levitas para oficiarem no templo e ensinar as leis em todo Israel. Realmente eles foram divididos em Israel, segundo o que Jacó falou.
Foram divididos porem agora para louvar a Deus no Templo e saírem por Israel a ensinar a Lei do Senhor. Todos com um só pensamento, uma só fé, unidos no Senhor… Deus converteu a maldição em benção… O mal em bem, para o louvor da sua glória.
4. Levitas são Profetas.
1CR 25:1
“E Davi, juntamente com os capitães do exército, separou para o ministério os filhos de Asafe, e de Hemã, e de Jedutum, para profetizarem com harpas, com címbalos, e com saltérios; e este foi o número dos homens aptos para a obra do seu ministério…”
Aonde quer que você esteja você precisa ser um ministro do Senhor, um profeta do Senhor, levando a palavra d’Ele. Isso será possível querido (a), quando nos dispormos e nos colocarmos no altar do Senhor.
Preste atenção no que vou dizer: Você é profeta, e todo profeta vê e  ouve o que acontece no reino espiritual, e passa a mensagem quando recebe uma ordem. No seu caso você usa o seu instrumento, o seu corpo, a sua voz para profetizar o que vêm do Senhor, para trazer libertação, cura, quebrantamento etc. Você é luz porque permanece em Jesus Cristo! E luz não combina com trevas! Por muito anos satanás roubou ritmos, danças e outras artes para desviar o homem do propósito de Deus.
A música ou dança, tem um papel fundamental no reino espiritual. Você já percebeu que as pessoas que ouvem músicas que falam de adultério, promiscuidade, sexualidade, fornicação acabam recebendo e concebendo no seu próprio corpo o que a letras segurem?! Isso tem tudo seu início no Reino Espiritual –
Tg. 3:15 – “Essa não é a sabedoria que vem do ALTO, mas é terrena, animal e diabólica. “
O profeta é um homem separado, santo! E você precisa ser santo, precisa ver e ouvir coisas santas, para profetizar! Você precisa ter os olhos e ouvidos abertos para ver e ouvir o que vêm do Trono do Senhor.
Tg. 1:17
“Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do ALTO, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.”
“Pensai nas coisas que são de CIMA, e não nas que são da terra;”
Santifique seus ouvidos, sua boca, seu olhos e procure profetizar o que vêm do Senhor. Dançar o que está sendo dançado no céu, cantar o que está sendo cantado no céu, tocar o que está sendo tocado no céu! Haverá momentos em que a adoração na terra se juntará com adoração no céu!
Há referências ao trabalho levítico também nos capítulos 9, 15, 23 de I Crônicas e em II Crônicas 5-8, 17, 24, 29 e 35.  Encontramos relação entre o oficio levítico e o ofício profético.  Jaaziel, um levita dos filhos de Asafe, profetizou a vitória de Josafá (2 Cr 20:14).  Jedutum, o levita, é chamado de profeta do rei (2 Cr 35:15).
            Os profetas maiores fazem algumas referências ao papel dos levitas.  O profeta Isaías falou acerca de Deus reunir os israelitas dispersos (ou talvez gentios convertidos) para servi-lo na qualidade de sacerdotes e levitas: “vem o dia em que ajuntarei todas as nações e línguas; e elas virão, e verão a minha glória. (…) E também deles tomarei alguns para sacerdotes e para levitas, diz o Senhor.” (Is 66:18 e 21).
 O profeta Ezequiel descreve uma aguda separação entre os sacerdotes levíticos, a quem denomina filhos de Zadoque, e os levitas infiéis (Ez 40:46; 43:19).  Os filhos de Zadoque são os sacerdotes levitas que permaneceram fiéis a Deus (Ez 44:15 e 48:11).  Os levitas infiéis são denunciados como idólatras e, face sua infidelidade, não poderiam mais se aproximar do altar, nem manusear as coisas sagradas (Ez 44:10-14)
No livro de Esdras encontramos diversas referências aos levitas.  Eles desempenharam uma parte proeminente no lançamento dos alicerces do novo templo (Ed 3:8ss) e quando da dedicação do mesmo (Ed 6:16ss).
         Em Neemias encontramos os levitas envolvidos na reconstrução dos muros em Jerusalém (Ne 3:17) e, após seu término, na instrução da Lei ao povo (Ne 8:7-9), tendo uma participação preponderante na vida da nação (Ne 11:3ss, 12:27 ss). 
            No Novo Testamento, Barnabé é mencionado como um levita (At 4:36).
 5. O louvor na história.
 O louvor a Deus está mencionado na bíblia desde os tempos mais remotos da humanidade, o primeiro ministro mencionado na bíblia foi Jubal, da descendência de Caim, pai de todos que tocam arpa e órgão (Gn4:21) , e em toda bíblia podemos ver a importância do louvor.
 Sl 103:2
Todo o ser louve ao Deus Eterno, e que eu não me esqueça de nenhuma das suas bênçãos!
 A Bíblia deixou bem claro do poder que um louvor sincero pode ter em nossa vida, um dos maiores exemplos disso foi da vitória de Josafá sobre os filhos de Amom e de Moabe nas montanhas de Seir; quando  ele pediu para que os cantores fossem louvando diante do exército e, quando chagaram diante os seus inimigos viram o poder de Deus através do louvor.
2Cr 20:21 e 22
“Depois de consultar o povo, Josafá ordenou que alguns cantores vestissem roupas sagradas e marchassem à frente do exército, louvando a Deus e cantando assim: “Louvem ao Deus Eterno porque o seu amor dura para sempre.”  Logo que começaram a cantar, o Deus Eterno causou confusão entre os moabitas, os amonitas e os edomitas, e eles foram derrotados.”
Muitos foram os ministros que se destacaram na história pela sua dedicação e submissão a Cristo, um exemplo foi Davi, além de ser um exemplo de consagração, ele foi um grande músico, cantor e inclusive inventou vários instrumentos musicais
A música nasceu no reino dos céus, o homem recebeu a música como uma dádiva de Deus, uma vez que somente os anjos podiam tocar louvores à Deus (claramente no livro de Ezequiel) mas o homem, pra não perder o “costume”, desobedeceu à Deus e começou a usar a música de maneira errada, começou a exaltar a mulher que amava, começou a exaltar a carne e hoje podemos ver como está a situação da música.
Deus criou tudo, inclusive a música em todos seus ritmos e estilos.
 6. O poder do louvor.
- Texto introdutório: Atos 16. 25-26
- Diferenciar – louvor, adoração e música.
 Existe poder no louvor?
- O poder do louvor se relaciona a vários elementos: seu veículo, seu conteúdo, sua origem, seu propósito e seu agente.
 SEU VEÍCULO: A MÚSICA
O poder natural da música – uma linguagem universal.
Sua influência psicológica com efeitos físicos – seu uso geral (no dia-a-dia, nos comerciais, nos eventos, nas religiões, na política, na didática, nas forças armadas, nas terapias, etc.) (com motivo ou sem motivo, com objetivo ou por simples prazer).
 - Estímulo à memória na fixação de ensinamentos.
- Ativação da memória na recuperação de lembranças.
- Estímulo às emoções (exemplos: agitação, calma, romantismo e patriotismo).
 A melodia como poderoso veículo da ideologia. O que a música está trazendo?
Influência na alteração do comportamento (exemplos: músicas “pró-rebeldia”, “pró-suicídio”, ou “pró-sexo”). Nossa música deve ser da melhor qualidade e executada com a melhor técnica.
 SEU CONTEÚDO: A PALAVRA
- Nossas palavras, nossa mensagem.
- O poder está condicionado na essência das palavras usadas. É verdade o que cantamos? A verdade tem poder.
- Nossa música deve conter a palavra de Deus como essência indispensável. A palavra de Deus é viva e eficaz (Hb.4.12). Ela faz o nosso louvor vivo e eficaz.
 SUA ORIGEM: FONTE DE INSPIRAÇÃO
- O poder está condicionado à fonte da inspiração. Cuidado!
- Fontes de inspiração: humana, demoníaca ou divina.
- A Origem do nosso louvor deve ser o céu (onde a música e o louvor foram criados): Inspiração divina, poder de Deus.
- Além do poder natural da música, está em questão o poder espiritual.
 SEU DESTINO E PROPÓSITO
- Intenção, objetivo
O destino do nosso louvor deve ser o céu: devemos louvar com o propósito de agradar a Deus e promover o seu reino. Existem riscos de desvio para: agradar ao homem, conseguir glória humana, conseguir dinheiro. O dinheiro é importante e necessário, mas não podemos fazer dele o alvo ou condição para o nosso louvor.
 SEU AGENTE: AQUELE QUE LOUVA
- “Aos retos fica bem o louvor” (Salmo 33.1)
- O ministro de louvor precisa estar purificado para que o Espírito Santo atue através dele.
“… a purificação dos levitas para que possam trazer ofertas agradáveis ao Senhor.”
 - Duas formas de purificação apresentadas no texto: água ou fogo.
A palavra de Deus é água (João 15.3, Ef.5.26), portanto, conserte-se antes que venha o fogo.
O fogo pode representar uma palavra dura (Jr.23.29) ou as tribulações (I Pd.1.6-7), ou a ira do Senhor (Jr.4.4).
 CONCLUSÃO: OS EFEITOS DE UM LOUVOR PODEROSO
- Nosso louvor fixará a Palavra de Deus na memória das pessoas.
- Nosso louvor ativará a memória das pessoas para que lembrem seus pecados e os confessem.
- Nosso louvor influenciará o comportamento das pessoas para a glória de Deus.
 Efeitos do poder do louvor inspirado pelo Espírito Santo:
sensibilidade humana à ação de Deus; preparação de um ambiente propício à atuação do Espírito Santo (II Reis 3.15-16; Ef.5.18-19) e desfavorável à atuação demoníaca (I Sm.16.23 – Davi e Saul). Os inimigos são desbaratados e a vitória se realiza (II Cron.20.22).
 Onde o louvor ungido acontece, Deus habita e o Diabo não permanece.
 7. Amadurecendo como Levitas.
 Como vai sua vida de comunhão com Deus?
Como vai sua vida de oração?
Como vai sua vida de adoração no secreto do seu quarto?  Porque se você não fluir em adoração no seu quarto… como quer que flua na Igreja?
Quanto tempo tem ficado na presença de Deus?
Será que  você está só cumprindo uma obrigação?
 Hoje se fala muito de levitas, infelizmente há muitos que não sabem o que é ser um levita, porém mesmo assim se autodenominam como tal.
 Para entendermos melhor a pessoa do levita vamos estudar sobre a origem deste nome. LEVI do Hebraico LÊWI ligado a raiz IÃWÂ significa JUNTAR , ou ainda HILLAWEH que significa
UNIR.  O nome HILLAWEH (LEVÍ) é da mesma família onomatopaica da palavra HALELUIA.
Vamos estudar um pouco mais sobre Levi e entenderemos o porquê deste nome.
Gênesis 2:3  “Outra vez concebeu Lia, e deu à luz um filho, e disse: Agora, desta vez, se unirá mais a mim meu marido, porque lhe dei à luz três filhos; por isso, lhe chamou Levi.”
 Veja o que lemos: O nome daquele de onde se originou a tribo dos levitas significa unir, vemos agora que essa união referida pelo texto acima se trata da união do esposo com a esposa. Tipologicamente falando podemos concluir que os levitas têm a responsabilidade de unir a Esposa (Igreja) ao esposo (Deus).
 A pergunta que surge neste momento a todos os Levitas é:
“Eu estou usando o dom de Deus para unir o que? 
 Um equivoco é imaginar que o simples fato de cantar bem, com qualidade e até conseguir emocionar pessoas é o bastante ou que esta seja a missão do levita, porém as responsabilidades do Levita são muito grandes e extremamente sérias.
 OSÉIAS 6: 1,2 e 3
“Vinde, e tornemos para o SENHOR, porque ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará. Depois de dois dias, nos revigorará; ao terceiro dia, nos levantará, e viveremos diante dele. Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a sua vinda é certa; e ele
descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.”
A Palavra do Senhor é sempre muito clara. Ele, em todo o tempo nos orienta a buscá-lo mais, conhecê-lo mais, e crescermos espiritualmente. O apóstolo Paulo nos fala de deixarmos de ser meninos, e crescermos em maturidade.
 1 Coríntios 13:11
“Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.”
Na igreja podemos ver que o tempo vai passando, e muitos não vão amadurecendo. Continuam com as coisas de menino, continuam com valores, desejos, pensamentos infantis quanto às questões espirituais.
Se vamos crescendo, abandonando as coisas de “menino”, vamos nos aprofundando no relacionamento com o Pai.
1. O QUE É SER LEVITA? Levita é o servo. Levita e todo aquele que dispõe os talentos que Deus concedeu, para o trabalho do Reino. A “criança” se preocupa apenas em tocar, em cantar, sobretudo nos “grandes cultos“. Se vamos amadurecendo,  vamos entendendo a seriedade de estarmos no altar para cultuarmos ao Senhor.
2. COMO ATUA O LEVITA NA IGREJA? Ele foi dado por Deus como substistituto dos primogênitos. De uma forma bem clara, quando nos colocamos diante da Igreja para servir com nossos dons, quando nos empreendemos na realização do culto ao Senhor, como levitas estamos substituindo uma família.
Alguém que está no templo, mas que não está adorando ao Senhor, alguém muito necessitado, alguém oprimido ou bloqueado pelo inimigo.
Enquanto servimos ao Senhor cantando ou tocando, estamos elevando a Ele um culto, e Ele recebe por nós e por mais alguém. Isto é maravilhoso, mas é responsabilidade também. É preciso estar com a vida diante do Senhor de forma limpa, transparente. Não posso ser “menino”, tenho que buscar seriamente, crescer com o Senhor, crescer na Palavra.
Leia Números 3:12 a 45 – 8: 16, 17, 18.
3. O QUE É O LOUVOR DA IGREJA?
O louvor ao Senhor é uma grande batalha.
· Guerreamos contra nossa carne, para elevarmos a Ele um louvor em espírito.
· Guerreamos contra nossa alma, para não buscarmos apenas o que nos agrada, nos emociona, ou nos interessa. Precisamos buscar o que o Espírito Santo deseja que ofertemos ao Senhor. · Guerreamos contra satanás e seus demônios, que não querem que adoremos ao Senhor. Eles trabalham intensamente para que as vidas não sejam tocadas pela unção do Espírito Santo.
NÃO ESTAMOS EM UMA APRESENTAÇÃO, UM SHOW. NÃO ESTAMOS REALIZANDO NOSSO HOBBY, NÃO ESTAMOS FAZENDO O QUE GOSTAMOS E SABEMOS. NO LOUVOR, ESTAMOS EM UMA GUERRA ESPIRITUAL.
ESTA GUERRA NÃO SE VENCE GRITANDO MUITO OU DECLARANDO ALGUMAS FRASES DE IMPACTO. ESTA GUERRA SE VENCE COM A VIDA 24 HORAS POR DIA NO ALTAR DO SENHOR.
ISTO NÃO É COISA PARA “MENINOS”, PARA CRIANÇAS ESPIRITUAIS, mas para todo aquele que deseja crescer em Deus.
 Busque a Deus dia após dia. Leia mais a Palavra orem mais, jejue. Tenha seu tempo particular de louvor e adoração ao Senhor todo dia.
 1 Co 14.20
” Irmãos, não sejais meninos no entendimento; na malícia contudo, sede criancinhas ”
É tempo de deixarmos de ser apenas músicos e cantores, e darmos alimento mais sólido aos que estão famintos.
É hora de deixar nascer dentro de nós verdadeiros adoradores, com sinceras intenções de alimentar-se em Deus, e ser fontes de bênçãos à Igreja de Cristo.
Deus está preocupado com o nosso crescer. O nosso Deus é um Deus de processos. Por exemplo, Ele consumou a criação em seis dias e descansou no sétimo, mas Ele não precisava de seis dias, Ele precisava de apenas um segundo. Ele tinha poder para isto mas não o fez desta maneira.
Outro exemplo foi a gravidez de Maria, que durou nove meses. Você acha que Deus não poderia ter enviado Jesus pronto do céu? Sim, mas ele respeitou todo o processo humano. Outro exemplo foi a inundação da Terra na história da arca de Noé.
Você acha que Deus não poderia ter enchido a Terra em apenas alguns segundos? Sim, mas Ele permitiu que á água caísse do céu durante semanas! O nosso Deus é um Deus que respeita o processo humano. Da mesma forma, tenho convicção de que Deus também respeita o nosso processo de crescimento espiritual. Ele tem paciência quando erramos e sabe que precisamos de tempo para aprender.
Com relação a isto, o problema maior é quando não nos dispomos a aprender e continuamos no mesmo patamar espiritual durante muito tempo. Ficamos a vida inteira dependentes do pastor, dos líderes, dos presbíteros, dos pais, sendo tratados como crianças espirituais, como veremos posteriormente.
Como sabemos, o ser humano passa por várias fases em uma vida normal: o nascimento, a infância, a adolescência, a juventude, a fase adulta, e a fase idosa. Em cada fase nossos comportamentos se modificam. Quanto mais novos, tendemos ser mais irracionais e ingênuos. Se você disser a uma criança de 4 anos que o super-homem não existe, talvez ela ache graça de você.
Isto ocorre porque cada fase de nossa vida nos trás uma visão diferente das coisas, um linguajar diferente, sentimentos diferentes, etc. Mas o que eu quero dizer com isto tudo? Bem, a nossa vida espiritual se assemelha ao processo que vimos anteriormente. As fases vão desde o nascimento (entrega a Cristo) até a fase idosa (maturidade espiritual). Claro que este último ponto não tem fim. Quanto mais buscamos a Deus, mais crescemos espiritualmente! Isto deveria ser o principal item de nossas vidas.
Levita, se você quer começar a amadurecer espiritualmente, você terá que estudar! “Corra atrás” de seminários, congressos, escolas de louvor, livros, etc.
Devemos estar dispostos a crescer, crescer, crescer, …
Está na hora de resgatarmos a nossa identidade! Levita, está na hora de você começar a ganhar almas para Cristo! Está na hora de adorar em espírito e em verdade, de levar o evangelho ao perdido, … de crescer espiritualmente!
Muitas e muitas pessoas sobem no palco para ministrar tendo ainda visão de criança espiritual, comportamento de criança espiritual, etc.
Muitas e muitas pessoas sobem para ministrar como uma fonte seca, sem nada para falar ou , quando falam, acabam se frustrando e frustrando a igreja.
Quantas vezes somos convocados por Deus para ser adoradores, enquanto estamos sendo apenas músicos e cantores esquecendo do verdadeiro propósito do nosso chamado.
O louvor é uma arma que está em nossas mãos, e armas não podem ficar nas mãos de crianças!
É tempo de despertar, de crescer, … e nos tornar servos confiáveis nas mãos do nosso Deus.
 8. A importância da técnica para o Levita.
 Salmos 33:3
“Cantai-lhe um cântico novo, tocai bem e com júbilo”.
A Unção realmente é necessária para que o Espírito Santo se manifeste em nós através do Louvor e Adoração a Deus. Mas, será que a nossa dedicação ao Ministério também não conta!? Será que o nosso esforço de melhorar cada vez mais através do estudo da Palavra, ao que conta no crescimento espiritual, como também o estudo técnico para um melhor conhecimento e domínio daquilo que temos em nossas mãos não conta para darmos o melhor de nós a Deus!
QUALIDADE TÉCNICA DO LOUVOR É IMPORTANTE:
Todos nós que somos chamados pelo Senhor a algum Ministério, devemos ter em mente 3 coisas importantes:
1. Deus nos chamou e devemos dedicar tempo ao Ministério a que fomos chamados: nesse tempo, além de orarmos para pedirmos que Deus nos dirija através do Espírito Santo, devemos também dedicar tempo para o estudo. Nesse período devemos ter acima de tudo disciplina que é a essência do aprendizado para depois termos Decisão naquilo que faremos durante o Louvor.
2. Devemos nos dedicar cada vez mais através de treinamento para podermos levar ao Senhor o melhor. Os ensaios também são muito importante: devemos ensaiar exaustivamente até termos a música exatamente como ela é…
3. Deus exige que tenhamos habilidade, ou seja, toquemos bem o instrumento: em Sm 16.17-18 vimos que o Rei Saul pede que tragam diante dele um “homem que toque bem” para afastar um espírito maligno que o possuía. Esse “homem” era Davi. Deus só se agrada daqueles que aprimoram suas habilidades.
Os talentos são dados por Deus quando nascemos, não para que o enterremos, mas para que o façamos crescer em nós para depois dá-los ao Senhor com juros. E o Senhor se agradará de nós..
 A TÉCNICA NOS LEVA A SERMOS MESTRES:
Vemos no livro de Crônicas que os levitas representavam os músicos (ICr 15.22; 16.4-5 e que eram escolhidos por Deus pela sua habilidade (ICr 15.16-19) e consagrados, isto é, viviam exclusivamente para levar o povo de Deus em adoração.
Todo este comprometimento com a obra nos leva a sermos mestres, ou seja, tudo aquilo que aprendemos devemos passar aos futuros Ministros. Por fim, levantamos discípulos para que a obra do Senhor não pare na Igreja devido à nossa falta de conhecimento ou por sermos relapsos com o Ministério.
O Senhor mesmo disse “levantai discípulos”, mas para isso devemos ter total consagração ao Ministério e ao Senhor. Lembre-se: quando levantamos discípulos traremos unção dobrada à Igreja.
“E era o número deles, juntamente com seus irmãos instruídos no canto ao SENHOR, todos eles mestres, duzentos e oitenta e oito.”
 Deus usará você com aquilo que você tem. Se você não procurar aumentar o que você tem, de nada adiantará. Você será substituído por outro que esteja melhor preparado. Mas, o Senhor é fiel àquele que se dedica à sua obra.
 “Louvai ao Senhor ao som da trombeta, com o saltério e a harpa. Louvai ao Senhor com o adufe e a flauta, com instrumentos de cordas, com címbalos sonoros e vibrantes. Todo ser que respira, louve ao Senhor.”
Sl 150.3-6
 Mas, o que é técnica, para que serve, em que ela pode contribuir para a nossa vida?
 1. O QUE É TÉCNICA?
 Segundo o dicionário técnica é o lado material de uma arte ou ciência.
É a prática, norma, é a especialização. Em suma, técnica é o estudo de determinada matéria.
Um exemplo prático no Louvor são os músicos: eles estudam seus instrumentos em um determinado período para poder exercer suas funções dentro do Ministério de Música.
Quanto mais conhecimentos tiverem, melhor será o nível do Grupo de Louvor.
 2. PARA QUE SERVE?
 Ela serve para aprimorarmos os conhecimentos de determinado assunto. É através dela que desenvolvemos a prática.
3. COMO TER ACESSO?
 Através de escolas especializadas. Em qualquer área que você queira atuar, terá uma pessoa ou um grupo especializado para poder ensiná-lo.
Esses mestres também já passaram por isso e continuam sempre se aprimorando para poder dar o melhor nas suas profissões, sejam elas dentro ou fora do Ministério.
4. EM QUE ELA CONTRIBUI NA NOSSA VIDA?
 Todo trabalho de ensino exige da pessoa dedicação. Essa dedicação só é exercida através da disciplina. A disciplina é acima de tudo o respeito que nós temos pelos nossos mestres.
A disciplina gera na pessoa humildade e também submissão que é importante para podermos crescer dentro de qualquer área.
Para o cristão e acima de tudo o Levita, a submissão e a humildade em reconhecermos a liderança do Ministério, dos Pastores na Igreja faz com que o Espírito Santo possa atuar de forma mais intensa através dos seus membros dando-lhes profecias, curas, libertação e muito mais.
A unção do Espírito pode aparecer mais claramente dentro da Igreja.
 Lembremos que vários profetas no Antigo Testamento também obtiveram êxito no seu Ministério através de uma preparação específica, ou seja, trabalharam para que Deus pudesse usá-los para fazer seus grandes feitos entre o seu povo.
 9. Levita: Conhecendo o inimigo.
 Estamos em luta permanente contra o nosso inimigo comum – Satanás e suas hostes.  Qualquer exército em guerra tem a necessidade de conhecer seu inimigo!  É preciso saber como o inimigo atua, quais suas armas, suas estratégias, etc.  Observe as palavras de Jesus em Lucas 14:31 e 32 “Ou qual é o rei que, indo entrar em guerra contra outro rei, não se senta primeiro a consultar se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? No caso contrário, enquanto o outro ainda está longe, manda embaixadores, e pede condições de paz.”.
 1. Existência, personalidade e natureza de Satanás
A existência de Satanás é ensinada em sete dos livros do Antigo Testamento: Gênesis, I  Crônicas 21:1, Jó 1 e 2, Salmo 109:6, Isaías 14, Ezequiel 28 e Zacarias 3:1 e 2.  Os demônios são mencionados no Antigo Testamento nos seguintes textos: Deuteronômio 32:17, II Crônicas 11:15 e Salmo 106:37.
A existência de Satanás e de seus demônios é ensinada por todos os escritores do Novo Testamento, inclusive nos ensinos do próprio Senhor Jesus.  Das 29 passagens referentes ao Inimigo nos Evangelhos, 25 citações são de Jesus.
a) Acerca da personalidade e natureza de Satanás:
Ele tem todos os requisitos que caracterizam uma personalidade: capacidade de falar (Mateus 4:1-12), vontade (Isaías 14:12), astúcia (II Coríntios 11:3), um ser moralmente responsável (Mateus 25:41).
Quanto à sua natureza, trata-se de um ser criado (Ezequiel 28:15), um ser espiritual (Efésios 6:11 e 12), pertenceu à ordem dos querubins (Ezequiel 28:14).
 b) Os nomes conferidos a Satanás na Bíblia:
O nome Satanás (adversário) é mencionado 52 vezes (Mt 4:10), Diabo (acusador, caluniador) é utilizado 35 vezes (At 13:10).  Eis os outros nomes: Maligno (Mt 13:19), Serpente (Ap 12:9), Dragão (Ap 12:7), Tentador (Mt 4:3), Belzebu (Mt 12:24), “o príncipe deste mundo” (Jo 12:31), “o deus deste século” (II Co 4:4) e “o príncipe das potestades do ar” (Ef 2:2).
 c) A queda de Satanás e suas conseqüências:
Sua queda foi causada pelo orgulho e ambições ilícitas (I Timóteo 3:6 e Isaías 14:12-14) e fez com que ele se tornasse inimigo de Deus e adversário de Seu povo (Mateus 13:25 e 39 e I Pedro 5:8). Desde a queda e até agora é assassino (João 8:44, Hebreus 2:14), mentiroso (João 8:44, Gn 3:4 e 5) e rebelde (I João 3:8).
d) Em relação aos anjos caídos:
Ele exerce o governo (Apocalipse 12:7-9). Também exerce controle sobre o mundo (I João 5:19). Originalmente, o planeta foi criado por Deus e entregue ao controle do homem (Gênesis 1:27 a 30) porém, com a queda do homem, este governo foi passado ao Maligno (Lucas 4:6). Apocalipse 13:2 demonstra a influência que o Dragão exerce sobre o mundo.
 e) Opõe-se à Obra do Senhor Jesus Cristo e de Sua Igreja:
Impedindo os incrédulos de compreender a Verdade (II Coríntios 4:4), implementando a falsa igreja e a pregação de um falso evangelho (II Coríntios 11:13-15) e patrocinando toda sorte de perseguição aos crentes (Apocalipse 2:10). Arrebata a Palavra semeada em muitos corações (Lucas 8:12) e coloca seus súditos no meio dos filhos de Deus como estratégia para prejudicar a Igreja (Mateus 13:25 e 38).
 f) Quanto ao poder que o Diabo tem:
Seu poder não é negado na Bíblia (II Tessalonicenses 2:9). O diagnóstico de Pedro acerca do mal que atingiu Ananias e Safira bem demonstra este poder: “por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo…?” (Atos 5:3).  Ele e seus demônios têm poder para infligir doenças físicas e mentais nas pessoas (Lucas 13:11,  I Coríntios 5:5, Marcos 9:17, Marcos 5:3). Tem poder para matar pessoas! (Hebreus 2:14 e João 10:10).
g) Ainda em relação ao povo de Deus:
Acusa e calunia os servos do Senhor (Apocalipse 12:10).  Coloca dificuldades e obstáculos à Obra (I Tessalonicenses 2:18).  Tenta influenciar os servos de Deus para que não cumpram Seus propósitos (Mateus 16:21-23).  Arma astutas ciladas, arremete dardos inflamados… (Efésios 6:11 e 12). Tenta os filhos de Deus para a prática de atos imorais (I Coríntios 7:5). Usa alguns para se oporem ao progresso na fé cristã de novos irmãos (Atos 13:8-10).
 2. A obra redentora de Cristo e a derrota de Satanás:
i. Cristo foi manifestado para destruir a obra de Satanás (I João 3:8).
ii. Cristo nos transmitiu autoridade sobre todo espírito maligno (Lucas 10:17-18).
iii. A morte e ressurreição de Jesus já condenaram o diabo (João 16:11).
iv. Através da cruz, o poder que Satanás tinha sobre a morte foi anulado (Hebreus 2:14 e 15).
v. A vitória dos salvos sobre Satanás é embasada no sangue do Cordeiro (Apocalipse 12:11).
vi. Através de Jesus Cristo, o crente tem poder para resistir a Satanás (Mateus 10:1 e Tiago 4:7).
vii. Satanás já está julgado (João 16:1).
 3. Nossa atitude para com Satanás:
i. Um filho de Deus não deve ter medo do Diabo e dos demônios (II Timóteo 1:7);
ii. É preciso confiar que o nosso Deus é por nós!  Ele prometeu estar conosco (Mateus 28:20) e se coloca como nosso intercessor (João 17:15);
iii. Não esqueça de que Satanás é um ser limitado: não é todo poderoso, onisciente, nem onipresente.  Maior, infinitamente maior, é o nosso Senhor! (I João 4:4);
iv. Dependa de Deus em oração. Ore para que Deus o livre do Maligno (Mateus 6:13 e Efésios 6:18);
v. Seja sempre vigilante e sóbrio (I Pedro 5:8);
vi. Não fale do Diabo com desdém ou provocação (Judas 9);
vii. Confie que Deus é fiel em nos guardar do Maligno (II Tessalonicenses 3:3);
viii. Revista-se de toda a armadura de Deus (Efésios 6:10-18);
ix. Acostume-se a usar da autoridade do nome de Jesus (Atos 3:16 e 16:18).
 10. Postura de um Levita.
 Um ministro não apenas canta ou toca, ele jejua, dá testemunho, dá uma palavra à igreja, prega e tem testemunho da vida cristã. Para você falar o que Jesus é, você precisa ser o que Jesus quer!
 Tanto o Ministro e principalmente a equipe de louvor, devem manter a maior reverência possível, pois todos visitantes estão de olho em você! Todo e qualquer movimento que você fizer eles o verão!
 Não se deve:
- Conversar ou combinar arranjos durante o culto;
- As mulheres não devem usar roupas muito curtas ou decotadas;
- Virar as costas para o a igreja;
- Deixar de usar Bíblia, o louvor não apenas toca ou canta, ele deve ser um exemplo, orando, lendo a bíblia   
e participando de todos os cultos!
- Nunca afinar instrumentos na hora do culto, pois além de ser uma falta de educação, isso irá quebrar a reverência do culto;
- Nada de chegar atrasado e muito menos sair da igreja depois de tocar;
- Se caso alguém errar nunca olhe para trás (talvez ninguém tenha notado!);
- Seja sempre discreto, se algo der errado acontecer, deixe parecer que está tudo sob controle; Não deixe de tocar por uma simples discussão, seja adulto, peça o perdão;
- Muitos ministros gostam de fazer “aquela pregação” entre uma música e outra, evite isso, pois pregação é papel do pastor!
- Não abandone seu posto na hora da pregação; muitos músicos acham que seu culto acabou na hora em que começou a pregação.
- Só desligue o seu instrumento na hora em que o culto for encerrado, pois alguém pode pedir uma música especial.
- Evite criar “certas manias” ao executar o instrumento, principalmente diante da igreja.
- Não discuta por coisas banais e nem alimente o ódio por um simples erro do companheiro.  (quem é que não erra?);
- Não chegue atrasado, não tem motivo que justifique seu atraso.
 Um Levita não apenas canta ou toca, ele jejua, dá testemunho, dá uma palavra à igreja, prega e tem testemunho da vida cristã.
 11. Cultive sempre o Perdão.
 1) COMPREENDENDO O PERDÃO
a) Devemos perdoar como Deus nos perdoou: Ef.4:32; Mt.18:21-35.
b) Não há limite de vezes para perdoar: Mt.18:22.
c) Devemos perdoar mesmo que a pessoa não peça perdão: Mt.5:23-24.
 2) CONSEQUÊNCIAS DA FALTA DE PERDÃO
a) Se não perdoarmos, Deus não nos perdoará: Mt.6:14,15.
b) Quem não perdoa fica espiritualmente preso: Mt.5:25; Mt.18:34.
c) A falta de perdão dá vantagem ao diabo: II Co.2:10,11.
d) Não resolve a mágoa e ainda piora situação.
3) LIBERANDO O PERDÃO
a) O perdão não é um sentimento, é uma decisão e também uma atitude de fé.
b) O perdão deve ser continuamente renovado.
c) Precisamos ver nossos ofensores como vítimas: Lc.23:34; At.7:60.
d) Devemos nos tornar “mensageiros” do perdão: Mt.5:9.
 4) TRATANDO COM O PASSADO
a) Deus apagou nosso passado – Rm.8:1; II Co.5:17.
b) Mas muitos pecados deixam conseqüências – II Sm.12:9-14.
c) Importância de ser “transparente” quanto ao que já ocorreu e não renovar a questão. (Pv.17:9)...

Bispo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.