Subscribe:

quarta-feira, 5 de março de 2014

SENHOR COMO EU TE AMO...


                                                       SENHOR COMO EU TE AMO...
"Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas" (Dt 6.4-9).
Amados irmãos, como é bom servirmos ao Deus verdadeiro e que não foi feito segundo a vontade humana, mas é firme, completo, estável e constante em tudo o que faz.
Nosso texto de hoje encontra-se dentro do "temível" pentateuco - isto é, os cinco primeiros livros da bíblia. Digo "temível", pois em primeiro lugar, as pessoas tem medo de lê-lo, pois lhes parece que o Senhor é apenas ira e n'Ele não reside misericórdia alguma. Em segundo lugar, lhes parece "temível", pois são muitas leis, regras, tudo muito minucioso e outras coisas mais que não agradam o coração regenerado. Ainda um terceiro ponto que poderíamos citar é porque as pessoas o leem e conseguem entender pouca coisa - ou seja, quase não lhes é proveitosa a leitura.
Mas conforme louvamos a Deus [em oração] anteriormente, damos graças a Ele porque para nós - Seus filhos - o pentateuco não é "temível", "chato", "enfadonho" ou não compreensível [embora certamente contenha elementos de difícil assimilação], mas maravilha-nos por sabermos que o "deus" do Antigo Testamento é o mesmíssimo "deus" no Novo Testamento - devendo-nos levar a glorificá-lo em tudo, desde Gn 1 até Ap 22.
O motivo de termos um texto mais longo do que o comum é que todos eles formam uma cadeia de pensamento - isto é, não devem ser separados [até poderiam, mas é prudente que não se faça, já que busca-se um melhor entendimento da palavra de Deus].
Os presentes versículos são parte da narrativa de Moisés ao povo de Israel. Moisés começa a relatar [a partir de Dt 1.1] ao povo israelita tudo que já lhes sucedera naquelas terras e constantemente lembrava-os de que Deus havia firmado um pacto com aquele povo - "E andarei no meio de vós, e eu vos serei por Deus, e vós me sereis por povo" (Lv 26.12) - e que também o Senhor conhecia a dureza de seus corações: "A uma terra que mana leite e mel; porque eu não subirei no meio de ti, porquanto és povo de dura cerviz, para que te não consuma eu no caminho" (Êx 33.3 - ênfase minha).
Então, após Moisés lhes falar sobre os dez mandamentos [e outras coisas mais] que Deus havia lhe dado no monte Sinai, ele diz: "Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR" (v.4) e prossegue com as semelhantes palavras que mais tarde seriam repetidas por Jesus: "Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças" (v.5). Mas ele não para neste ponto, e sim vai adiante dizendo: "E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração" (v.6), mas não somente no coração daquela geração, mas: "E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te" (v.7). E finaliza dizendo: "Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas" (v.8).
O que nos admira em toda essa sequência é o fato de Moisés dar vários exemplos ao povo, a fim de instruir-lhes da melhor maneira possível, pois sabia que eram um povo muito lento para aprender e obedecer [conforme também dizia Calvino].
Moisés sabia - e eu e você sabemos - o quão lerdo o povo de Deus é para aceitar as verdades do evangelho. Moisés sabia - e novamente, eu e você sabemos - que o coração do povo de Deus muitas vezes é obstinado, amargurado, raivoso, cheio de auto justificação, orgulho, impiedade e toda sorte de afrontas ao Deus santíssimo.
Moisés começa dizendo para o povo que somente "o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR" (v.4). Ele começa anunciando a grandeza de seu Senhor, pois serviam ao único Senhor. Moisés inicia essa parte do texto conclamando a todo aquele Israel para que escuta-se, como que querendo dizer: "Meus amados, prestem muita atenção no que vos lhes dizer: O nosso Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor verdadeiro. Não caiam em mentiras, não creiam em falácias, mas tão somente apeguem-se a verdade que vos está sendo revelada".
Porém, quão miserável era a prontidão com que o aquele povo recebia a mensagem. O povo havia sido liberto do Egito, protegido de uma miríade de infortúnios que lhes poderia vir e mesmo assim ainda tinham extrema dificuldade em reconhecer o Senhor como único Senhor verdadeiro.
De modo semelhante, meus amados, não é isso que acontece conosco? Tal qual aquele povo no deserto, não somos nós? Quantas vezes professamos uma fé cristã, dizemos que somos crentes e que adoramos somente ao Senhor, que não há nada mais importante para nós do que a cruz de Cristo, mas no estante seguinte viramos as costas e fugimos para o mais distante que conseguimos disso! Não deveria-nos causar pavor e angústia e fato de não temos a reverência devida ao Senhor?
É com grande tristeza que olhamos para os nossos dias, dias esses em que o Senhor é proclamado com o único Senhor, mas é tratado como apenas mais uma oportunidade de se conseguir aquilo que desejamos. Homens e mulheres tem prostituído sua fé em troca de barganhas ínfimas e destituídas de qualquer valor espiritual por migalhas inúteis aos seus corações.
Um fato verídico que ocorre em nossos dias é que muitos ainda não atentaram para as palavras que dizem: "Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças" (v.5). Muitíssimos homens tem citado o nome de Jesus aos 4 cantos da Terra, muitos outros tem se empenhado em campanhas evangelísticas, distribuindo folhetos, mostrando uma boa referência de moral e civilidade, contudo, quantos desses amam ao Senhor com todo o seu coração e com todas as suas forças? Quantos? Quantos desses compreendem qual é a verdadeira mensagem do evangelho?
Será que estimativa de que o Brasil possui aproximadamente 46 milhões de cristãos está correta? Se estiver correta, prefiro retirar-me neste momento e não mais pregar nem acreditar nesse Senhor. Pois o senhor dessa grande parcela que se diz evangélica, nada tem evangelho, apenas louvam o seu próprio umbigo, seu próprio livre-arbítrio [coisa que não existe] e suas vãs concupiscências carnais, podres, sujas e afastadas do senhorio de Cristo.
A verdade é que muitos são enganados por Satanás e enganam-se a si mesmos. Sabem que não são cristãos, sabem que seus corações estão tão longe do Senhor tanto quanto seus corpos estão distantes da lua. Sabem que não vivem uma vida de santidade, sabem que não se esforçam para mortificar seus corpos a fim de prosseguirem na caminho de Deus - contudo, continuam a crer em suas próprias mentiras.
Não é então por acaso que Moisés também disse aquele povo: "E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração" (v.6). Se as palavras de Deus não estão em seu coração, duvide de seu cristianismo. Tema, meu amado, se você tem vivido de maneira desordeira. Se a oração tem sido um peso para você, se a leitura é mais apenas mais uma parte de sua agenda, tema e trema diante do Senhor.
Quando o salmista diz que, "Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite" (Sl 1.1,2), ele necessariamente está inferindo aos homens que se eles não meditam de dia e de noite na palavra de Deus é porque ela não está em seus corações! Aquilo que ocupa a nossa mente, nossos desejos, nossas afeições, nossas vontades, nossos anseios, nossos planejamentos, são constantemente alvo de nossa meditação e ponderação. Portanto, se não meditamos na lei de Deus " de dia e de noite" [ou seja, em todo o tempo - durante todos os dias de nossa vida] há algo de errado conosco e estamos vivendo de maneira incoerente com o verdadeiro evangelho.
Quando o cristão ama a Cristo mais do que todas as coisas, o objeto de seus pensamentos é Cristo, seus planejamentos giram em torno de Cristo, sua família é ensinada nos moldes de Cristo, seu marido [ou esposa] é amado como Cristo os amou, seus vizinhos veem Cristo nele, seus maiores inimigos percebem que Cristo é o centro de sua vida e não eles mesmos - tudo transpira e vive Cristo.
É certo que não teremos uma vida sem mais pecados, podridão e muitíssimos defeitos, mas o problema encontra-se quando nos deparamos com professos da fé cristã e que usam de desculpas frívolas para não almejarem e buscaram a glória de Deus em cada afazer de suas vidas, conforme nos ensino Paulo em 1Co 10.31.
Se Cristo não está em nossos corações, somos as mais miseráveis das criaturas.
Moisés então diz para que povo: "E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te" (v.7).
Moisés sabia que aquele povo era altamente propenso ao pecado e a logo desviarem-se do Senhor, pois continuamente reclamavam e murmuravam contra o Senhor que os havia retirado do Egito. Moisés sabia que se eles não fossem diligentes na sua busca pelo Senhor, certamente iriam trilhar caminhos que levavam a perdição. De igual modo, somos nós - homens e mulheres que buscam conhecer a Deus, mas fazem pouco para obter o seu conhecimento.
Vivemos numa geração de jovens que são capazes de passarem horas a fio treinando e estudando seus instrumentos musicais ou ainda mexendo em seus computadores, contudo, não conseguem ficar meia hora lendo a palavra de Deus, pois ela lhes causa "sono". Homens e mulheres sem fim encontram-se no Dia do Senhor - isto é, o domingo - ano após ano e nunca "conseguiram" fazer o feito olímpico, majestoso, grandioso, digno de honras e aplausos, que é ler a bíblia toda. Para esses e para aqueles (que tem sono ao lerem a palavra) só resta um veredicto: são mais amantes desse mundo do que de Deus. Não que instrumentos musicais e computadores sejam errados e perniciosos em si mesmos [embora tenham seu local e horário adequado para serem usufruídos], mas se os colocamos como prioridade em nossas vidas e dedicamos a eles mais tempo do que à palavra de Deus, servimos a elas e não ao Senhor.
O povo de Israel não tinha essa infinidade de utilidades que temos para ouvir e ler a palavra de Deus - até porque nem a possuíam em sua completude. O povo de Israel não tinha notebooks, "tablets", mp3, rádio FM ou qualquer outra coisa dessas que pudesse os auxiliar na busca pelo Senhor e era isso por isso mesmo que eles deveriam memorizar tudo quanto pudessem, pois só assim poderiam meditar "de dia e de noite" na lei do Senhor. Contudo, nós temos tudo isso e usamos apenas para nossos deleites e prazeres mundanos. "Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (Tg 4.3,4).

Nossa geração está maciçamente atolada pela busca do prazer momentâneo e efêmero. Vivemos em dias em que a leitura bate às portas do sepulcro e a pouca leitura que ainda vemos, na maioria das vezes é de autores perniciosos e contrários em evangelho de Jesus Cristo. Mas você sabe por que isso acontece? Porque o evangelho de Cristo não agrada à mente humana, não faz carinho no ego, não eleva o homem ao posto de honra que ele deseja, mas tão somente declara que sem Cristo ele é o mais miserável de todos os seres vivos.
Se quando estamos sentados, andando, deitando ou levantando não é o evangelho que nos perpassa à mente, com o que temos nos ocupado? Acaso temos nós algo mais importante que o evangelho?
Observamos que quando Moisés diz, "E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te", ele cobre todos os momentos da vida cotidiana, instando o povo para que não deixe sequer um minuto de suas vidas sem ser preenchida pela palavra de Deus.
Somos como homens e mulheres que vivem na miséria, na maior pobreza e escassez daquilo que é mais essencial para a vida e que sabem que do outro lado da estrada há um pote de ouro com pedras preciosas e todo o dinheiro suficiente para se comprar tudo aquilo que queremos, mas preferimos nos agarrar aos nossos sacos e montes de lixo cheios de comida em decomposição à atravessarmos a rua e desfrutarmos daquelas riquezas. Somos como Pedro diz: "Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama" (2Pe 2.22).
Por fim, Moisés diz ao povo: "Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas" (v.8). [1]
Moisés finaliza sua exortação àquele povo dizendo-lhes para fazerem tudo quanto fosse possível para estarem constantemente familiarizados com a lei de Deus e com o que o Senhor requeria deles. Essa admoestação de Deus - por meio de Moisés - não visava fazer com que o povo tivesse um conhecimento meramente intelectual do Senhor, mas sim que a obediência ao Senhor certamente era (e é) grande fonte de bênçãos para o seu povo. Alguns versículos antes isso nos é confirmado: "Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem, e guardassem todos os meus mandamentos todos os dias, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos para sempre" (Dt 5.29).
Meus amados, que possamos atentar para a grandiosa necessidade de estarmos continuamente diante e aos pés da cruz de Cristo. Que nos lembremos de que não há nada mais importante para o homem cristão do que conhecer a Jesus Cristo corretamente.
Não sejamos como aquele homem que entre o ouro, as riquezas e um monte de lixo, acaba por escolher o lixo - pois não sabe o verdadeiro valor do ouro.
Que tenhamos mais tempos de oração e leitura da santa palavra de Deus, a única ferramenta capaz de nos fazer perfeitamente habilitados para toda boa obra (2Tm 3.16,17).
Se a bíblia estiver continuamente em nossos corações enquanto estivermos sentados, andando, deitando ou levantando, certamente que seremos abençoados e conheceremos o Senhor de uma maneira magnífica. Se levarmos cativo Sua palavra em nossos corações e em nossas casas, não há dúvida de que seremos próspero em tudo o que fizermos - ainda que essa prosperidade não venha a ser da maneira que imaginamos.
Que Deus conceda-nos um coração pronto a obedecer, uma mente firme para guardá-la as suas palavras e pés ágeis para a proclamação do evangelho...

BISPO/JUIZ. MESTRE E DOUTOR EM ÊNFASE E DIVINDADES DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.