Subscribe:

sábado, 5 de janeiro de 2013

FEITICEIROS NÃO HERDARÃO O REINO DE DEUS...


                                        FEITICEIROS NÃO HERDARÃO O REINO DE DEUS...

A estruturação do povo de Israel.

É interessante lembrar que o povo de Israel, de acordo com o que havia sido profetizado pelo próprio Deus ( Gn 15:3 ), foi estruturado durante sua estada no Egito, inicialmente como convidados, setenta pessoas ( Gn 46:27 ), e depois como escravos ( Ex 1:1-14 ), com uma evolução em quatrocentos anos, para mais de um milhão de almas ( Ex 12:37 ).

Durante estes séculos, embora separados na terra de Gosen ( Gn 46:34 ), tiveram íntimo contato com a cultura egípcia que abrigava em seu seio uma religião com origem em 4.400 a . C. que dividia o ser humano em várias partes (8), dentre as quais estava o corpo duplo e a alma, acreditando na continuidade da vida após a morte.

O futuro eterno do ser era definido pelas regras do Livro dos Mortos, que previa a condução aos domínios de Osíris, que com suas irmãs / esposas Isis e Néftis faz o balanço da qualificação do morto.

Embora existisse a idéia de um deus único, os egípcios cultuavam, na verdade, múltiplas entidades, derivadas dos tributos da divindade central, como por exemplo:

Temu, Xu, Nut, Rá, Seb , muitos deles apresentados na forma híbrida de homem e animal.

Isso trazia para aquela terra uma dose especial de idolatria, mas também os levava para o campo da feitiçaria, pois, um deus com Seb , por exemplo, era qualificado como divindade dos mortos, e isso coloca a religião no campo da invocação dos que já partiram.

Esta é uma questão chave do procedimento, que voltaremos a avaliar um pouco mais à frente.

O conceito

A pratica da feitiçaria remonta, assim, á milênios, e ocupou a imaginação de muitos povos, sendo seu significado na nomenclatura grega “farmakia” aquela das drogas que colocavam as pessoas fora de seu sentidos naturais, mas isso sem o uso das drogas em si.

A idéia dos feiticeiros, que eram considerados curandeiros, ou seja o que cura sem conhecer a medicina, era elevar, os que os procuravam, ao mundo dos espíritos (ou dos mortos) para ali conseguir resultados.

Os xamãs , diferentes de outros magos, se especializam na atuação do contato com os espíritos, sendo que o chamado vudu acredita na existência de espíritos bons, maus, e de um ser supremo.

O grande conflito.

A dificuldade maior da feitiçaria se baseia no fato de que não é possível chamar de volta os espíritos dos mortos, pois ao homem cabe morrer uma vez estando, então, a disposição do juízo divino ( Hb 9:27 ).

Jesus, ao nos contar a parábola do rico e do Lázaro mostra a impossibilidade de contato entre os que já partiram e o mundo terreno, mesmo que por uma “boa causa” :

“Ora, havia um homem rico.......”

...“E disse ele: Rogo-te pois, o pai que o mandes a casa do meu pai.”...

“E disse Abraão (Deus): Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.”

“E disse ele: Não pai Abraão; mas se algum dos mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam”.

“Porém Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas (a Palavra de Deus), tão pouco acreditarão ainda que alguém dos mortos ressuscite”. ( Lc 16:19-31 ).

Assim nos fala Jó, um homem de profunda experiência com Deus:

“Tal como a nuvem se desfaz e passa, aquele que desce a sepultura nunca tornará a subir”.

“Nunca mais tornará a sua casa, nem ao seu lugar jamais o conhecerá”. ( Jó 7:9-10 ).

O sábio Salomão nega em suas considerações que pessoas mortas possam agir em favor de vivos, ou conhecer as realidades de nosso planeta Terra:

“Tudo quanto vier a tua mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura (depois da morte), para onde tu vais, não há obra nem industria, nem ciência, nem sabedoria alguma” . ( Ecl 9:10 ).

Como conseqüência, o que se vê na invocação dos mortos nada mais é do que a manifestação do diabo, e de seus anjos, que usam todo tipo de artimanha para confundir, afinal Lúcifer é o pai da mentira ( Jo 8:44 ).

Essa atitude foi exemplificada no evento em que o rei Acabe, rebelde ao Senhor, não quis ouvir a palavra do homem de Deus e um “espírito de mentira” foi enviado para falar pelos falsos profetas e levá-lo a uma guerra lhe seria fatal ( II Rs 22:1-(20-23)-40 ).

Uma posição atual.

A atualidade, a doutrina espírita considera os feiticeiros como cultuadores espiritualistas mediúnicos, cercados, contudo de espíritos de grande poder “ magnético” , mas de moralidade inferior.

A idéia, à luz das Escrituras, naturalmente não leva a nada, pois tantos uma linha de invocação de mortos ou espíritos, como a outra, nada mais fazem que abrir espaço para a ação do diabo.

Os povos que habitaram Canaã antes de Israel também padeciam de dois grandes pecados, que não estavam ligados a desonestidade ou a imoralidade, mas sim a idolatria e a feitiçaria. Por esta razão Deus deu uma ordem taxativa aos descendentes de Abraão para que eles pudessem manter as vitórias alcançadas:

“A feiticeira não deixará viver” (uma posição se meio termo) ( Ex 22:18 ).

“E ser-me-eis santos, porque eu, o Senhor, sou santo, e separei-vos dos povos para serdes meus”.

“Quando algum homem ou mulher em si tiver o espírito adivinho, ou for encantador, certamente morrerão, com pedras se apedrejarão; e o seu sangue é sobre eles.” (Uma pena de morte radical sem culpa para os que a executam). ( Lv 20:26-27 ).

“Não comereis coisa alguma com sangue (norma válida no Novo Testamento: Atos 15:1-29 ), não agourareis nem adivinhareis”...

...“Não vos virareis para adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles.”

“Eu sou o Senhor vosso Deus.” ( Lv 19:26-31 ).

“ E o espírito dos egípcios se desvanecerá dentro dele; eu destruirei o seu conselho, e eles consultarão os seus ídolos, e encantadores, e adivinhos e mágicos.” (uma relação entre a idolatria e a feitiçaria). ( Isa 19:1-25 ).

A caracterização da feitiçaria como consulta a mortos.

A posição de Deus a respeito de ações de idolatria e de feitiçaria não é vaga, mas clara e determinada, existindo menções claras a respeito dessas práticas, que, de resto, eram comuns na vida dos povos que foram retirados de Canaã, para a posse de Israel:

“Então serás abatida e falarás de debaixo da terra e a tua fala desde o pó sairá fraca, e será a tua voz debaixo da terra como a de um feiticeiro, e a tua fala assobiará desde o pó”. ( Isa 29:4 ) (uma advertência por meio do profeta).

“Quando disserem, consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram entre dentes, não recorrerá um povo ao seu Deus? A favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos?...” (Uma advertência clara a busca de resposta pelos mortos) ( Isa 8:19-20 ).

“Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações”.

“Entre ti não se achará que faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha (sacrifícios humanos da idolatria) , nem adivinho, nem prognosticador, nem agoureiro nem feiticeiro, nem encantador de encantamentos, nem quem consulte os espíritos adivinhantes, nem mágico, nem quem consulte os mortos”.

“Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor, e por estas abominações o Senhor teu Deus os lança fora diante de ti”. ( Dt 18:9-14 ).

A questão da invocação aos mortos tem um significado especial, uma vez que tal procedimento, muito difundido entre os orientais, que praticam um “culto aos antepassados” , também encontrou acolhida no meio cristão, sob a égide da “veneração aos santos” .

Veja que, por mais extraordinários que tenham sido os personagens bíblicos, caso de Elias ou Abraão no Velho Testamento, ou Paulo, Pedro, João, e os pais de Jesus, Maria e José, no Novo Testamento, eles não são mais do que co-herdeiros conosco da vida eterna em Cristo ( Rm 8:17; Gl 4:7; I Pe 3:7 ), e, estando mortos, somente poderão entrar em tal posse quando da segunda vinda de Jesus ( I Tes 4: 13-18 ).

Invocar essas pessoas é mais do que uma ação de idolatria, e a busca de contato com mortos, que, como vimos, representa a base da feitiçaria (Veja o estudo: “Cultuando Maria” ).



Não restam dúvidas que a busca de “intercessores” entre o homem e Deus, surge como efeito da incredulidade, uma vez que a palavra é clara sobre a unicidade do intercessor, que é Jesus ( At 4:12 ), existindo, ainda a promessa do Mestre de que tempo haveria em que nos dirigiríamos diretamente ao Pai ( Jo 15:16 e Jo 16:26-27 ).

A insegurança do homem faz com que ele transfira a sua relação direta com Deus para intermediários, por meio da idolatria, bem marcada na avaliação feita neste tópico, relembrando o bezerro de ouro do deserto ( Ex 32:1-35 ), ou no episódio marcante de Saul, que recorreu a uma feiticeira.

Ele queria falar com Samuel, um grande orientador de reis em sua vida, mas que agora estava morto ( I Sm 25:1 ), e para isso, embora tivesse mandado tirar de Israel todos os adivinhos, por não receber uma resposta de Deus, algo que era raro mesmo na infância do jovem juiz, nos tempos de Elí ( I Sm 3:1 ), se lançou a mais um ato impensado, falar com uma pitonisa.

No relato descrito em I Sm 28:1-25 , Saul pede à feiticeira que faça Samuel “subir” , algo curioso, pois imaginava que ele estivesse em lugares inferiores, ou mesmo morto, e “entendeu” , que ele havia aparecido para a mulher adivinha ( I Sm 28:14 ).

Não existe a evidência de que Samuel tenha voltado dos mortos, mas surge uma indicação de que se tratava de um “espírito enganador” , como aquele mencionado no evento do rei Acabe, e este usa uma frase que até hoje se mostra presente em “sessões de invocação” :

“Samuel disse a Saul: porque me desinquietaste, fazendo-me subir”? ( I Sm 28:15 ).



E a situação deste momento para você que aceitou a Jesus?

Seria interessante avaliar qual é a posição da feitiçaria nos dias de hoje, quando estamos tantos séculos distantes da época em que feiticeiras eram queimadas em fogueiras, e mais ainda dos tempos em que na Babilônia se consultavam os astros e os espíritos.

A modernidade e a dispensação da graça deixam este item de lado? Seriam as histórias em livros, os documentários da TV e os filmes sobre Harry Potter e o Senhor dos Anéis uma prova de que isso já passou a ser uma mera fábula, e tudo está bem?

Quanto a dispensação da graça podemos observar que Paulo, verdadeiro baluarte da doutrina de Jesus para nós, teve que enfrentar desafios de pessoas que eram mágicos e adivinhos, e os repreendeu com toda a firmeza:

I – Quando ficou frente a frente com Elimas, o encantador que queria impedir a pregação do evangelho ao procônsul Sergio Paulo, e o designou de “filho do diabo” , cegando-o com o poder do Espírito Santo ( Atos 13: 1-12 ).

II – Quando encontrou a jovem que tinha espírito de adivinhação, que foi repreendido, tendo ela sido liberta, o que causou celeuma, pois era objeto de lucro para seus senhores ( At 16:9-40 ).

Como já trouxemos a consideração, nos dias de hoje existem organizações que se cobrem de nomes pomposos como “Associação Espírita” e “Entidade de Candomblé” , cujos líderes se autodenominam “sacerdotes” , e que afirmam manter contatos com “entidades” , mas que, infelizmente, estão invocando espíritos malignos, outra palavra para feitiçaria.

Mas, bem além de menções a acontecimentos pontuais ou organizações que agem em desacordo com as ordens de Deus, convêm anotar as afirmações explicitas do Novo Testamento sobre a feitiçaria.

• A descrição das obras, ou “frutos da carne” , que tem estado presente desde o início desta meditação:

“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são:...”

...“Idolatria, feitiçaria, inimizades...” ( Gl 5: 19-20 ).

• Na descrição daqueles que não irão habitar com Deus, mas serão lançados no lago de fogo e enxofre:

“Mas quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros , e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda mort e”. ( Ap 21:8 ).

“Ficarão de fora os cães, e os feiticeiros , e os que se prostituem, e os homicidas, e os idolatras, e qualquer que amam e comete a mentira”. ( Ap 22:15 )...
BISPO/JUIZ.PHD.THD.DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.