Subscribe:

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A HORA É DO HOMEM, MAS O TEMPO É DE DEUS...



                     A HORA É DO HOMEM, MAS O TEMPO É DE DEUS...

1.1 Introdução:
O texto quer logo mostrar uma preocupação de Lucas para informar a verdade a um certo Teófilo sobre Jesus. Na verdade este texto tem uma ligação muito grande com o início do ministério de Jesus, pois este texto irá falar a respeito do início do ministério da Igreja. No início de seu ministério Jesus foi para o deserto e ali esteve sozinho por 40 dias (Mt.4.1-2), e depois da ressurreição Jesus ficou 40 dias ensinando sobre o reino de Deus (v.4). O Pentecostes acontece 50 dias depois da Páscoa. Sendo assim, os discípulos ficam 10 dias em uma inquietação a respeito das coisas que iriam acontecer. A pergunta é o que fazer: ir à frente de Deus? Ou esperar e confiar na palavra de Jesus o qual disse: “E comendo com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai...? (v.4). Assim como foi difícil para os discípulos esperarem por uma promessa feita pelo próprio Jesus, é difícil também para nós, hoje, quando estamos passando por dificuldades e queremos o mais rápido possível uma ação de Deus. Muitos não sabendo esperar passam a frente de Deus e acabam sofrendo grandes conseqüências.

1.2 Transição: Por que é tão difícil esperar?

1.3 Porque muitas vezes não entendemos a ação de Deus na espera:
É no momento de espera que Deus realmente quer nos conhecer, pois a Bíblia está cheia de exemplos de pessoas que não souberam esperar. Um deles foi Saul, que não soube esperar e acabou perdendo o reino (I Sm 13.8-14). Quantas pessoas assim como Saul que não souberam esperar pela ação de Deus e perderam seus cônjuges, sua família, seus amigos, empregos etc.

• É no momento de espera que Deus quer ver de nós:
1)A nossa obediência: “determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém” (v.4);
2) A nossa paciência: “...mas que esperassem...”; (a maior dificuldade na espera é a paciência)
3) A nossa confiança, estritamente nele: “...esperassem a promessa do Pai,...”;
4) A relembrar de tudo o que Deus já fez por nós: ... a qual, disse ele, de mim ouvistes.

1.4 Porque queremos que as coisas aconteçam sempre no nosso tempo e da nossa maneira:
Hoje em dia as pessoas estão em busca daquilo que é rápido e passageiro. Toda a tecnologia quer levar a humanidade para a “rapidez e facilidade” (exemplo o computador e a internet banda larga). Quando os discípulos perguntaram a respeito do “tempo” a Jesus no verso 7, usaram a palavra Khrónos, que no grego significa: tempo longo ou breve, breve tempo, um certo tempo, o nosso tempo, tempo humano. Perguntaram porque queriam que as coisas acontecessem com uma certa urgência e rapidez. A resposta de Jesus sobre o tempo foi à palavra kairós, que no grego passa a idéia de:

• União e harmonia, como se fosse uma justa medida, lugar, ponto justo:
Pensando em harmonia, temos que ter certeza que toda decisão fora do tempo de Deus deixa dúvidas, embaraços, questionamentos. As coisas parecem que não se encaixam, parece que só vão se tornar realidade “forçando a barra”. É preciso saber que quando for o tempo de Deus as decisões terão uma harmonia e tudo se unirá.

• Tempo de oportunidade, momento propício:
Muitas vezes quando queremos algo, pedimos, imploramos. Mas Deus pela sua onisciência e onipresença sabe que aquilo que queremos poderá até nos tirar da presença do Senhor. [Ilustração: Um certo pastor falou a respeito de um jovem que era uma benção na igreja, era um testemunho para toda a igreja, só que um certo dia ficou sabendo de uma herança por parte de tio, e depois que recebeu o dinheiro começou a querer curtir a vida com seu carro novo, muitas mulheres. Tudo isso o levou a distanciar-se de Deus e acabou saindo da igreja]. No tempo de Deus, pelos acontecimentos, logo você saberá que é um tempo de oportunidade, tudo será realmente favorável na sua decisão, pois será Deus que estará na frente. Por isto vale a pena esperar o tempo propício de Deus.

• Tempo fixado, tempo estabelecido e apto:
Quando você vai para o ponto de ônibus num determinado horário é porque está confiando que naquele horário o ônibus vai passar, ou para um banco às 10:00 h é porque tem confiança de que naquele horário o banco estará aberto. Isto tudo nos mostra que confiamos no homem (Jr 17.5). Da mesma forma temos que confiar em Deus (Sl.40), pois tudo está determinado por Ele. O tempo está fixado e estabelecido por Deus e na hora certa as promessas de Deus irão se cumprir na sua vida.

1.5 A espera sempre se reflete em silêncio, e o silêncio de Deus sempre antecede uma ação peculiar de Deus para mudar nossas vidas: Quando Jesus subiu ao céu a cena foi uma cena contemplativa: “ E estando eles com os olhos fitos no céu...” (v.10). Não podemos também confundir espera com uma vida contemplativa, pois os discípulos saíram dali com a promessa de Deus para as suas vidas, para a vida da Igreja, e eles foram fazer o que estava em seus alcances: saíram do monte Olival e foram para Jerusalém (v.12), começaram reunir no cenáculo (v.13), perseveravam unânimes em oração (14), escolheram o substituto de Judas Iscariotes (23). Depois desse processo de espera e de silêncio por parte de Deus, Deus agiu: Derramou o Espírito Santo que foi prometido + ou – 600 anos antes! Deus foi fiel e Deus cumpriu.

1.6 Conclusão:
Quando os discípulos fitaram os olhos para os céus, aquela cena parecia um processo de que tudo estava se acabando. Sim! No tempo do homem parecia que tudo estava se acabando, mas no tempo de Deus, no Kaíros de Deus estava apenas começando.

Pergunta para os grupos responderem:
1. Qual a postura do crente diante de uma situação de espera através do estudo?
2. Quais foram os dois principais motivos que levou Deus ter uma rejeição para com o rei Saul?
3. No seu entendimento através do Estudo. Como você identifica que a decisão que vai tomar está dentro da vontade de Deus?
BISPO/JUIZ.PHD.THD.DR. EDSON CAVALCANTE 


0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.