Subscribe:

quinta-feira, 14 de julho de 2016

ESTUDO SOBRE SIMBOLOGIA MAÇÔNICA...


                                    ESTUDO SOBRE  SIMBOLOGIA MAÇÔNICA...
Toda a filosofia da maçonaria é mostrada por alegorias e símbolos, que segundo Jung, fazem os humanos fundamentalmente terem uma tendência para sensibilizar-se com certas imagens ou símbolos que constelam sentimentos profundos de apelo universal - os arquétipos, que ajudam os maçons a aprenderem os conceitos, gravando-os em suas mentes, para futuras associações.
Segundo Albert Pike, Grande Comandante da Jurisdição do Sul do R.E.A.A entre 1859 e 1891, os Símbolos Maçônicos "ocultam" e não revelam os seus ensinamentos, importando revelar somente ao iniciado, e dependendo do grau em que se encontra, o nível de revelação; não sendo entretanto uma opinião compartilhada por muitos maçons. No seu livro, Moral e Dogmas, este aponta os ensinamentos que devem ser apresentados ao grau de Mestre Secreto:
Se tiver sido desapontado com os três primeiros graus, como você recebeu... os símbolos são explicados de forma imperfeita ... e para o intelecto e necessidades do aluno e iniciado, que eles vieram a nós a partir de um período que foram utilizados símbolos, e não para revelar, mas para esconder.
Diversos são os símbolos que a maçonaria apresenta aos maçons, distribuídos pelos diversas Graus que compõem os Ritos, e cabe a eles interpretarem e apreenderem o significado dos mesmos para construir o seu caminho. Assim, os símbolos e as alegorias fazem com que os maçons de todo o mundo se entendam, mesmo que suas línguas sejam diferentes.
Alguns dos símbolos são descritos abaixo.
TEMPLO: o templo maçônico, por sua vez, é inspirado no templo de Salomão (que por sua vez foi inspirado no Tabernáculo), no formato (quadrilongo), na sua estrutura (átrio, santo e santo dos santos), e na sua orientação (Leste a Oeste). símbolo da construção maçônica por excelência, da paz profunda para que tendem todos os maçons. Construindo o seu templo interior e construindo, em conjunto com os irmãos, um templo universal.
BODE: Baphomet (do grego), o andrógeno bode-cabra de Mendes. Segundo os cabalistas ocidentais, especialmente os franceses, os Templários foram acusados por adorar Baphomet. Jacques de Molay, Grão-Mestre da Ordem do Templo, com todos os seus irmãos, morreram por causa disso. Porém, esotérica e filosoficamente falando, tal palavra nunca significou “bode” nem qualquer outra coisa tão objetiva como um ídolo. O termo em questão quer dizer, segundo Von Hammer, “batismo” ou iniciação na sabedoria, das palavras gregas Baph e Metis, significando “Batismo de Sabedoria”.
BALANDRAU: é o traje típico maçônico. É preconizado seu uso estrito em sessões maçônicas simples, ditas econômicas. Todo balandrau é de cor preta, com comprimento abaixo dos joelhos, mangas largas e compridas. O colarinho alto deverá está sempre fechado. Vestimenta de capuz e mangas largas abotoada na frente e, pelo uso, designava certas roupas usadas por confrarias, normalmente em cerimônias de cunho religioso.
AVENTAL: usado por todos os maçons durante as sessões, o avental representa a pureza, a inocência. É o único que dá ao maçom o direito de entrar nos Templos e participar das reuniões. O Avental é o elemento principal das insígnias maçônicas, sendo o símbolo do trabalho. Branco para os aprendizes e companheiros, vermelho azul celeste (de acordo com a Potência da loja simbólica ou com o Rito praticado), para os mestres, está associado com a dedicação espiritual.
LUVAS: tem sido usado pelos maçons como marca de distinção e pureza. Depois de sua recepção, o Aprendiz recebe dois pares de luvas brancas, dos quais um se destina a ele e o outro “à dama que mais ele amasse”. A Luva branca recebida no dia de sua iniciação, tem como objetivo lembrar os compromissos assumidos pelo maçom.
TRÊS PONTOS: o costume de colocar três pontos após a assinatura de um maçom, não é tão antiga como poderia pretender-se, apareceu pela primeira vez em 12 de Agosto de 1774 em uma circular do Grande Oriente da França comunicando um novo valor da anuidade e a mudança de local. Representa um triângulo e é um símbolo com várias interpretações, aliás conciliáveis: luz, trevas e tempo; passado, presente e futuro; sabedoria, força e beleza; nascimento, vida e morte; força, sabedoria e beleza; liberdade, igualdade e fraternidade.
ESQUADRO E O COMPASSO: o compasso e o esquadro reunidos tem sido a mais antiga representação da Instituição Maçônica. Tanto se apresentou este símbolo compasso-esquadro, que ele é prontamente reconhecido, até mesmo pelos profanos (pessoas não iniciadas na Maçonaria). É o sinal distintivo do Venerável Mestre (Presidente da Loja) uma vez que esotericamente representa a "Justa Medida".
ESQUADRO: significa a retidão. O Esquadro, ao contrário do Compasso, representa a matéria; por isso é que, em Loja de Aprendiz, ele se apresenta sobre o Compasso.
RÉGUA: a régua de 24 polegadas, é o símbolo da Retidão. Representa a boa administração do tempo que deve ser divido no auto conhecimento, meditação, estudo e repouso.
G: sétima letra do alfabeto maçônico. Chama-se gimel em hebreu. Em geral significa Geometria, Geração Glória, Grande, Grão.
ROMÃS: emblemas que coroam as colunas J e B dos templos e cujos grãos significam prosperidade e solidariedade da família maçônica.
ACÁCIA: planta símbolo por excelência da Maçonaria, sendo utilizada pelos Mestres Maçons como sinal de identificação, representa a segurança, a clareza, e também a inocência ou pureza. Árvore de muitas espécies, disseminada no Egito, Arábia e Palestina. A Acácia era a árvore que fornecia sua madeira aos povos hebreus, a sagrada e aromática madeira Shittim ou Sitim ( Êxodo 30;24 e Ese 27;220. Foi muito empregada na construção do Tabernáculo. Planta consagrada nas cerimônias, Graus e Espírito da maçonaria, como símbolo da inocência, iniciação e imortalidade da alma. A Acácia é inicialmente um símbolo da verdadeira Iniciação para uma nova vida, a ressurreição para uma vida futura.
FOGO: o mais sutil, ativo e puro dos quatro elementos terráqueos (terra, ar, água e fogo) é o princípio animador, masculino em oposição à água, e fonte de energia. Nas Lojas Maçônicas mantém-se aceso sob a Estrela Famígera, onde o Primeiro Diácono leva a luz aos seus Irmãos. O fogo sagrado jamais deverá ser soprado, para não ser poluído pelo hálito humano, segundo a antiga tradição persa.
ESPADA: acessório muito usado nas cerimônias maçônicas, geralmente como símbolo do poder e autoridade, e emblema dissipador das trevas da ignorância. Nas reuniões de banquetes ritualísticos, é o nome que se dá à faca. É usada como joia do Primeiro Experto, Cobridor Interno É o símbolo igualdade da justiça e da honra. Corresponde à consciência e à presença divina na construção do templo.
SOL e LUA: o sol representa a fonte da vida, a positividade da existência do homem e a lua simboliza a alma. Suas forças são de caráter magnético e, portanto, opostas às do Sol, que possuem caráter elétrico.
DELTA LUMINOSO: o triângulo é a figura geométrica que dá origem à pirâmide e ambos são parte da simbologia maçônica. Representa a presença de Deus, demonstrando a sua onisciência. É um triângulo com um olho no centro. Também chamado de Triângulo Fulgurante, representa na Maçonaria o Supremo Criador de todas as coisas, cujo olho luminoso é o Olho da Sabedoria e da Providência, que observa tudo que vê e provê.
TROLHA: ou colher de pedreiro. Trata-se de uma espécie de pá achatada com a qual os Pedreiros assentam e alisam a argamassa, tal qual o pedreiro cimenta as várias pedras para formar um todo que é o edifício. Sendo um instrumento neutro, deve ser visto como um Símbolo da tolerância, com que o Maçom deve aceitar as possíveis falhas e defeitos dos demais Irmãos. Pode ser vista, também, como um Símbolo do amor fraternal que será, então, o único cimento que uniria toda a Maçonaria. Desta forma, passar a Trolha, significa perdoar, desculpar, esquecer as diferenças. Entendida desta forma, pode ser vista como Símbolo da Paz que deve reinar entre os Irmãos.
PENTAGRAMA: colocada no Oriente da Loja, na parede acima da cabeça do Venerável, chama-se estrela do Oriente ou da Iniciação. Representa o homem nos seus cinco aspectos: físico, emocional, mental, intuitivo e espiritual.
NÍVEL: é a jóia móvel usada pelo Primeiro Vigilante das Lojas Maçônicas simbólicas ou azuis. Representa a igualdade e está em relação com o enxofre e a coluna Jachim. Todos os homens devem ser nivelados no mesmo plano.
PRUMO: indica que o maçom deve ser reto no julgamento, sem se deixar dominar pelo interesse, nem pela afeição.
MALHO E O CINZEL: estas duas ferramentas servem para desbastar a pedra bruta. A primeira representa nossas resoluções espirituais: é o cinzel de aço, que se aplica sobre a pedra com a mão esquerda lado passivo, e corresponde à receptividade, ao discernimento especulativo. A segunda é a vontade executiva, o malho, insígnia do mando, vibrado com a mão direita, lado ativo, relacionada com a energia atuante e a determinação moral donde dimana a realização prática.
MALHETE: é o instrumento de trabalho do Venerável Mestre e dos Vigilantes (na hierarquia os dois cargos logo abaixo do Venerável Mestre e que juntamente com ele dirige os trabalhos da loja). Nada mais é que uma espécie de malho, e como tal é símbolo da vontade, da força, do trabalho e da determinação. Um aspecto fundamental na utilização deste instrumento é o do discernimento e lógica que devem conduzir a vontade. Utilizando ao caso, com força apenas, ele passará a ser um instrumento de destruição, incompatível com a Maçonaria.
PEDRA BRUTA: simboliza a inteligência do aprendiz maçon, ainda rude, porque com os vestígios do Mundo Profano, está apenas iniciando sua aprendizagem nos Mistérios da Maçonaria. As arestas desta Pedra Bruta cabe ao aprendiz desbastar disciplinando, educando instruindo sua personalidade, objetivando vencer suas paixões e subordinar sua vontade à prática do bem. Assim a tarefa principal do Aprendiz consiste em trabalhar e estudar para adquirir o conhecimento do simbolismo do seu grau e a sua interpretação filosófica.
PEDRA CÚBICA: depois da pedra desbastada pelo Aprendiz, o Companheiro, com o auxílio do esquadro, nível e prumo, torna-a a polida em forma cúbica. Desde os velhos tempos o cubo perfeito simboliza os seres angelicais, a alga de configuração emotiva e harmoniosa.Isso significa a evolução do Companheiro até chegar ao estágio de Mestre.
PAINEL: o painel simbólico da Loja de Aprendiz, mostra o pórtico e as colunas vestibulares, simbolizando a entrada no templo; a pedra bruta, a pedra cúbica e a prancha de traçar, símbolos dos três Graus simbólicos: Aprendiz, Companheiro e Mestre, respectivamente; o Compasso e Esquadro entrecruzados, o Nível e o Prumo, simbolizando as três luzes da Oficina: Venerável Mestre, I ° e 2° Vigilantes, respectiva­mente; o Maço e o Cinzel, instrumentos de trabalho do Aprendiz no desbastamento da Pedra Bruta; três janelas simbolizando a marcha do Sol; a Corda de Nós; e uma Orla Dentada, enquadrando todo o conjunto, simbolizando os opostos.
CORDA DE OITENTA E UM NÓS: é um adorno encontrado no alto das paredes verticais, com um nó central acima da cadeira do Venerável Mestre, tendo de cada lado quarenta nós, que se estendem pelo Norte e pelo Sul, terminando, seus extremos, em ambos os lados da porta Ocidental de entrada, em duas borlas representando a Justiça (ou Equidade) e a Prudência (ou Moderação). Essa abertura na corda significa que a Maçonaria é dinâmica E progressista, estando, portando, sempre aberta às novas ideias que possam contribuir para a evolução do homem e para o progresso racional da humanidade.
COLUNAS: de origem grega, a Jônica que corresponde ao Venerável Mestre da Loja a qual significa sabedoria. A Dórica que corresponde ao Primeiro Vigilante e que representa a força. Por último, a Coríntia que corresponde ao segundo Vigilante e representa a beleza. Na porta do Templo são colocadas duas Colunas efetivas que são chamadas Boaz (ou Booz) e Jachim. A primeira, Boaz, se localiza à esquerda e a segunda Jachim à direita da entrada do Templo. As duas combinadas representam “Deus se estabelecerá em força” ou “como fortaleza”. As colunas são os símbolos dos limites do mundo criado, da vida e da morte, do elemento masculino e do elemento feminino, do ativo e do passivo. Estas são também representações físicas das duas colunas da entrada do Templo de Salomão. São três as colunas no templo maçônico, uma significa o masculino, a força; a outra, o feminino, a beleza; e a terceira, a sabedoria.
COLUNAS ZODIACAIS: os signos zodiacais, assim como todos os mitos solares e agrários da antiguidade, representam a morte e a ressurreição anual da natureza. Por isso, eles simbolizam o Iniciado, desde que, como candidato, ele é encerrado na Câmara de Reflexão -representado por Áries, passo iniciai da renovação da natureza peio Fogo, simbolizando o fogo interno, o ardor do candidato à procura da Luz - até ao acne da sua caminhada maçónica, quando recebe o Grau de Mestre - representado por Peixes, a total renovação da natureza, a volta do Sol e da vida, pronto para mais um ciclo. Os signos relacionados com o Grau de Aprendiz são: Áries, Touro, Gémeos, Câncer, Leão e Virgem.
ALTAR DOS JURAMENTOS: o altar dos juramentos é a parte mais sagrada de uma Loja. Representa um altar de sacrifícios, eis que o neófito deixará, quando de seu juramento, todos os seus vícios e as suas paixões aí, oferenda ao Grande Arquiteto do Universo. Encontra-se o Livro da Lei, um Esquadro com seus ramos voltados para o Oriente e um Compasso aberto com as pontas voltadas para o Ocidente.
ORLA DENTADA: representa a atração universal, simbolizada no amor. Contornando o painel, ela simboliza os astros gravitando em torno do Sol. O símbolo lembra a família e a Pátria, isto é, os filhos reunidos em torno dos pais e cada nação reunida em torno do respectivo chefe.
ABOBADA ESTRELADA: se o templo representa o Universo, seu teto figura o firmamento. Por isso mesmo tem a forma de abobada, pintada de azul celeste e semeada de estrelas. O céu estrelado estampado no teto da Loja transmite grande quietude de espírito e incita à meditação.
PAVIMENTO XADREZ (ou pavimento de mosaico para outros): ornamento do centro das Lojas composto de ladrilhos brancos e pretos. Simbolizam seres animados e inanimados que decoram e ornamentam a criação, bem como o enlace do espírito e matéria, da vida e forma por toda a parte, a união dos maçons do globo, apesar de suas diferentes cores climas e opiniões particulares. Representa também o dualismo. Oposição de diversos contrários, bem e mal, espírito e corpo, luz e trevas. Somente o oficiante poderá pisar o Pavimento Mosaico na abertura e no encerramento dos trabalhos.
ESCADA DE JACÓ: trata-se da alusão bíblica à escada que Jacob teria visto em sonho. Símbolo da via ascendente até o céu. Através das três virtudes: Fé. Esperança e Caridade. “E Jacó sonhou: e eis que uma escada era posta na terra, porque o sol era posto; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela; e eis que o Senhor estava em cima dela” (Gênesis 28:12-13). A escada mística vista por Jacó simboliza o ciclo involutivo e evolutivo da vida, em seu perpétuo fluxo e refluxo, através de nascimentos e mortes, a desdobrar-se em hierarquias de seres, potestades, mundos, reinos e vida e raças. Segundo as tradições maçônicas, a escada com esse significado consta de quatorze degraus. Na verdade seus degraus são tantos quantos sãos virtudes necessárias ao aperfeiçoamento de cada um. As três mais importantes são a Fé, a Esperança e a Caridade, ali simbolizadas pela Cruz, a Âncora e o Cálice...

Apóstolo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.