Subscribe:

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

ESTUDO BÍBLICO VEM AMADO MEU, APRENDENDO COM O CÂNTICO DOS CÂNTICOS...


ESTUDO BÍBLICO VEM AMADO MEU, APRENDENDO COM O CÂNTICO DOS CÂNTICOS...
O nome do livro vem da tradução para o latim, a Vulgata. Este livro foi colocado entre os livros de sabedoria pois contém, implicitamente, instruções acerca do relacionamento sexual correto entre homem e mulher . No judaísmo posteiro era lido na páscoa em virtude da alegorização do amor divino por Israel.
A tradição judaica atribui a autoria do livro a Salomão, embora alguns eruditos creditem a composição a Ezequias devido à sua atitude em favor da preservação da literatura de sabedoria (Pv. 25:1; 2 Cr. 32:27-29). A dúvida quanto à autoria salomônica tem início no título, que em hebraico pode significar “de/para/sobre Salomão”. Embora o conteúdo do livro identifique Salomão como o personagem principal, nenhum trecho afirma sua autoria. Entretanto, os registros históricos de Israel demonstram que Salomão era hábil na composição de cânticos (1 Rs. 4:32). Outro fator que depõe a favor da autoria salomônica é o conhecimento da fauna e flora de Canaã, que também era um interesse de Salomão que ficou registrado na história (1 Rs. 4:33).
O livro de Cântico dos cânticos é o livro que possui mais abordagens de interpretação em toda a Bíblia. Estudiosos de diversas denominações e abordagens teológicas, tanto cristãos como judeus, estão muito divididos quanto à maneira de interpretá-lo. O quadro abaixo apresenta algumas dessas abordagens que têm sido sugeridas ao longo dos anos de estudo em cima deste livro.
1. Dramática
Esta abordagem considera o livro como uma peça de teatro baseada nas antigas tragédias gregas. Esta teoria era bastante comum na tradição da igreja a partir do século III d.C.A poesia do livro é um roteiro para uma peça para encenação real, dividida em seis atos com duas cenas cada um.
2. Tipológica
A abordagem tipológica não desconsidera a historicidade do livro, mas relaciona esta história com o relacionamento da aliança de Deus com Israel, para os intérpretes judeus, ou o relacionamento de Cristo com a Igreja, para os intérpretes cristãos.
3. Cúltica
Esta linha de interpretação considera o livro como uma adaptação hebraica de um mito mesopotâmico da fertilidade. Os que adotam esta abordagem dizem que o amado é o deus Dode retratado numa encenação que associa os personagens mitológicos da trama para aceitação na fé hebraica.
4. Matrimonial
Nesta abordagem supõe-se que o livro retrate o ciclo matrimonial com coleções de poemas similares aos cânticos árabes da antiguidade.
5. Didática
A linha didática não rejeita a historicidade do livro, porém considera os aspectos morais de simplicidade, fidelidade, castidade e santidade no casamento acima das questões históricas.
6. Alegórica
A abordagem alegórica difere da tipológica desconsiderando totalmente a historicidade do livro. A alegoria acontece quando o intérprete atribui um significado mais profundo ao conteúdo mesmo que o autor nunca tenha pretendido isso. Este foi o método mais utilizado nas tradições cristã e judaica na história.
7. Literal
A interpretação literal considera a poesia por si mesma, isto é, uma manifestação de amor sensual e erótica de dois jovens apaixonados, combinando os elementos histórico e didático.Se Salomão não foi de fato o autor do livro, pode ainda ser considerado uma ironia sobre a exploração de Salomão sobre as mulheres e o caráter exemplar da Sulamita que rejeitou o cortejo do rei sobre si demonstrando fidelidade ao pastor plebeu.
Se Salomão não foi de fato o autor do livro, pode ainda ser considerada uma ironia sobre a exploração de Salomão sobre as mulheres e o caráter exemplar da Sulamita que rejeitou o cortejo do rei sobre si demonstrando fidelidade ao pastor plebeu.
Estrutura de Cântico dos Cânticos
O conteúdo de pode ser dividido da seguinte forma:
Cabeçalho – 1:1
A sulamita no harém de Salomão – 1:2 – 3:5
Salomão galanteia a sulamita – 3:6 – 7:9
A sulamita rejeita o rei Salomão – 7:10 – 8:4
O reencontro da sulamita com o pastor amado – 8:5-14
O estilo literário de Cântico dos cânticos, por apresentar uma visão pastoril israelita do segundo milênio a.C. nos parecem hoje indelicadas e até mesmo engraçadas (Ct. 4:2). Por vezes nos constrangemos com sua linguagem e metáfora (7:8). Contudo, esta era a linguagem literária para o amor nesta época, onde o jardim era retratado como símbolo erótico e de mistério do amor sexual entre um homem e uma mulher.
Propósito e conteúdo
A mensagem do livro de Cantares trata dos seguintes temas:
A perfeição do homem e da mulher criados à imagem de Deus
A sexualidade humana dentro dos limites estabelecidos por Deus
A integridade do amor humano
A nobreza de manter-se puro antes do casamento e da fidelidade após o casamento
O propósito do livro, independente da dificuldade em identificar todos os personagens, é celebrar o amor sexual entre um homem e uma mulher dentro do matrimônio instituído por Deus (Ct. 2:3-7, 16; 7:9-12).
A mensagem de Cântico dos cânticos está na contramão da perversão que se tornou o relacionamento sexual entre um homem e uma mulher, e mostra a dignidade da afeição erótica heterossexual dentro dos limites que Deus estabeleceu (Gn. 2:23-24; Rm. 1:24-32). Além disso o livro mostra que Deus criou o sexo também para o prazer e não apenas para a procriação (Ct. 6:2-3; Ct. 7:10-13; Ct. 8:1-3).
O livro tem o propósito de mostrar a diferença entre os tipos de afeição entre homem e mulher ao retratar o comportamento vulgar, sensual e polígamo de Salomão com seu harém (Ct. 6:8) com o amor simples, fiel, sincero e erótico da Sulamita por seu pastor amado.
O livro aborda a castidade nos jovens apaixonados (Ct. 4:12; 6:3; 7:10-13; 8:10) indo contra os costumes sexuais das sociedades da época. O livro mostra o caráter de um amor sincero e genuíno por meio do compromisso e integridade dentro dos limites do casamento ordenado por Deus...

Bispo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.