Subscribe:

domingo, 5 de julho de 2015

QUANDO A INVEJA ENTRA EM NOSSO LAR E NO CASAMENTO...


                QUANDO A INVEJA ENTRA EM NOSSO LAR E NO CASAMENTO...
Somos servos, mas, também somos humanos e como tais sujeitos às inclinações da carne que insiste em contrariar as ações definidas pelo Espírito como saudáveis à nossa vida espiritual, é a eterna luta entre a carne e o Espírito (“Porque o que a nossa natureza humana quer é contra o que o Espírito quer, e o que o Espírito quer é contra o que a natureza humana quer. Os dois são inimigos, e por isso vocês não podem fazer o que vocês querem”. Gl 5.17). Uma das melhores coisas que sentimos em nossas conquistas é poder compartilhar com as pessoas que nos amam a nossa alegria. É bom percebermos no semblante a alegria de alguém que participa do nosso gozo.

A definição de inveja

1. Inveja é um sentimento de aversão ao que o outro tem e a própria pessoa não tem. Este sentimento gera o desejo de ter exatamente o que a outra pessoa tem (pode ser tanto coisas materiais como qualidades inerentes ao ser) e de tirar essa mesma coisa da pessoa, fazendo com que ela fique sem. É um sentimento gerado pelo egocentrismo e pela soberba de querer ser maior e melhor que todos, não podendo suportar que outrem seja melhor.

2. A origem latina da palavra inveja é "invidere" que significa "não ver". Com o tempo essa definição foi perdendo o sentido e começado a ser usado ao lado da palavra cobiça que culminou, então, no sentido que temos hoje.

B. Vamos ver o que a Bíblia diz sobre a inveja, e como os cristãos podem superá-la?

1. Versículos da Bíblia relacionados: Êxodo 20.17, 1 Samuel 18. 25, Provérbios 14. 30, Marcos 7:21-23, I Coríntios 13:4, Provérbios 23:17, Lucas 10:27

(Desgosto ou pesar pelo bem ou pela felicidade de outrem. Desejo violento de possuir o bem alheio.)

As causas da inveja.

A. Descontrolado desejo de ganho material. Êxodo 20.17 Nas civilizações antigas uma prática comum entre os homens era matar o seu vizinho afim de possuir algo que pertencia à vítima. Isto poderia ser o gado, a riqueza, e provavelmente a mulher do outro homem. A falta de realização material e carnal levava-os a inveja contra os outros.

B. Sentimentos de insegurança e inferioridade. I Samuel 18:7-8. 

“As mulheres se alegravam e, cantando alternadamente, diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares. Então, Saul se indignou muito, pois estas palavras lhe desagradaram em extremo; e disse: Dez milhares deram elas a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão o reino?" 

Saul se sentia inseguro e inferior quando viu que as pessoas receberam Davi como um herói. Davi ganhou graça aos olhos dos cidadãos que Saul não pode conquistar. Isto o intimidava tanto, que a partir daquele dia ele tentou matar Davi.

C. A ganância por fama 

“Porque sabia que por inveja o haviam entregado" (Mateus 27:18). 

Jesus era um fariseu também. Ele era um mestre da lei. Mas ele era diferente do outros líderes judeus, Jesus falava com autoridade (Marcos 1:21-28) 

Multidões iam após Ele (Marcos 12:37). 

Jesus realizou milagres que os outros não fizeram. 

Pense! Você se sente inferior, quando você vê os outros mais abençoados do que você? Muitos cristãos estão perseguindo a fama.

"O que a Bíblia diz sobre a inveja?"

A Bíblia tem muito a nos ensinar sobre a inveja e o ciúme. Saca só algumas passagens: 

Pv 14:30 - " ... a inveja é a podridão de nossos ossos". 
Pv 6:34 - " Porque o ciúme excita o furor do marido; e não terá compaixão no dia da vingança". 
I Co13:4 - " O amor ... não arde em ciúmes ... 
At 17:5; Gl 5:21; Tg 3:14; I Pe 2:1; Gn 37:1 e 37:11; Rm 13:13 

Em Pv 14:30 "a inveja é a podridão de nossos ossos." Em outras palavras, Salomão está querendo dizer que a pessoa invejosa está doente (física, emocional e espiritualmente). 

Muitas doenças físicas aparecem por causa de inveja. 

A inveja é um dos piores problemas no relacionamento humano. Ela destrói a confiança entre as pessoas, desfaz casamentos e acaba com grandes amizades. A pessoa invejosa tem problemas emocionais não tratados como: baixa auto-estima, insegurança e inadequação. 

Ela sempre acha que a vida lhe deve mais do que ela tem recebido ( seja carinho, afeto ou dinheiro e bens materiais). Acha-se constantemente injustiçada, assume o papel de vítima com freqüência e sente-se inferiorizada em relação a demais pessoas. 

Quando confrontada, a pessoa invejosa nega veemente que tem inveja (é muito doloroso para ela admitir que tem inveja, um sentimento tão baixo e feio). Assume com freqüência uma posição defensiva, está sempre defendendo e justificando suas palavras e ações. Ela mesma não gosta de assumir res- ponsabilidades por aquilo que faz ou pensa. A culpa, se alguma coisa der errado, é sempre da outra pessoa ou circunstância, e não dela. 

A Bíblia nos conta a história de um rapaz chamado José, que era muito amado por seu pai Jacó. Este, um dia, deu-lhe de presente uma túnica nova e bonita, feita sob medida para ele. 

Na sua inexperiência e ingenuidade, José contou aos seus irmãos sobre o presente que seu pai lhe dera. Também gostava de contar-lhes dos sonhos que tinha em que ele (José) aparecia como alguém importante e os irmãos se curvavam diante dele. E os irmãos de José passaram da inveja e do ciúme ao ódio, rapidamente, a ponto de desejarem matá-lo.

Depois, mudando de idéia, resolveram vendê-lo para alguns mercadores que estavam de passagem por ali. O fato é que seus irmãos queriam ver o objeto de seu ciúme e inveja bem longe, e assim o fizeram. 

Os psicólogos concordam que o ciúme e a invejam não é apenas uma idéia isolada, mas junto ele vem a inveja, a raiva e o ódio. A pessoa com ciúmes começa a ter pena de si mesma, sente culpa, deseja vingança, inferioridade, orgulho, medo e ansiedade. 

Em crianças de 7 anos ou mais, o ciúme fica com muitas vezes difícil de diagnosticar, pois está camuflado por uma forte ansiedade. Em termos práticos, como podemos lidar com pessoas invejosas, especialmente dentro da igreja? 

Precisamos tomar alguns passos para nos proteger, à medida do possível, da inveja e do ciúme das pessoas. Na maior parte das vezes, isso nem sempre será possível, mas você pode aprender algumas coisas práticas nesse sentido. 

Quando usamos a palavra inveja, estamos nos referindo a ter inveja de alguém por ter algo que não temos. Esso tipo de inveja é um pecado e não é uma característica de um Cristão – isso só mostra que ainda estamos sendo controlados pelos nossos próprios desejos (1 Coríntios 3:3). Gálatas 5:26 diz: “Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros”.

A Bíblia nos diz que devemos ter um tipo de amor tão perfeito quanto o que Deus tem por nós. “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal” (1 Coríntios 13:4-5). O mais que nos focalizamos em nós mesmos e nos nossos próprios desejos, o menos poderemos nos focalizar em Deus. Quando endurecemos nossos corações para a verdade, não podemos nos voltar a Jesus e deixar que Ele nos cure (Mateus 13:15). No entanto, quando deixamos que o Espírito Santo nos controle, Ele vai produzir em nós o fruto da nossa salvação, que são amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança (Gálatas 5:22-23). Tiago 3:15 diz: “Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica”.

Ter inveja indica que não estamos satisfeitos com o que Deus tem nos dado. A Bíblia nos diz que devemos estar satisfeitos com o que temos, pois Deus nunca vai nos deixar ou abandonar (Hebreus 13:5). Para combater o sentimento de inveja, precisamos nos tornar mais como Jesus e menos como nós mesmos. Podemos fazer isso ao estabelecer um relacionamento pessoal com Deus. Podemos conhecê-lO mais através de estudos bíblicos, oração e de ir à igreja. À medida que aprendemos a servir a outras pessoas ao invés de nós mesmos, nossos corações começam a mudar. “Não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2).

É terrível sentir olhos invejosos diante do que conquistamos. Especialmente quando isso acontece entre irmãos. Os que são assim estão à beira da morte espiritual (se já não estiverem mortos), pois a inveja traz danos à vida espiritual.

Vejamos agora os nove males que causa a inveja:

1. Atribula o coração.

A. O “ânimo sereno” (v.30) é o mesmo que tranqüilidade. Salomão afirma que o vigor da carne depende desse ânimo. Precisamos cultivar a tranqüilidade de espírito que recebemos de Deus. Não podemos conviver com a sensação de que estamos em desconformidade com o senhor.

B. Agita o coração por causa da prosperidade do próximo. Logo, o invejoso convive com a tribulação de espírito. Não é assim que o cristão deve viver. Sua vida goza a paz e a alegria com a prosperidade dos seus irmãos.

2. A inveja corrói o amor do coração.

A. A vida do invejoso não vive o verdadeiro amor. Paulo disse que: “o amor não arde em ciúmes” (1 Coríntios, 13.4) , ou “não inveja” . Quem diz amar e permanece com o espírito invejoso está enganando-se. O amor não permite a inveja no coração.

B. A inveja é como um câncer na alma que destrói as células do amor. Por isso, Salomão disse: “a inveja é a podridão dos ossos” (v.30). A inveja precisa ser tratada antes que nos faça escravos da malícia. A inveja impede que expressemos o favor comum no coração dos que amam.

3. Conduz à morte.

A. A tranqüilidade dá vigor à carne, enquanto a inveja conduz à morte. Ela é um câncer em crescimento, pois não permite o crescimento espiritual (v. 30 “podridão dos ossos”). O crescimento espiritual é visto em nossos relacionamentos com os nossos irmãos. A inveja polui as amizades, levando ao fim delas. 

B. A inveja impossibilita o homem de agradar a Deus. Quem não agrada a Deus está morto espiritualmente. A inveja é abominável aos filhos de Deus. Os verdadeiros filhos sabem que não podem agradar ao seu pai quando estão em desobediência a ele. A vida estar na obediência à vontade de Deus.

4. Causa Devastação 

Qual é a maior e a mais devastadora conseqüência que a inveja acarreta aos homens? Talvez devêssemos equiparar os males provocados pela inveja em um único nível. Mas não seria justo, porque se a manifestação da inveja é igual, as conseqüências são completamente diferentes. Deixam seqüelas desiguais.

O maior mal é o fato da pessoa invejosa atrai demônios para a sua vida; ela abre as portas e os demônios entram sem qualquer cerimônia. A pessoa invejosa vive cercada por demônios, por espíritos malignos.

Certo irmão, descobriu um modo de ganhar dinheiro com compra e venda de ônibus usados, e relatou: “Eu compro os ônibus usados que, pela lei do trânsito, não podem mais rodar aqui na Bahia, desmonto toda a parte da lataria da carroceria e os transformo em caminhões. Como é permitido vida mais longa para os caminhões de carga eu os revendo com ótimos lucros.

Mas, continuou ele, comentei com alguém bem conhecido sobre o meu sucesso, sobre a melhoria de minha situação financeira e fui prejudicado por essa pessoa. Ela passou a rastrear meus passos, a fazer competição desonesta no mesmo ramo, e além de dar-me muito trabalho, também tive prejuízos no negócio, concluiu”.

Repito o que foi mencionado antes: nós não podemos contar nossas vitórias e sucessos obtidos em algum empreendimento par qualquer pessoa.

Outro caso que daremos a seguir: Um irmão trabalha no ramo de pedras preciosas. Essa atividade o leva a viajar muitas vezes para Filipinas, Coréia e outros países onde realiza seus negócios.

Certa vez, quando se preparava para mais uma viagem, um amigo o procurou para solicitar que ele permitisse sua companhia na viagem.

* Quero conhecer esses países e com você é mais fácil, já que conhece as cidades, os meios de transporte, hotéis etc. Não se preocupe com as minhas despesas. Meu desejo é o de descobrir novos horizontes e conhecer culturas diferentes, esclareceu o amigo.

* Tudo bem consentiu nosso irmão.

E lá se foram os dois para uma viagem de algumas semanas. Só que o acompanhante do nosso irmão foi “manjando” e anotando o itinerário, o procedimento praticado, os contatos comerciais, os clientes, tudo discriminado com detalhes.

Voltaram para o Brasil e nosso irmão não mais viu o amigo. Ele sumiu do “mapa”. Pouco meses depois, esse irmão voltou a fazer outra viagem, observando o mesmo giro anterior, pois vários negócios ficaram pendentes. Foi quando descobriu que seus clientes haviam sido “roubados” dele. Ao entrar em contato com eles, foi informado de que estavam com bom estoque de mercadorias e lhe disseram: Aquele seu colega da viagem anterior já passou por aqui, vendendo as pedras para todos nós o consideramos como seu substituto pensando que você não mais viria fazer negócios conosco”.

Amados, é a inveja danosa e egoísta que leva o homem a esse tipo de traição. O invejoso vê alguém conquistando projeção financeira e imediatamente entra no mesmo caminho, atropela, “passa por cima” desonestamente.

A inveja causa devastações sem fim, todas elas lideradas pelos demônios que cercam e subjugam os invejosos.

A inveja estraga o caráter do homem.

5. Mata
Ler em Gn 4:1-5.
A Bíblia nos informa que o jovem Caim foi tomado por uma ira assassina, porque Deus recebeu a oferta (um sacrifício) de seu irmão, mas recusou a sua. Caim não podia aceitar a recusa de Deus, pois a considerou humilhante. Os filhos de Adão eram ambos trabalhadores; um cuidava do rebanho de ovelhas, o ouro era plantador de alimentos. De relance não atinamos com o motivo da recusa. Mas o relato bíblico nos mostra claramente a razão da não aceitação da oferta.

Toda a cerimônia das ofertas está centralizada em uma palavra: Primícias. Abel separou a primeira ovelha do rebanho e a levou par Deus; Caim tomou o fruto da terra “no fim de uns tempos”, ou seja, do que restara da colheita e o levou em oferta ao Senhor.

Mas Deus não é um Deus de “sobras”, de restolho, dos sobejos de após os segadores. Ele é o Deus das primícias, da primeira escolha, do primeiro fruto, da primeira decisão (Pv 3:9).

Qual foi a reação de Caim? Tomado de inveja, convidou seu irmão para ir com ele ao campo e lá o matou. O primeiro homicídio ocorrido na terra foi provocado pela inveja.

Mas a inveja trouxe também ao coração de Caim a ira descontrolada, autocomiseração, o ódio mesclado com o desgosto, e a morte.

Isaque, filho de Abraão, também foi vítima da inveja. A Bíblia relata esse acontecimento em Gn 26.12-14).

A inveja surge como um vulcão que irrompe no coração das pessoas. A inveja provoca uma reação em cadeia de atos que visam ofuscar a alegria e o prazer daquele que está sendo abençoado com prosperidade financeira e espiritual. Os filisteus reagiram ante a prosperidade de Isaque de forma direta e incisiva. Já que Isaque possuía grande rebanho de ovelhas e bois, os inimigos procuraram atingir o rebanho negando-lhe usufruir do fator mais essencial para se viver no deserto: a água.

Os filisteus não se preocuparam em roubar o gado, nem em matar os servos de Isaque, nem em destruir sua plantação. Isto daria muito trabalho e não alcançaria o fim proposto.

Os filisteus atingiram Isaque no ponto de sua maior necessidade. Na calada da noite eles penetraram na possessão de Isaque e “entulharam todos os poços que os servos de seu pai haviam cavado, enchendo-os de terra” (Gn 26.15).

Pronto. Estava resolvido o problema que os filisteus mais temiam: o crescimento contínuo das riquezas de Isaque, pois sem água o rebanho morreria. Para que tal não acontecesse, o trabalho dos servos de Isaque foi duplicado e tremendamente cansativo.

Isaque retirou-se habitou com o seu povo e seus bens. Os seus servos cavaram, cavaram, e acharam um poço de água nascente. Agora havia água para o povo e par o gado. Mais o preço de muito esforço e suor dos trabalhadores. Todo esse transtorno foi motivado pela inveja que os filisteus nutriam contra Isaque por causa da sua prosperidade e crescimento.

A inveja é terrível!

6. Faz Adoecer

Há doenças e doentes. No entanto os consultórios médicos e os hospitais estão repletos de pessoas doentes para as quais o diagnóstico não é tão simples com a princípio parece ser.

Os mestres da ciência médica afirmam que a maior porcentagem de doenças são de origem psíquico, isto é, da mente, da alma. Mas, admitem eles, que a doença da psique é fator decisivo para transformar uma doença imaginária em doença real par o corpo físico.

É aqui que entra no palco a maior atriz do drama da desgraça: a inveja! A Bíblia desvenda o mistério da doença da psique, a doença da alma, dizendo (Pv 14:30).

Este versículo se reveste de tremenda importância ao definir que a inveja age como um câncer, pois a podridão dos ossos nada mais é do que a voragem do câncer que “devora” o físico da pessoa. A inveja é canal par doenças.

A inveja é um troço muito fedorento, pois bem o corpo quer esse mau cheiro, porque isso é o reflexo da impureza da mente, da alma, da inveja que habita no interior da pessoa.

Quando uma pessoa tem o coração bondoso, acessível às necessidades de outrem, certamente também se alegra na prosperidade e nas bênçãos recebidas pela seu semelhante. Ela não fica contaminada pelo vírus da inveja.

A inveja é perigosa. A inveja faz adoecer a mente e a alma!

7. Aprisiona

Numa noite fria em que a luz opaca e turva das estrelas se escondia atrás das nuvens, Jesus, sabendo que a sua hora se aproximava, reuniu alguns discípulos e foi a um lugar chamado Getsêmani para orar.

Algum tempo depois ouviu-se o tropel de uma multidão que chegava ao local. Local os sacerdotes, escribas e anciãos, seguidos de uma turba de homens armados com espadas e cacetes. Entre eles estava Judas, o discípulo traidor. Trinta moedas fora o preço estipulado para o pagamento da traição.

Açoitado, esbofeteado, esmurrado, cuspido no rosto, Jesus foi levado preso para o palácio de Pilatos a fim de ser julgado pelos “crimes” cometidos.

Embora Pilatos fosse um homem ímpio, incrédulo e perverso, ele não era tolo. Tomando conhecimento das acusações feitas contra Jesus, logo viu que não havia motivos reais para uma condenação. Então ele fez uma proposta (Mt 227:17, 18).

Pilatos notou que o principal motivo usado par a prisão e condenação de Jesus era a inveja. Jesus foi aprisionado por um bando de homens invejosos.

A inveja gera crueldade, ódio e perseguição. Todos os outros motivos apresentados contra Jesus serviam apenas para camuflar a terrível inveja a terrível inveja.

No íntimo, tanto os fariseus quanto os saduceus sabiam que Jesus era inocente das acusações. Mas eles estavam indignados e enfurecidos, porque Jesus falava como quem autoridade. Bem ao contrário deles que eram hipócritas e considerados como um sepulcro caiado. A inveja é capaz de estragar o ambiente agradável de uma família, o respeito mútuo e a união.

A Bíblia relata o drama vivido pela família de Jacó em decorrência da inveja que irrompeu entre seus filhos. Jacó amava mais a José que a todos seus filhos, porque José era filho da sua velhice. Esse grave erra cometido por Jacó gerou nos outros irmãos o sentimento de ódio, ciúmes e inveja.

A convivência entre eles já não era mais possível. Resolveram então matar o irmão José e lançá-lo em alguma cisterna, Para justificar o sumiço diriam lque ele fora comido por algum animal selvagem.

Mas Rubem achou por bem não matá-lo. Decidiram que o melhor seria vendê-lo aos mercadores midianitas por vinte ciclos de prata. Assim o fizeram e lá se foi o jovem José para o Egito.

Do Egito viveu momentos apavorantes.

Por inveja José, foi vendido aos mercadores. Mas Deus estava com ele e o usou como instrumento para salvar a todos quantos iam a ele buscar pão para saciar a fome física.

Por inveja Jesus, foi preso e crucificado. Mas, Deus estava com ele e o usou como instrumento de salvação a todos quantos vão a Ele buscar o pão que alimenta o espírito (Jo 6.33-35).

Quando a inveja se manifesta, não há vencedor; todos são perdedores! Todos vão para o cárcere profundo da língua destemperada e invejosa; há sofrimento, dor, separação, tristeza, morte... a inveja lança a alma na prisão da mentira; da hipocrisia; da intemperança.

A inveja aprisiona!

8. Traz Mentira.

( Gl 5.21, 22 , )

“Certo Pastor foi pastorear uma determinada Igreja ao qual só tinha quatro membro efetivos.

Ele com sua esposa deram inicio à ministração da Palavra de Deus e muitas pessoas se converteram a Jesus com evidente alegria de coração. Tudo corria bem!

A assistência aos cultos subiu para 50 pessoas, logo atingiram o número de 70 e en poucos meses chegaram a 100 membros. Havia um sentimento de regozijo, de animação e de adoração. Quando tomamos pulso do trabalho notamos que os quatro irmãos, membros fundadores da Congregação tinham chaves da porta do templo.

Mas nunca as portas eram abertas no horário previsto o que ocasionava atraso no início dos Cultos semanais. Pedi uma chave e tomei a iniciativa de abrir as portas do salão com relativa antecedência. Antes de o povo chegar, o Pastor e sua esposa limpavam os bancos, os banheiros e os móveis do púlpito.

Compraram diversos vasos com flores e enfeitaram o salão.

Houve uma mudança radical no aspecto visual da Igreja, o que agradou a todas as pessoas. Menos um. O irmão que por algum tempo foi dirigente do trabalho, encheu-se de raiva contra o referido Pastor. Mas ele não sabia de sua oposição.

Daí ele abriu a boca e levantou uma calúnia sobre meu procedimento. Antes devo explicar que a inveja se expressa de forma verbal, procurando atingir a honra de outrem. A Palavra de Deus examina o contexto da língua de forma mais completa e penetrante que qualquer outra parte do Novo Testamento (Tg 1.26).

Jesus também se referiu ao uso da língua, dizendo “que a boca fala do que está cheio o coração”. Nós revelamos o nosso caráter de forma bem visível através da nossa língua, isto é, das palavras que pronunciamos.

Inveja leva as pessoas às raias da calúnia, da insensatez, da mentira. No texto de Pv 6:16-19, encontramos sete coisas abominadas pelo Senhor. Delas, três se relacionam com a língua: a língua mentirosa, a testemunha falsa, e o que semeia contenda entre os irmãos. As três são filhas da inveja!”

Até que num dia calmo e sem perspectiva de problemas, descobri um fat6o inusitado, incomum para quem se deleitava em jogar pedras.

A máscara foi tirada e surgiu...

9. Destrói

...Surgiu um homem invejoso. O nosso irmão, exímio zombador e crítico, estava vivendo em mentira. Seu lar foi destruído. Quando o caso veio à tona, e todos tomaram conhecimento, o seu ministério foi destruído.

A inveja destrói qualquer obra de Deus na vida de uma pessoa; até mesmo o ministério pastoral. Esse nosso irmão era mais capacitado intelectualmente do que eu, pois era diplomado em curso superior ao meu. Charmoso, era considerado bonito pela “moçada”, e contava com a simpatia e a amizade de toda a igreja; membro de uma família influente; as suas mensagens eram profundas e carregadas de teor bíblico. Aliás, ele pregava dez vezes melhor do que o referido Pastor.

Mas tudo foi de roldão por água abaixo. Hoje, ele não é absolutamente nada na obra de Deus.

A raiz de todos esses males está relacionada intimamente na evasão do pecado da inveja. A raiz brotou, cresceu, foi adubada com palavras de zombaria e frutificou para a destruição.

Minha oração ao Senhor é constante: “Deus, não permita que eu trilhe pelo caminho da crítica. Livra-me da inveja. Livra-me de pronunciar palavras ferinas que possam machucar alguém”.

Quando algum obreiro do Senhor assume o púlpito de alguma igreja, e pela oração o paralítico levanta, irmãos são batizados com o Espírito Santo e vidas são salvas; quando notamos que esse obreiro é cheio da graça de Deus e dons espirituais, a minha reação é sempre a mesma: desejar o melhor para ele, orar por ele. Quero seguir seu exemplo e também ser achado como obreiro qualificado no propósito que o Senhor tem para mim.

Deus não distribui tudo para todos, não. Algumas pessoas recebem menos aqui no mundo; umas sofrem mais do que as outras; são mais pobres; mais incultas; menos inteligentes. Precisamos aprender esta verdade. Umas são doutores, outras são pescadores.

A inveja está qualificada no nível da prostituição, do adultério, da heresia etc confira em Gl 5.19-21, os que cometem tais coisas fora do reino ficaram.

Como superar?

A. Buscai primeiro o Reino e a justiça de Deus e Ele atenderá às suas necessidades.

B. Nossa segurança não deve derivar de nossos títulos e posições. Deus deve ser a fonte de nossa segurança.

C. Não se compare com os outros. Se alegre com o que você já tem.

Precisamos da graça de Deus para não cair no precipício da inveja.

Que o Senhor nos guarde; que o Espírito Santo nos encha da Sua presença derramando-se em nossa vida; e que todo espírito de inveja que se levantar contra nós, seja repreendido em nome de Jesus...

Bispo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.