Subscribe:

sábado, 7 de abril de 2012

QUERO VOLTAR AO PRIMEIRO AMOR...

Jesus, chamando uma criança, colocou-a no meio deles, e disse: Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Mateus 18:2-3 Olhando para a inocência de uma criança, lembro-me do início da minha conversão. Fico imaginando onde teria ido parar aquele amor, aquele primeiro amor de uma criança que acaba de conhecer o seu pai. Um menino de 2, 3 e até 4 anos vê o seu pai como um herói. Tudo o que ele fala é verdade. Ele sabe de tudo, tem todas as repostas, não existe questionamentos. O filho confia, se entrega. Não há maldade, não há dúvidas, não há conhecimento suficiente que gere questionamentos. De fato, é verdade a palavra que diz que a letra mata e o espírito vivifica. Um grande conhecimento, muitas vezes, atrapalha a nossa inocência e a pureza de uma criança que confia inteiramente no seu pai. À medida que esse filho cresce e toma conhecimento de algumas coisas, seu pai deixa de ser um herói, suas atitudes são questionadas, seu defeitos se tornam visíveis. Esse dias me peguei lembrando dos meus primeiros meses na igreja. Como eu amava o Senhor! Eu acreditava em tudo o que pastor falava e cumpria tudo. Queria ser como ele estava dizendo, queria andar como ele dizia que era certo. Uma vez o pastor disse que a minha palavra tinha poder. Eu saí da igreja radiante e crendo que tudo o que falasse ia acontecer. Era um amor tão sincero, tão puro, tão verdadeiro. Quando eu cheguei em casa, a minha vizinha estava chorando dizendo que o marido dela estava de malas prontas. Eu me lembrei da palavra do pastor. Sem nenhuma dúvida, disse: “Ele não vai embora, fica tranqüila.” Dei as costas e fui embora. A autoridade e a fé daquela palavras fizeram toda a diferença. O marido dela desfez as malas. Eu nem batizada era. Outra vez, o pastor disse que os demônios obedeciam à voz dos servos de Deus. Eu saí de lá louca para encontrar um demônio pela rua a fim de expulsá-los. Minha outra vizinha era super oprimida. Entrei em casa e as filhas dela de 8 e 10 anos foram me chamar dizendo que a mamãe estava passando mal. Cheguei lá, sozinha, sem conhecimento nenhum, sem ser batizada, com dois meses de convertida. A única coisa que eu sabia é que os demônios tinham que obedecer em nome de Jesus. E a palavra é verdade: eles saíram depois de muito relutar. Mas, saíram. Hoje, essa mulher é serva de Deus e eu era uma adolescente de 16 anos que tive que ir à casa dela várias vezes expulsar aqueles demônios apenas crendo em uma pregação que eu tinha ouvido. O que eu quero mostrar com isso? Que conforme a gente cresce, se não vigiarmos, perdemos essa fé simples. Não tinha teologias, altos conhecimentos. Eu andava de acordo com o pouco que eu sabia. Onde foi para aquela menina? Simples menina que amava a Deus de forma singela, que cria em tudo, que obedecia a tudo que pediam, que não duvidava. Que não sabia que existem várias pregações, várias formas de crê, várias denominações. Não conhecia as competições, os ídolos, as lideranças, as posições. Nada disso era importante. Eu só queria cantar: “pois pra te adorar foi que eu nasci, cumpra em mim o teu querer, faça o que está em TEU coração…” O primeiro amor, esquecido, deixado de lado em troca de coisas que para Deus são tão pequenas. Quero saber onde está o caminho de volta à inocência. Será que eu posso abrir mão de tudo o que conheço para voltar a ser aquela menina que nem sabia porque Jesus era chamado de “Cordeiro de Deus”? Mas cria nele e queria viver inteiramente cada momento. Será que eu posso esquecer tudo que eu já vi no meio da igreja e ter de novo aquela visão de que tudo era amor e que todas as pessoas são verdadeiras? Como voltar ser aquela menina com 2 meses de conversão mas que chorava de joelhos só para conhecer um pouco mais, só para ouvir a voz daquele que tinha me resgatado. Ele me ouvia tanto. Coisas tão simples. Uma vez eu estava na escola e me deu uma vontade de fumar junto com a minha antiga turma. Eu saí correndo da escola e fui para a igreja e lá fiquei até a reunião da noite. Eu estudava de manhã. Quando começou a reunião às 19:00h, a minha oração mais sincera, mais verdadeira foi: “Jesus me ajuda, eu não quero voltar pro mundo, eu não quero voltar pro mundo.” Na mesma hora, uma mulher saiu lá da frente e me abraçou e disse: “Filha amada, não temas. Eu te fortaleço nessa hora”. Esse tipo de coisa não aconteceu nem uma, nem duas vezes. Mas, infelizmente, eu cresci. Vivi coisas que não queria, vi situações que não deveria, conheci demais, estudei demais, me ensoberbeci demais. Quis ser muita coisa, quis aprender assuntos sem importância e deixei de lado o relacionamento simples, puro e ingênuo. Deus, tu conheces o meu coração e o que eu quero é voltar a cantar aquela música com o mesmo sentimento que eu cantava há 11 anos atras. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres Apocalipse 2:4-5... BISPO/JUIZ.DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.