Subscribe:

segunda-feira, 27 de junho de 2016

AVIVAMENTO, AVIVA Ó SENHOR A TUA OBRA NO MEIO DOS ANOS...


                AVIVAMENTO, AVIVA Ó SENHOR A TUA OBRA NO MEIO DOS ANOS...
O profeta Habacuque
é lembrado por causa de sua mensagem
de avivamento para seus dias, a qual,
pela sua profundidade, alcança também
a Igreja de hoje.

Por várias vezes, o povo hebreu, envolvido com as lides da vida material, afastou-se do Senhor. Esse estado de abandono das coisas de Deus, de esquecimento dos deveres espirituais, de valorização mais das práticas mundanas que as religiosas também permeou a história da Igreja e, infelizmente, chega até hoje. Mas Deus, na sua misericórdia, sempre levantou líderes, profetas, pregadores, homens que estiveram dispostos a enfrentar esse estado negativo e prontos a proclamar a autêntica e pura vontade do Senhor.
Estudaremos um destes homens, em Habacuque 3: 1-19. O profeta Habacuque é lembrado por causa de sua mensagem de avivamento para seus dias, a qual, pela sua profundidade, alcança também a Igreja do terceiro milênio. Sua palavra sustenta os filhos de Deus, os cristãos de nossos dias, diante do grande risco de sermos infectados pela mornidão espiritual que assola algumas de nossas igrejas, como já acontecera ao tempo de João e está narrado em Apocalipse 3: 15 e 16.
Habacuque e sua época
O profeta Habacuque viveu numa das épocas mais conturbadas da história de Israel. Homem de oração, de profunda comunhão com o Senhor, teve o privilégio de ver, com clareza o que estava ocorrendo e as consequências que adviriam de tanta desobediência e afastamento do Senhor.
Para que sua pregação e testemunho permanecessem, ele escreveu sua mensagem num livro preciosíssimo. Além dos problemas espirituais de afastamento do Senhor, havia graves problemas internos e ex-ternos em seu país.
● Externamente, a nação, por ser pequena, sentia-se insegura diante da ameaça da Babilônia (que hoje é o Iraque) e era um poderoso império. Temida por causa das atrocidades de seu exército, havia vencido os assírios e se preparava para atracar Israel: “Pois eis que suscito os caldeus, nação amarga e impetuosa, que marcham pela largura da terra, para apoderar-se de moradas que não são suas”, Hc 1: 6.
● Internamente, Israel vivia um tempo de declínio espiritual e moral. Imperavam a violência, a iniquidade, a opressão, a injustiça (1: 1-4); Nessa fase o povo estava longe de Deus e chegavam até a praticar a idolatria: “Ai daquele que diz à madeira: Acorda! E à pedra muda: Desperta! Pode o ídolo ensinar? Eis que está coberto de ouro e de prata, mas, no seu interior, não há fôlego nenhum”. Enfim, havia um fracasso nacional, como descrito em Hc 1: 2-5.
Notamos que os homens que não servem a Deus agem da mesma forma em todas as épocas: exploração do próximo, enriquecimento ilícito, ameaças, violência e assim por diante.
Habacuque sofria duplamente, pois via esse quadro de falta de temor em seus compatriotas e o Senhor lhe revelava o que iria acontecer ao seu país nos próximos e anos, que era a irreversível invasão por parte dos babilônios, Hc 1: 6-8, e o cativeiro.
De fato, a invasão e o cativeiro ocorreram. Narra a história bíblica que, em 586 AC, o exército babilônico cercou Jerusalém. Depois de uns tempos, tomaram a cidade, prenderam o rei Zedequias, furaram-lhe os olhos, incendiaram o templo e queimaram as edificações mais importantes, fizeram de seus líderes e habitantes prisioneiros, que foram levados ao cativeiro, Jr 52: 4-30 e 2Rs 25: 1-10.Habacuque e seu livro
Pouco se sabe sobre a vida de Habacuque, a não ser o que se pode deduzir de seu livro, classificado entre os profetas menores por ter apenas três capítulos. Diferente dos demais, não há profecias contra países vizinhos ou pessoas, mas revelações do que Deus lhes mostrara, suas orações e reflexões.
Provavelmente atuasse no templo na área do louvor, como instrumentista ou cantor, Hc 3: 19.
Podemos destacar três afirmações muito importantes em seu livro:
a) “o justo viverá pela sua fé”, 2: 4. Esta declaração inspirou o apóstolo Paulo a escrever a Carta aos Romanos (Rm 1:7) e, posteriormente, a Martinho Lutero, que a tomou como base para a Reforma Protestante.
b) Os últimos versos de seu livro são considerados a mais elevada expressão de fé de todo o Antigo Testamento, 17-19.
c) O versículo “Aviva, ó Senhor, a tua obra”, 3: 2, revela sua insistência com Deus pela mudança do coração dos homens. E tem sido o lema dos anseios de renovação nas Igrejas.
 Habacuque e a Igreja de hoje
Que lições podemos tirar dos ensinos desse homem de Deus para nossa vida espiritual e para nossas igrejas hoje?
É tempo de clamar por um avivamento. Habacuque percebeu que seus compatriotas precisavam mudar seu comportamento espiritual. Por isso, se coloca diante de Deus e roga que os olhos deles sejam abertos para a maior das necessidades, que é a de estar mais perto do Senhor e viver seus princípios.
A essa prática espontânea no modo de servir ao Senhor é que chamamos de avivamento ou renovação espiritual. Ela resultará na ação poderosa, irresistível do Espírito Santo, que se sobrepõe a qualquer força.
Quando o avivamento acontece, a renovação aparece e, consequentemente, seus grandes e necessários resultados surgem. A Igreja avivada cria crentes avivados. Seus membros tornam-se ativos, buscam ao Senhor, Is 55: 6, deixam de ser simples admiradores e ouvintes e passam a realizadores, Jó 42: 5. “Eu te conhecia só de ouvir falar, mas agora os meus olhos te vêem”. Os crentes espirituais, 1Co 2: 15, são ativos e produtivos na obra do Senhor, Ap 22: 11.
É tempo de orar com profundidade. Orar crendo, orar buscando com sinceridade, orar tendo certeza de que está falando com o rei do universo. Orar para que Deus conceda um avivamento pessoal e coletivo com poder, glória e soberania. Vigílias, orações que partam do profundo de uma alma preocupada e que se derramem diante de Deus.
É tempo de buscar os meios de graça. A Bíblia enfatiza, tanto no Antigo como no Novo Testamento, que os grandes eventos foram antecedidos, marcados e alcançados com jejum, arrependimento, confissão, quebrantamento, espírito de humildade junto ao Deus que santifica, Josué 3: 5.
É tempo de valorizar a Palavra de Deus. Levar para a Igreja a eficiente palavra que vem como fogo e como martelo que esmiúça a penha do pecado, Jr 23: 29. Palavra abundante, fluente, poderosa, reavivadora como um carro forte. A palavra do Senhor é o agente ativo e divino para gerar o avivamento de que desesperadamente a Igreja precisa.
A Igreja carece de púlpito e de ensino que exponham as excelências do Espírito Santo e o culto ao Senhor tem de ser realizado com seriedade e espiritualidade.
É tempo de louvar o Senhor no poder do Espírito Santo. No andamento de um culto, o louvor ministrado com unção e testemunho de vida faz a glória de Deus se manifestar. Mas o louvor, se não for vigiado, pode ser a porta para entrada de costumes os mais indesejáveis na Igreja. Temos de clamar por avivamento de fogo em nossos louvores e zelar pela liturgia que agrade do Senhor e não aos homens, Amós 5: 21.
É tempo de buscar o temor a Deus e seus resultados. Se não houver temor constante, o crente vai perdendo a noção dos valores espirituais, dos perigos que o cercam, perde o repúdio ao mal, ao pecado, perde a sensibilidade para com os valores divinos e santos do Senhor. Isso empobrece sua vida espiritual. Quando os valores espirituais são apagados, há impedimento de acesso àquela vida de santidade e de retidão a Deus que é de suma importância para sua vida ministerial e no seu viver cotidiano, Habacuque afirma: “Ouvi, Senhor, a tua palavra, e temi”, 3: 2.
Conclusão
O que Deus fez ontem pode fazer hoje, Hc 3: 3. Deixemos o Senhor ficar no controle da Igreja. Para isso, devemos orar como o profeta Habacuque. “Aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos”, 3:2. E, se isso fizermos, o tão precioso avivamento certamente virá, a renovação se firmará e todos os pastores e igrejas triunfarão na plenitude do Espírito Santo...

Apóstolo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.