Subscribe:

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

SOLIDÃO PARA CRIAR INTIMIDADE COM DEUS...


                            SOLIDÃO PARA CRIAR INTIMIDADE COM DEUS...
Mt 14.22-33
I. INTRODUÇÃO
A. Um sentimento de abandono. Ninguém se importa com a nossa vida, com aquilo que somos e fazemos. Um dos males da sociedade moderna que redefine tudo em função da produtividade e esquece do ser humano.
B. Um sentimento positivo de renovação dos valores bíblicos para readquirir sentido de missão, de funcionalidade, de utilidade no reino de Deus.
II. TRANSIÇÃO
Este episódio levou Jesus a buscar a solidão na presença de Deus.
O texto que vamos estudar nos mostra aspectos positivos desta solidão na pessoa de Jesus Cristo. Aprendamos com ele que muitas vezes:
III. É NECESSÁRIO ISOLAR-SE DO MUNDO
A. Jesus havia alimentado a multidão com o milagre da multiplicação dos pães. Havia uma tradição de que o Messias alimentaria o povo com o pão do Céu, assim como Moisés havia feito no deserto. Jesus havia realizado tal milagre. A partir deste momento o povo começa a pressioná-lo ainda mais.
B. Jesus despede as multidões e os discípulos, porque ele tinha um propósito de estar a sós com Deus. Ele precisava estar livre da distração do mundo e dos amigos. Os judeus queriam torná-lo reio de Israel.
C. Devemos evitar o sentimento de que nós podemos resolver todas as coisas, de todas as pessoas, em todos os momentos.
1. Não pensemos de nós mesmos mais do que convém. Não desenvolvamos o sentimento de messianismo.
2. Devemos cuidar para não assumirmos o papel de Deus nas vidas das pessoas.
D. Quando foi a última vez que você “despediu as multidões” para ter um encontro com Deus?
IV. É NECESSÁRIO ESTAR A SÓS COM DEUS
A. Orava a Deus. Na oração nós levamos a Deus o que está nos nossos corações e preenchemos o nosso ser com a paz que Deus nos oferece.
B. Nesta solidão com Deus nós redescobrimos o real sentido da nossa existência.
1. Quando estamos a sós com Deus, estamos também a sós conosco mesmos. Invadimos o mais íntimo do nosso ser para vermos o que realmente somos.
2. Esta deve ser uma ação libertadora.
3. “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração: prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno” (Sl 139:23-24).
C. Face a face com Deus
1. “O Senhor falava com Moisés face a face”(Ex 33.11).
2. O desejo de Davi: “A minha alma tem sede de Deus, do Deu vivo: quando irei e me verei perante a face de Deus?” (Sl 42.2).
3. É necessário ter esta experiência; ter este desejo no coração.
V. É NECESSÁRIO VOLTAR AO MUNDO
A. Tendo redescoberto quem nós somos, retornamos ao mundo.
1. “Separado do seu mundo, o ser humano é capaz de olhar para o mundo. Somente porque a pessoa pode olhar para o mundo, pode ela agora conhecê-lo, amá-lo e transformá-lo.”
2. Neste retorno ao mundo, nós realizamos a nossa missão. Grande sentimento de inutilidade invade o nosso coração quando nós não sabemos para que servimos.
B. Encontramos um mundo cheio de necessidades a nossa volta.
1. Enquanto Jesus orava o mundo continua a existir. Os discípulos no meio do mar enfrentavam grandes dificuldades em conduzir o barco até a terra.
2. “Foi Jesus ter com os discípulos” (v.25).
a) “Tende bom ânimo” (v.27).
b) “Subindo para o barco cessou o vento”(v.32).
C. Todos nós somos desafiados a representar Jesus para alguém que está precisando de nós.
1. Pode ser um gesto amigo, uma palavra de consolo, ir com a pessoa até o hospital, interceder por ela.
2. A solidão com Deus deve produzir em nós o desejo de sermos como Jesus para quem está precisando de ajuda. A nossa missão encontra sentido no serviço a Deus e ao próximo.
VI. CONCLUSÃO
A. Jesus indicou o caminho para uma recomposição da vida: estar na presença de Deus.
B. Este mesmo Jesus oferece a nós a possibilidade de reestruturarmos as nossas vidas, de recobrarmos a dignidade perdida:
“Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados. e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve” (Mt 11.28-30)...
Apóstolo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante.


0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.