Subscribe:

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

ESTUDO BÍBLICO SOBRE O CORAÇÃO DO HOMEM...


                          ESTUDO BÍBLICO SOBRE O CORAÇÃO DO HOMEM...
Joel 2:13; Sl 119:11; Pv 4:23; Mt 13:3-8.
Introdução:
O texto em apreço, no cap. 2:13 do livro do profeta Joel, traz-nos uma indicação que a mudança exigida por Deus para que a sua benção recaísse sobre o povo hebreu, e também sobre nós, hoje em dia, deveria começar no interior de cada um. Uma transformação que brotasse do coração, que fosse regada por um profundo arrependimento; reconhecendo que deveriam mudar. Mudar os pensamentos, comportamentos e atitudes, nada que fosse artificial, só de aparência.
Deus estava cansado de ver o seu povo rasgar as suas vestes, ele queria que eles rasgassem o seu coração. Um arrependimento momentâneo e emotivo levava-os a mudar, mas, só por um tempo, não demorava muito e voltavam a praticar todos os erros do passado. Porque eles viviam de aparência, a vida deles era regida pelos momentos, quando tudo estava indo bem, esquecia-se de Deus; quando tudo ia de mal a pior, voltava-se para Deus. Estas variações (altos e baixos) estavam incomodando o Senhor.
Quando o homem rasga a suas vestes, ou seja, tem uma mudança externa (de aparência), ele não consegue viver de forma diferente por muito tempo, porque tudo nasce do coração (o centro do intelecto {espírito} e das emoções {alma}), por isso nele está a nossa personalidade e caráter, que determina o nosso comportamento e as nossas atitudes. Se ele foi bem ou mal formado, o que somos é resultado desta formação. Não adianta rasgar só as vestes. A personalidade deve ser moldada e lapidada pela palavra de Deus.
Nos demais textos, a palavra trata o coração numa linguagem retórica como: depósito; fonte de vida e terra que abriga a semente [palavra] de Deus. A seguir estudaremos estas figuras de retóricas da bíblia.
1 - O Coração: (Ez 36:26 e Pv 4:23) Centro do intelecto e da emoção do homem. (onde se forma a nossa personalidade). "Caráter {Os traços psicológicos, as qualidades, o modo de ser, sentir e agir de um indivíduo} ou qualidade do que é pessoal".
A parábola do semeador expressada por Jesus indica os estágios da transformação da nossa personalidade, que se inicia no ato da conversão, no momento do encontro com Ele. As suas palavras como sementes são lançadas no solo do nosso coração, germina e cresce de acordo a receptividade e a qualidade do solo; ou Coração (Intelecto e emoção).
1.1 - A semente:
Como o próprio Cristo disse a semente expressada nesta parábola, numa linguagem figurativa "representa a Sua palavra". O ato de semear, lançar a semente, e o ato de ensinar, educar, moldar e lapidar a personalidade dos homens a partir dos seus defeitos, enfim, na formação da personalidade. A semente por si só tem vida, mais para ela gerar vidas, e dar frutos é necessário que ela seja sepultada, enterrada no subsolo. La dentro ela germina, nasce uma nova planta, cresce e produz frutos. Tudo começa de dentro para fora, do interior para o exterior. A parábola classifica 04 tipos de solos, vejamos:
1.2 - Solos:
Assim como a semente, o solo classificado por Jesus na parábola do semeador tem caráter figurativo, representa o coração emocional e intelectual do homem. A semente teve receptividade diferenciada, de acordo as condições do solo. No 1° solo o compacto, impermeável, endurecido, da beira do caminho, a semente não pôde penetrar vindo a ser comida pelas aves. No 2° solo o rochoso, cheio de pedras, a semente penetrou, mais não pode se aprofundar crescer suas raízes, e terminou não suportando o sol, o calor, pois não tinha raízes profundas para encontrar água e nutrientes para sua sobrevivência, morreu. No 3° solo onde existiam espinhos, ervas daninha, a semente penetrou, cresceu e aprofundou suas raízes, mais não resistiu os espinhos, o espaço ficou pequeno para ambas crescerem, os espinhos terminaram sufocando a planta e impediu que ela continuasse a crescer e viesse produzir, acabou morrendo. No 4° e ultimo solo, a semente conquistou o seu objetivo, a terra era muito boa, ela penetrou, germinou, aprofundou suas raízes, alcançou o lençol freático, nutrientes, cresceu a árvore, produziu e deu muitos frutos.
A) - A beira do caminho:
Numa linguagem tipificada, Jesus classificou o primeiro solo, o compacto, impermeável, endurecido, a pessoas que possuem resistência, dureza, as suas palavras, um coração que é impenetrável, não aceitam ter uma nova vida, um novo conceito, novos pensamentos e ideias. São aquelas pessoas egoístas, que se acham sábias; conhecedoras; autossuficientes; não acatam conselhos, ou sugestões. Vivem em um mundo fechado que gira em torno de si mesmas, não se dão ao aprendizado, ao aperfeiçoamento. Sua personalidade cheia de avarias, defeitos, não pode ser lapidada, a palavra não consegue penetrar, para germinar, ou seja, extrair e mudar o que ha de errado. Este solo endurecido, seco, árido, precisa ser trabalhado para que a semente, a palavra, possa entrar no seu interior, e com seu poder arrancar o egoísmo a autossuficiência, e transformar a personalidade rígida e inflexível do homem grosso, mal, exaltado, incompreensível e ignorante, numa nova pessoa, um ser amável, humilde, bondoso e compreensível.
Jesus trabalhou intensamente naqueles solos impermeáveis do coração de seus discípulos, mostrando-os que se conquista uma guerra promovendo a paz, se torna um grande homem sendo pequeno, se torna um grande líder sendo servo. O conceito do mundo estava totalmente errado, quando diz que o mal deve ser combatido com o mal. Jesus ensinou a seus jovens discípulos, que o mal deve ser combatido com o bem, "pois se alguém lhes bater na face direita, ofereça-lhes a esquerda". O que o homem aprende entre o primeiro ao sétimo ano de vida, estabelece a formação da sua personalidade, que por sua vez, determinará o seu comportamento e atitudes futuras. Nesta fase, a maior parte do que aprendemos é oriundo do nosso lar, da convivência no seio familiar. Se a família for bem estruturada, possivelmente haverá uma boa formação da personalidade da criança. Ela terá um cárter bem formado, com poucas avarias, defeitos.
Se a família não tem uma boa estrutura, o inverso ocorrerá, a pessoa terá uma má formação da personalidade e isso refletirá nos comportamentos e atitudes futuras. Tornar-se-á um cidadão que possivelmente provocará prejuízos à sociedade, com um caráter mal, estará à margem da lei. A palavra de Cristo tem a função de corrigir, as deformações na formação desta personalidade. Jesus demonstrou nesta parábola, especificamente neste solo condicional, uma verdadeira lição de esperança, para aqueles que sonham em ter uma vida melhor, com qualidade, aspirações, projetos e ideais. Todo aquele que quiser encontrar a felicidade, é só abrir para Cristo o seu coração, abrigar a sua palavra, dando a ela honra dentre de si mesmo, que ela por sua vez, transformará a personalidade cheia de defeitos e imperfeições, numa verdadeira fonte inesgotável de boas atitudes. Ele não pode quebrar a sua lei, o homem tem dado por ele o direito de escolher o que quer, ele não invade o ser do homem com sua palavra, ele apenas prepara o solo do coração para recebê-la, com os seus gestos de carinho, amor e dedicação, a fim de dar a ele uma vida de sonhos e realizações.
B) - Terra rochosa:
O segundo estágio, o solo rochoso, Jesus o classifica a alguém que superou o seu egoísmo; rigidez; grosseria; e seu coração já não era mais um solo compacto, impermeável e endurecido, a palavra já havia penetrado, regado, e promovido estas primeiras mudanças. Ele conseguiu se tomar uma nova pessoa, quem o vê, percebe esta mudança, se tornou um amor de pessoa, nem parece que era aquele cidadão, prepotente, autoconfiante, grosso e insensível. Ele mudou, o seu coração em terra fofa, sensível, preparada para receber a semente, a palavra. Mais, como o solo era cheio de pedras, a raiz não pôde se aprofundar.
Tudo parecia tão bom, não era de se esperar nada de ruim. Quando de repente o sol começou molestar, a sequidão por falta da chuva começou perturbar, as raízes não podiam aprofundar-se no subsolo, porque as pedras não permitiam. O que fazer? Por esta ele não esperava, pensava que a vida com Jesus, consistia em apenas bons momentos, que não existiria os problemas, as perseguições, às lutas, o desespero chegou, está difícil suportar o sol, a sequidão. O fato de está seguindo a Cristo, não nos isenta de passarmos por lutas, ou perseguições, Ele mesmo disse que no mundo teríamos aflições, as mais diversas, mais que tivéssemos bom ânimo, porque assim como ele venceu, venceríamos também. Mesmo porque a sua palavra é a nossa garantia de que o problema, a dificuldade, e as lágrimas, duram pouco tempo, Ele mesmo supriu as nossas faltas e resolve os nossos problemas internos e externos. As plantas que suportam a angustia do sol (o calor das dificuldades e dos problemas) e os períodos de sequidão (Necessidades, faltas e perdas) não são as mais belas, (que buscam aparência exterior) são as que têm raízes (uma boa formação da personalidade e um conhecimento que consiste em força, capacidade de suportar e superar os problemas) mais profundas, (conhecimento que aprofunda germina e modifica de dentro para fora) ela atinge o lençol freático, encontra as águas profundas (vida que da sustentabilidade e crescimento pessoal).
O calor causticante do sol suplantou a planta, que não possuía raiz em si mesma. Embora essa pessoa tenha conseguido mudar as suas atitudes e pensamentos, corrigido defeitos da má formação de sua personalidade, não tinha aprendido ainda a lutar por seus ideais, estabelecer metas e lutar para conquistar seus sonhos. Os obstáculos da dor, da perseguição, das dificuldades se tornaram intransponíveis. Dentro de si havia muita sede, mais pouca força para vencer os obstáculos e chegar à fonte das águas.
C) - A planta crescia junto com os espinhos:
O terceiro estágio é o resultado da superação dos dois primeiros. A pessoa abriu o seu coração para a palavra, permitiu que ela fizesse as devidas transformações, reconhecendo a necessidade de corrigir os seus erros; suportaram os problemas exteriores, com as dificuldades financeiras, os problemas familiares as influenciam do mundo, enfim, fui um excelente aprendiz e aplicador do que recebeu de instrução da palavra. A semente penetrou, germinou, cresceu, e quando deveria frutificar, não conseguiu, foi sufocada pelos espinhos, pelas ervas daninhas. O espaço era muito pequeno para as plantas crescerem juntas, uma delas deveria abrir mão da vida. Foi o que ocorreu, a semente ou a palavra que cresceu dentro de si e os instruiu a perdoar, ser generoso, paciente, tolerante, manso, amável e bom. Começou a competir dentro si com uma erva daninha, um espinheiro que estava crescendo no seu coração. Parece que tudo que fora dito e ensinado, ou aprendido, foi sufocado. A arrogância competia com o perdão, a intolerância competia com a compreensão, a necessidade do poder competia com o desprendimento, a raiva e o ódio competiam com o sentimento de Jesus. Diferente da 2ª semente o 3° solo é o estágio que a disputa é interior ao contrário do 2° que consistia em problemas exteriores.
D) - A boa terra:
Esta terra, solo ou coração, é o estágio em que a semente cumpriu a sua missão, ela foi bem recepcionada, germinou, cresceu e frutificou. São aqueles que cumpriram todo o princípio e propósito da palavra de Deus. Permitiu que a palavra moldasse a sua vida, lapidasse a sua personalidade, e lhe transformasse em um novo homem. Venceu os problemas, dificuldades exteriores e inteiros, buscou as águas no mais profundo lençol freático e a encontrou, transpôs os obstáculos e venceu na vida. Teve sede e encontrou a mais pura água.
2 - Santidade: Salmo 119:9 e 11 e Pv 4:23
O coração é o guardião da palavra de Deus e é a fonte donde procedem as saídas da vida. Ou seja, é a fonte da vitalidade espiritual do indivíduo.
A finalidade de se guardar a palavra de Deus no coração é com o fim de obedecê-la, não pecar contra o Senhor. Manter-se puro, em santidade.
"Como purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra". Sl 119:09 - A santidade é o estado em que o homem vive opondo-se ao secularismo (vida em oposição a Deus) e guardando-se do pecado, na condição em que espírito, alma e o corpo mantêm de forma irrepreensível. Podemos classificar este estado em:
A) - Uma decisão pessoal irreversível de permanecer leal a palavra de Deus por toda nossa vida;
B) - Buscar o Senhor em oração;
C) - Memorizar a palavra de Deus;
D) - Buscar a direção de Deus através da oração;
E) - Declarar abertamente a nossa obediência e submissão a palavra de Deus;
F) - Alegrar-se e comprazer-se naquilo que Deus diz;
G) - Refletir no desfecho final do andar nos caminhos de Deus, contrastando com o andar do mundo, e nunca está tão ocupado que não possa ler e estudar a palavra de Deus.
Conclusão
A bíblia diz que enganoso é o coração do homem (Jr 17:09), e que dele procedem a saídas da vida (Pv 4:23). Este contraste de expressão, não de significados, declara que o coração do homem precisa ser cuidado e, moldado pela palavra de Deus. Na carta aos Hebreus cap. 3:12 o escritor diz: "Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo". Esta expressão explica que o coração como centro de nossas emoções e intelecto (espirito e alma) deve manter-se puro e sempre nutrindo e regando a palavra de Deus dentro de si. Deve está constantemente sendo moldado e lapidado pela palavra do Senhor.
Que Deus nos dê a graça e a sabedoria para guardarmos o nosso coração sempre puro e dedicado ao nosso grande mestre: Jesus Cristo...
Bispo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante


0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.