Subscribe:

domingo, 14 de setembro de 2014

APRENDENDO COM AS SETE EXCELÊNCIA DE UM MINISTÉRIO...


                         APRENDENDO COM AS SETE EXCELÊNCIA DE UM MINISTÉRIO.
As sete Excelências do Ministério de Deus
II Timóteo Cap. 4, Verso: 20, "Erasto ficaram em Corinto, e deixei Trófimo doente em Mileto", isso mesmo, um único versículo da Bíblia Sagrada e chega até 7 Excelências do Ministério através da vida do apóstolo que mais recebeu inspiração da parte de Deus para escrever cartas e realizar prodígios de cura.
Se nós queremos ter um ministério com as bênçãos e a aprovação de Deus, devemos aprender com as últimas palavras escritas por Paulo a Timóteo no fim de seu ministério. E o pregador conseguiu retirar deste único versículo, tamanha é a riqueza da Bíblia, 7 Excelências do Ministério.
São elas:
-Amizades Seletivas:
Paulo teve um ministério muito intenso e foi uma pessoa ligada a muitas pessoas, mas no final de sua vida pode contar os amigos a dedo, amigos como Timóteo e Trófimo. Esse último por sua própria decisão, escolheu ser preso junto a Paulo, ainda que não precisasse, ele buscou ser o amigo na alegria e na tristeza.
-Gratidão por quem nos ajudou:
Paulo, assim como o nosso Deus, foi grato ao dizer para Timóteo. "Deixei Trófimo doente em Mileto". Da mesma forma que o nosso Deus, na sua imensa majestade, foi grato com Abraão pelo fato de decidir imolar o seu próprio filho num ato de obediência e fé, citando em Sua palavra 3 vezes Abraão como amigo de Deus. A primeira como "Amigo do Pai", a segunda como "Amigo do Filho" e a terceira como "Amigo do Espírito Santo". E não estando ainda satisfeito de ser grato e sendo o homem que Deus mais amou, decide entre a Trindade e o Exército dos Céus, criar um Novo Testamento e uma nova aliança, onde no primeiro capítulo, falando sobre a genealogia de seu filho Jesus, demonstra toda a Sua gratidão pelo homem que mais amou a Deus, onde cita Jesus como "filho de Davi" e logo depois, "filho de Abrãao" (o homem a quem Deus mais amou).
-Responsabilidade:
Sendo um homem totalmente lúcido, Paulo sabia exatamente que Erasto tinha ficado em Corinto e que tinha deixado Trófimo doente em Mileto. Paulo não poderia esquecer-se desse amigo e por isso comunica o fato em um de seus últimos atos a Timóteo, como que solicitando ajuda a Timóteo em relação a Trófimo, em um ato de plena responsabilidade.
-Humildade:
Como grande pregador e com um ministério tão abençoado pelas curas em nome do nosso Senhor Jesus Cristo, Paulo poderia esconder o problema de Trófimo e não relatá-lo, pois afinal como um homem que curou a tantos enfermos e até mesmo a sua sombra curava ao passar, poderia ter deixado um grande amigo doente em Mileto. Com isso aprendemos a 4ª excelência do ministério, quando um homem dotado de dons espirituais é humilde o suficiente para admitir. "Deixei Trófimo, um dos meus maiores amigos, doente em Mileto".
-Honestidade:
Paulo foi honesto o suficiente, para dizer exatamente o que aconteceu. Muitas ações em nossas igrejas hoje são determinadas pela massificação e a popularização das exigências criadas pelo próprio povo de Deus em relação a milagres e atos de salvação forjados. Devemos ter o caráter de honestidade e dizer exatamente o que aconteceu. Se não foi realizado milagre, não se realizou. Se dez pessoas foram a frente no apelo, não foi uma multidão.
-Discernimento Espiritual:
Mileto era uma cidade pequena e sem infraestrutura para a época. Porquê Paulo deixou seu grande amigo em Mileto e não em Éfeso que era um grande centro em matéria de infraestrutura para a época? Será que Paulo não pensou ou não se importou?
Devemos nos lembrar da palavra de Apocalipse 2:1-4:
"Escreve ao anjo da igreja que está em Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro:
Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste a prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achastes mentirosos.
E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste.
“Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor.”
Em contrapartida, ao se despedir de Mileto recebeu muito amor dos integrantes de sua igreja, desejando os membros desta que ele permanecesse com estes.
O amor é o dom supremo e com ele por si só há curas pelo nome de Cristo. Paulo chegou a essa conclusão através de discernimento espiritual e preferiu deixar Trófimo em Mileto.
-Visão do Futuro:
Jesus passou pelo coxo do templo da porta formosa diversas vezes em seu ministério e com certeza seus discípulos deveriam o questionar. "Senhor, porque não curas esse coxo assim como curastes a muitos enfermos?" Mas Jesus nada fez em relação a ele.
Depois que morreu e ressuscitou, passaram-se quarenta dias e novamente nada fez.
Só pudemos entender o verdadeiro mistério disto, quando Pedro e João indo para o templo realizam a cura daquele coxo. Se Jesus tivesse curado aquele coxo, isto não seria adicionado a história de Pedro e João. Isso se chama visão do futuro. Paulo não curou Trófimo, porque isso era pra fazer parte da história de Timóteo. E principalmente, porque, nunca em nossos ministérios iremos realizar tudo, nunca em nossos ministérios iremos realizar a obra completa e aquilo que os outros tem que realizar. Portanto, não devemos ficar frustrados com aquilo que não pudemos fazer, ainda que desejássemos, pois Timóteo vem aí...

Bispo. Capelão/Juiz. Mestre e Doutor em Ciência da Religião Dr. Edson Cavalcante

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.