Subscribe:

terça-feira, 11 de março de 2014

DINHEIRO, EU PRECISO, MAS ELE NÃO É TUDO...


                                  DINHEIRO, EU PRECISO, MAS ELE NÃO É TUDO...
“... recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer.” (Apóstolo Paulo - Gálatas 2:10 RA)
Apesar de não apreciar a maioria dos programas evangélicos da TV, sou obrigado a assisti-los de vez em quando. Muitas ovelhas que pastoreio assistem a estes programas, razão pela qual preciso estar alerta contra heresias que possam contaminar o rebanho de Deus.
E tenho percebido uma grave heresia sendo ensinada nestes programas. Como se sabe, a maioria deles tem o mesmo formato: Abertura, música, pregação, venda de produtos, pedido de ofertas e oração. Mas, ao contrário do que se poderia esperar, o erro maior não está na pregação, ainda que algumas sejam lamentáveis, mas na forma como pedem ofertas para manter seus programas no ar.
É quase unanimidade os tele pastores pedirem ofertas trocando a palavra “dinheiro” por “semente”. Alguns dizem: “semeie no meu ministério”, com a promessa de uma grande colheita financeira para quem semear mais. E dizem isto usando a Bíblia como respaldo!
Preciso confessar que eu mesmo, no passado, fui vítima desta heresia. Por não conferir o contexto, cheguei a ensinar a tal “lei da semente”, erro que, pela misericórdia de Deus, não demorei a corrigir.
O texto bíblico mais usado (e abusado) para se pedir ofertas como sementes, encontra-se na segunda carta de Paulo aos Coríntios, onde encontramos o seguinte versículo:
“E isto afirma: aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará.” (2 Coríntios 9:6 RA)
Sim, de fato, o contexto mostra que o apóstolo Paulo está falando de ofertas. E comparando estas ofertas a sementes. Mas, a questão é: por que Paulo usou desta comparação? A resposta é surpreendente:
Porque aquelas ofertas eram destinadas aos pobres.
Ao contrário dos Telê evangelistas, Paulo não estava pedindo ofertas para o seu ministério. A razão do seu pedido de ofertas era a “a favor dos santos” em necessidade (Confira 2 Co 9:1,12). Provavelmente, um apelo para socorrer financeiramente os cristãos pobres da Judéia (Atos 11:29). Sim, porque, ao contrário do que ensina a teologia da prosperidade, os santos também podem ser pobres, materialmente falando (Ap 2:9).
E, a fim de que ninguém duvidasse de suas corretas intenções, o apóstolo cita uma promessa das Escrituras:
“como está escrito: Distribuiu, deu aos pobres, a sua justiça permanece para sempre.” (2 Coríntios 9:9 – citando o Salmo 112:9)
Como se percebe, a promessa é para quem oferta “aos pobres” e Paulo não deixa dúvidas quanto a isto. Basta que leiamos o contexto. Paulo poderia também ter acrescentado outros versículos, tais como:
“Bem-aventurado o que acode ao necessitado; o SENHOR o livra no dia do mal. O SENHOR o protege, preserva-lhe a vida e o faz feliz na terra; não o entrega à discrição dos seus inimigos. O SENHOR o assiste no leito da enfermidade; na doença, tu lhe afofas a cama.” (Salmos 41:1-3 RA)
“Quem se compadece do pobre ao SENHOR empresta, e este lhe paga o seu benefício.” (Provérbios 19:17 RA)
“O que semeia a injustiça segará males; e a vara da sua indignação falhará. O generoso será abençoado, porque dá do seu pão ao pobre.” (Provérbios 22:8-9 RA)
Foi com base em promessas assim, de Deus abençoar quem ajuda “ao pobre”, que Paulo comparou tais ofertas a sementes.
Isto é muito diferente de levantar-se ofertas para se manter programas na televisão, cujo minuto é caríssimo e o benefício duvidoso. E o pior é que a maioria destes programas nem sequer está pregando o verdadeiro evangelho de Cristo! A maioria das pregações da TV é voltada para satisfazer os interesses do homem.
O verdadeiro evangelho causa furor na maioria das pessoas, porque poucos querem se arrepender de seus pecados e depositar sua fé inteiramente em Cristo para salvação. A maioria prefere acreditar que será salva porque foi uma pessoa boa, ignorando a enfática realidade exposta por Jesus de que “ninguém é bom, a não ser um, que é Deus”.
E isto é um dilema. Como manter programas na TV dizendo a verdade para as pessoas? Sendo assim, os Telê evangelistas fazem um tremendo esforço para agradar seus telespectadores, a fim de aumentar a audiência e o número de fiéis “semeadores”.
Mas, esta é a verdade: Quem ajuda a pagar caros programas evangélicos não pode esperar colheita de nada, a não ser de absurdos escândalos, como se tem visto ultimamente. Quero deixar como exemplo o escândalo mais recente:
Enquanto outros canais de televisão mostravam o número de uma conta bancária para ajudar os desabrigados das chuvas, que vitimaram milhares de pessoas no estado do Rio de Janeiro, um famoso pastor mostrava o número de três contas bancárias para que “semeassem” no seu ministério. E, detalhe, sementes de mil reais!
Quem não tivesse mil reais poderia parcelar sua “semente” em várias prestações, a fim de não perder a fabulosa colheita de bênçãos e ainda ganhar um lindo certificado do seleto “CLUBE DE 1 MILHÃO DE ALMAS”.
Ao invés deste pastor aderir à campanha pelas vítimas das chuvas, entre as quais algumas que perderam tudo, ele preferiu pedir dinheiro para bancar suas mega cruzadas. E, ainda que o dinheiro seja gasto nisso, tais cruzadas evangelísticas não atingem nem de longe o alvo a que se propõem.
Respaldo minha afirmativa no depoimento de Billy Graham, maior evangelista do século XX. Após analisar suas inúmeras cruzadas, ele chegou a uma conclusão alarmante. Pelos seus cálculos, dentre todos que assinaram “cartões de decisão” em suas cruzadas, somente três por cento procuraram uma igreja e chegaram a passar pelas águas do batismo. Apenas três por cento!
Amado, se você almeja receber algum benefício do Senhor, uma verdadeira colheita de bênçãos, semeie da forma correta: não se esquecendo do necessitado, se compadecendo do pobre, repartindo com ele o seu pão. (Sl 41:1; Pv 19:17; 22:8)
Esta é a forma de evangelismo mais eficaz que existe, porque esta é a verdadeira semente de Deus: O AMOR.
“Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.” (1 João 3:18 RC)...
BISPO/JUIZ. MESTRE E DOUTOR EM ÊNFASE E DIVINDADES DR.EDSON CAVALCANTE




0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.