Subscribe:

domingo, 19 de janeiro de 2014

A DIMENSÃO DO AMOR DE DEUS...


                                                A DIMENSÃO DO AMOR DE DEUS...
Jonas. 1.1-17
Jonas foi um profeta que viveu durante o reinado de Jeroboão II (II Rs. 14:25) em Israel e, nesse tempo, a Assíria dominava sobre o Oriente Médio.
A Assíria era nação cruel e detestada por suas práticas desumanas. Nínive era a sua capital.
Deus, então, deu uma direção a Jonas para ir a Nínive e pregar contra ela, ou seja, pregar para que se arrependesse da sua maldade. Mas Jonas decidiu não aceitar a direção de Deus porque tinha resistências em seu coração. Ele comprou uma passagem para Társis e fugiu da presença de Deus. Fugiu do chamado de Deus.
Ora, toda decisão tem consequência! E qual foi a consequência da decisão de Jonas? Passou três dias e três noites no ventre de um grande peixe. Jonas foi literalmente até o fundo!
Porque cada um de nós precisamos passar por um Encontro com Deus que dura três dias? Porque precisamos ser tratados por Deus no nosso caráter.
Só Deus poderia tirá-lo de lá! Vejamos, nessa história, o grande amor de Deus.
Um chamado recusado
Deus deu uma palavra rhema para Jonas: ir à Nínive e pregar contra ela (v.1). Mas Jonas não tinha interesse de pregar em Nínive nem na conversão deles.
Então, por que Deus escolheu Jonas, se sabia que ele recusaria o chamado?
Porque Jonas precisava ser tratado em seu caráter.
Jonas teve problemas porque recusou a direção de Deus e fugiu para uma cidade oposta a Nínive, Társis, o lugar mais distante e a viagem até lá por navio durava em média um ano.
Mas veio uma tempestade que quase destruiu o barco (v.4). Os marinheiros, apavorados, clamaram aos seus deuses. Enquanto isso acontecia Jonas dormia no porão do navio.
A única pessoa que poderia fazer uma oração ao Deus verdadeiro dormia, estava indiferente.
Os marinheiros lançaram sortes para saber quem provocara tudo aquilo e a sorte caíram sobre Jonas. Vemos que, às vezes, nossas decisões erradas prejudicam seriamente outras pessoas.
O que fazer para a tempestade acabar? Ele confessou e pediu que o jogassem ao mar, para cessar a tempestade (v.12). Depois de muita relutância lançaram o profeta ao mar.
Mas Deus não desiste de Jonas, apesar da fuga, e manda um grande peixe tragá-lo (v.17).
Um clamor das profundezas
No ventre do peixe e no fundo do mar Jonas, desesperado, clama ao Senhor.
Ele lembrou que Deus tinha planos para ele (2:7). Ao perceber que morreria, clamou ao Senhor (v.7).
Será que você está como Jonas, dentro do peixe e no fundo do mar? Jonas sabia por que estava lá: porque não quis estar no lugar que Deus direcionou! Isso nos indica que a direção de Deus é sempre melhor. Mas aquele grande peixe foi enviado por Deus não para matá-lo ou feri-lo, mas para guardar sua vida. Deus esperava ouvir o clamor de Jonas!
O Senhor espera ouvir o teu clamor! Se você está no “fundo do poço” clame ao Senhor!
Peça ao Senhor uma nova oportunidade.
Assim como Deus tinha um propósito a cumprir na vida de Jonas, também tem na tua vida!
A disposição de Deus em dar oportunidades
Uma nova oportunidade é dada a Jonas. O Senhor mandou o peixe vomitar o profeta em terra firme (2:10) e, novamente, o Senhor o mandou pregar em Nínive. Deus não muda seu plano.
Dessa vez ele obedeceu e fez o que o Senhor lhe mandou: foi a Nínive e pregou.
A grande cidade de Nínive deveria ser percorrida em três dias, mas Jonas o fez em um dia.
"Daqui a 40 dias Nínive será destruída!". O povo se arrependeu, fizeram jejum, juntamente com o rei e até os animais. Todos clamaram e se humilharam e Deus os poupou (3:10).
Sabe o que acontece quando nós clamamos? Deus no poupa!
Mas Jonas agiu como homem natural e ficou contrariado, pois não esperava por isso. Ele fez o que Deus mandou, mas não orou pedindo a transformação dos corações.
Ele não cria nem queria a conversão geral deles. Jonas não tinha amor pelas vidas!
Sua pregação não tinha a graça de Deus e o tom era de condenação. Ele estava contrariado.
Jonas representa o pregador egoísta e cuja pregação é condenatória e sem compaixão.
Mesmo assim a pregação alcançou a cidade! Todos se converteram ao Senhor (3:5-10).
A cidade mais importante da época se converteu ao Senhor, até o rei, e Deus os perdoou e lhes deu nova oportunidade. Que grande amor de Deus!
Os interesses revelados
Jonas ficou extremamente irado (4:1), ao invés de se alegrar pela salvação da cidade. Ele se afastou e foi para o lado de fora da cidade para ver o que iria acontecer. Como o sol era forte, Deus fez nascer uma plantinha para dar sombra para Jonas e ele gostou. Mas depois Deus mandou um verme ferir a plantinha e ela morreu. Então Jonas protestou e pediu a morte. Ficou revoltado porque Deus tinha feito a planta secar. Mas Deus lhe respondeu: Ora, se você teve pena da plantinha que você não criou nem a fez crescer, como não teria compaixão de 120 mil pessoas que não sabem discernir entre o bem e o mal e de muitíssimos animais?
Jonas não sabia a quem devia amar. Ele se compadeceu da plantinha, mas não amava as pessoas. Mas Deus tem compaixão de todos os pecadores, por isso mandou Jonas a Nínive.
Mas, além de salvar a cidade, Deus também queria mudar o coração de Jonas, Seu profeta; queria que Jonas passasse a se importar com as vidas, mesmo as cruéis e desumanas.
Deus sempre chama o pecador! Todos os pecadores são alvo do amor de Deus. O pecado Deus odeia mas o pecador, Deus ama e se importa.
Conclusão: Deus ama todas as pessoas. Não importa como elas são Ele as ama. E o Seu amor é tão grande que Ele deu o Seu único filho para morrer por toda a humanidade.
E esse amor está disponível para preencher o teu coração. Talvez a tua história seja um pouco parecida com a do profeta Jonas. Talvez você não tenha compaixão pelas pessoas, só com você, mas hoje é dia de tomares a decisão certa, não fugindo do propósito de Deus, mas andando no amor não fingido, o grande amor de Deus...

BISPO/JUIZ. MESTRE EDOUTOR EM ÊNFASE E DIVINDADES DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.