Subscribe:

sábado, 15 de junho de 2013

NUNCA QUEIRA BRINCAR DE SER CRENTE, POIS SATANÁS NÃO BRINCA DE SER SATANÁS...



NUNCA QUEIRA BRINCAR DE SER CRENTE, POIS SATANÁS NÃO BRINCA DE SER SATANÁS...
Disse, então, Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço da herdade?  Guardando-a, não ficava para ti?  E, vendida, não estava em teu poder?  Por que formaste este desígnio em teu coração?  Não mentiste aos homens, mas a Deus" (Atos 5:3-4)

     A Bíblia não vê com bons olhos o mentiroso, mesmo o que justifica sua mentira, seu engano, como uma brincadeira: "Como o louco que atira tições, flechas e morte, assim é o homem que engana o seu próximo e diz:  Fiz isso por brincadeira"  (Provérbios 26:19-20).  Para a Bíblia, afirmar ser verdadeiro aquilo que se sabe falso, seja para enganar o outro, seja para se proteger das consequências nocivas ou desagradáveis de uma decisão, uma atitude tomada ou de uma palavra dita, e até falar uma meia-verdade, é PECADO diante de Deus.

     Se a Bíblia vê como pecado mentir para os outross, como não será o mentir para Deus?  A história de Ananias e sua esposa Safira serve para nós como um mau exemplo, que não deve ser seguido, de crentes que mentem para Deus (vs. 4).  A conclusão do autor do livro de Atos é clara, com aquela experiência, eles (os crentes) perceberam que com Deus não se pode brincar (vs. 11).

     Com Deus não se brinca, mas há muitos que estão brincando de ser crentes!  E quando estão brincando de ser crentes, estão brincando com Deus!  Não estão levando Deus a sério.  A história de Ananias e Safira nos ensina que:

a) Estamos brincando com Deus quando mentimos (vs. 4b).  A Bíblia ensina sobre a mentira: "qualquer que ama e comete a mentira, ficará de fora" do céu (Apocalipse 22:15 ACF).  "Nenhuma mentira vem da verdade" (1 Jo 2:21 ARC).  e  Jesus deixou claro sobre a fonte da mentira: "Vós tende por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira" (João 8:44 ARC).

     b) Estamos brincando com Deus enquanto não vivemos o princípio da entrega total (vs.5).  Na igreja "ninguém dizia que coisa alguma das que possuía era sua própria".  Enquanto os bens de Ananias e Safira eram uma questão de "sigilo bancário e patrimonial" estava tudo bem.  Ninguém exigia que eles vendessem o que possuíam.  Mas, no momento em que eles adentraram numa dimensão mais profunda do senhorio de Cristo, "vendendo uma propriedade e entregando-a na igreja", não poderiam dividir aquele ato de entrega pela metade.  Ao fazer isso, estavam brincando com deus. Às vezes tomo conhecimento de certas racionalizações sobre o dízimo.  Crentes que debatem se é bíblico ou não dar o dízimo.  Crentes que dizem que "dizimar não é a única forma de cooperar e participar" para justificar sua omissão e ainda outros que dizem entregar no "anonimato".  Um ex-professor de EBD chegou a me dizer, há alguns anos, que a pregação na Igreja sobre a necessidade e essencialidade da fidelidade financeira, principalmente para aqueles que ocupam cargos de liderança, é como se a Igreja estivesse instituindo uma espécie de imposto sobre o serviço voluntário.  E completou: "Na igreja, paga-se para trabalhar".  Essas atitudes, racionalizações sobre o dízimo, são fruto de um espírito de Ananias e não de um cristão que se entregou por inteiro ao Senhor.  E nós já sabemos quem encheu o coração de Ananias para que ele entregasse bens pela metade, se entregasse pela metade...

     c) Estamos brincando com Deus quando negamos o nome de cristão (vs.1).  O nome Ananias é a transliteração do nome hebraico HANANIAH, que,por sua vez, é a junção de duas palavras: HANAN - ser gracioso e YAH - nome Jehovah.  O nome de Ananias significava então "o Senhor é gracioso", cheio de favores imerecidos.  Apesar do nome de Ananias significar "o Senhor é gracioso", ele quis conquistar prestígio, fama e posição dentro da Igreja com uma mentira, com estratégias e armas mundanas.  Ananias brincou com Deus, porque tentou mudar uma conquista da Graça, por uma conquista da carne.  Sua atitude negava-lhe o nome.

     A vida cristã normal não admite mentiras ou meias-verdade.  A vida cristã normal não admite entrega pela metade.  O que precisamos compreender é que precisamos agir com coerência (com verdade) com o nome e a identidade que levamos, ou estamos vivendo uma mentira, estamos brincando de ser cristão, estamos brincando com Deus.

     d) Estamos brincando com Deus quando vinculações com pessoas estão acima da nossa vinculação com Deus.  Quando a mulher de Ananias, Safira, foi questionada sobre a veracidade ou não do ato de entrega, ela preferiu manter solidariedade e compromisso com a mentira do seu esposo do que com Deus e com a Igreja.  A solidariedade entre esposa e esposo, entre irmãos e amigos, entre pais e filhos deve ser uma constante, menos quando essa solidariedade implica em desobediência a Deus.  De Ananias e Safira, se diz: "E,sepultaram-na ao lado de seu marido".  Mortos biologicamente lado a lado.  Mortos espiritualmente lado a lado.

     À luz de tal experiência bíblica, seria importante responder:  1) Você fala sempre a verdade?  Você entrega tudo o que é e tudo o que tem a Deus?  Sua vida é coerente com o nome de cristão?  Seu compromisso com Deus está acima de seu compromisso com pessoas, ideologias ou causas...
BISPO/JUIZ.MESTRE E DOUTOR EM ÊNFASE E DIVINDADE.DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.