Subscribe:

quinta-feira, 28 de março de 2013

SE ENCONTRANDO COM JESUS-A MULHER E O PERFUME...




                           SE ENCONTRADO COM JESUS - A MULHER E O PERFUME...

Introdução

Durante os meses de junho e julho estamos refletindo sobre alguns do muitos encontros que o Senhor teve durante seu ministério. Gente do povo, líderes religiosos, oficiais militares e todo tipo de gente se encontrou com Jesus e teve sua vida mudada com esse encontro.

O homem de Gadara, a mulher com uma hemorragia, Jairo e sua filha às portas da morte, o centurião de Cafarnaum e se escravo que estava doente e o homem rico que queria herdar a vida eterna são alguns desses exemplos.

Hoje vamos meditar sobre o encontro de Jesus com uma que tinha um perfume caríssimo. Esse episódio é narrado nos quatro evangelhos, mas nos vamos ler o texto que se encontra no evangelho de Mateus 26:6-13
(6) Estando Jesus em Betânia, em casa de Simão, o leproso, (7) aproximou-se dele uma mulher que trazia um vaso de alabastro cheio de bálsamo precioso, e lho derramou sobre a cabeça, estando ele reclinado à mesa. (8) Quando os discípulos viram isso, indignaram-se, e disseram: Para que este desperdício? (9) Pois este bálsamo podia ser vendido por muito dinheiro, que se daria aos pobres. (10) Jesus, porém, percebendo isso, disse-lhes: Por que molestais esta mulher? Pois praticou uma boa ação para comigo. (11) Porquanto os pobres sempre os tendem convosco; a mim, porém, nem sempre me tendes. (12) Ora, derramando ela este bálsamo sobre o meu corpo, fê-lo a fim de preparar-me para a minha sepultura. (13) Em verdade vos digo que onde quer que for pregado em todo o mundo este evangelho, também o que ela fez será contado para memória sua. (Mat 26:6-13)


O Cenário

Betânia era uma vila e pobre que fica a cerca de 3km de Jerusalém, a caminho para Jericó. Provavelmente ficava no lado leste do monte das oliveiras, aos pés do monte.

Era em Betânia que João Batista batizava (Jo 1:28). Por diversas vezes, quando ia a Jerusalém, o Senhor ficou hospedado em Betânia. Em uma dessas vezes, Ele conversou com Marta e Maria sobre o que era mais importante na vida (Lc 10:38-42). Foi lá que O Senhor ressuscitou Lázaro (Joh 11:1-44) e foi nas proximidades de Betânia que Jesus foi elevado aos céus.

Jesus chegara a Betânia seis dias antes da páscoa. Quatro dias depois, um fariseu chamado Simão, que havia sido curado por Jesus, ofereceu um jantar em Sua homenagem. Marta era uma das que serviam na festa e Lázaro era um dos convidados que estavam sentados à mesa com Jesus.

Jesus sabia que em poucos dias subiria a Jerusalém e lá seria preso a mando dos religiosos judeus. Ele sabia também que essa prisão resultaria na sua morte. Havia certa tensão no ar e os discípulos estavam atônitos com a resignação de Jesus quanto a Sua morte. Mas o jantar acontecia normalmente.

O Encontro

No tempo de Jesus as refeições não eram feitas em mesas do tipo que conhecemos hoje, nem as cadeiras em que se sentavam eram iguais às usamos. As refeições eram servidas em salões e eles usavam uma espécie de sofá sem encosto, nos quais se deitavam. Próximas a esses sofás, havia mesas baixas nas quais era posta a alimentação. Quem estivesse servindo as mesas, circulava por trás dos sofás em que os convidados estavam. O convidado de honra deitava-se próximo ao anfitrião.


Foi então que aparece uma mulher chamada Maria. O apóstolo João diz que era a irmã de Marta e Lázaro (Jo 11:12). Lucas afirma que ela aproximou-se por trás de Jesus e parou aos pés dele e começou a chorar (Lc 7:38).

Maria levava consigo um frasco feito de alabastro. O alabastro é uma espécie de pedra de calcário macia e de grande valor que era usada no antigo oriente para produzir pequenos frascos de perfume. Maria levava consigo um frasco onde cabia cerca de uma libra de perfume, aproximadamente 360 gramas. O frasco era tão bonito e caro que todos o notaram quando ela aproximou-se de Jesus.

Dentro do frasco, um bálsamo precioso: Nardo puro. O nardo era retirado de uma planta aromática com a qual se fazia perfume. Essa plantinha cresce no Himalaia, entre 3.300 e 5.100 metros de altitude, daí o preço exorbitante pelo qual eram vendidos os perfumes com essência de nardo. Maria, no entanto levava consigo um frasco de nardo puro. Os discípulos avaliaram o perfume em cerca 300 denários, algo como R$ 5.800,00 em nossos dias.

Ainda chorando, Maria quebrou o lacre do perfume e derramou o perfume sobre os pés e a cabeça de Jesus, misturando o perfume às suas próprias lágrimas. O Senhor não a impediu, nem tampouco a repreendeu. Sua morte estava às portas e ele considerou o desprendimento de Maria como uma boa ação digna de ser realizada. Maria estava preparando o corpo de Jesus para o seu sepultamento.

As reações

A reação foi imediata. Lucas diz que Simão, o anfitrião, um religioso cheio de preconceito sobre Maria, duvidou que Jesus fosse um profeta:
Mas, ao ver isso, o fariseu que o convidara falava consigo, dizendo: Se este homem fosse profeta, saberia quem e de que qualidade é essa mulher que o toca, pois é uma pecadora. (Luc 7:39)


Simão achava que apenas as pessoas de boa reputação poderiam aproximar-se do mestre. Para ele era inconcebível que o Messias tivesse contato com pecadores, ainda mais da qualidade de Maria.

Mas Jesus não repudiou a atitude de Maria, porque Simão estava errado. Ele mesmo já havia afirmado antes:
Jesus, porém, ouvindo isso, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas sim os enfermos; eu não vim chamar justos, mas pecadores. (Mar 2:17)

Ninguém tem o direito de escolher sobre quem a graça do Senhor repousará. Ninguém tem o direito de fechar as portas do Reino de Deus àqueles considerados menos espirituais.

Qualquer pessoa independente de sua história de vida ou dos pecados que tenha cometido tem livre acesso a Cristo através da fé singela nele. Qualquer um que fizer como Maria e colocar-se aos pés de Jesus, chorando  diante  Dele o arrependimento dos seus pecados será acolhido pelo Senhor.

Os discípulos, e em especial Judas Iscariotes, preferiram reclamar de outra coisa. Alguns crentes são assim, quando alguém já reclamou de uma coisa ele procura outra coisa para reclamar, assim ele não fica pra trás.

As contas foram feitas com rapidez e chegaram a R$ 3.800,00. A palavra que veio à mente deles foi desperdício. Diante de tantas pessoas pobres e necessitadas era um desperdício derramar um perfume caríssimo nos pés e na cabeça de qualquer pessoa, até de Jesus. Judas disse o seguinte:
Por que não se vendeu este bálsamo por trezentos denários e não se deu aos pobres? (Joh 12:5)

É fácil ler e pensar: esse Judas realmente era mal intencionado. O Apóstolo João afirma que as intenções de Judas eram realmente escusas. O perfume vendido iria para a bolsa, um espécie de caixa que financiava o ministério de Jesus. Judas era um tesoureiro desonesto e enxergou a possibilidade de ganhar algum dinheiro.

Mesmo sendo Judas desonesto em relação ao dinheiro, Mateus afirma que o pensamento de que aquilo era um desperdício passou pela cabeça de todos eles.
(8) Quando os discípulos viram isso, indignaram-se, e disseram: Para que este desperdício? (9) Pois este bálsamo podia ser vendido por muito dinheiro, que se daria aos pobres. (Mat 26:8,9)


Enquanto Maria considerou que valia a pena desfazer-se de um precioso frasco de perfume para com isso demonstrar seu amor por Jesus, os discípulos viam nisso, no mínimo, má administração dos recursos. Para que? Perguntaram os discípulos. Por quê? Perguntou Judas. Toda pergunta precisa de respostas e Jesus não ficou calado diante da falta de compreensão de seus discípulos.

Para que?

Os discípulos ainda não haviam compreendido que o Reino de Cristo não era deste mundo. Eles não podiam lidar com a idéia de que o Cristo de Deus, o Messias libertador, seria preso, maltratado e por fim crucificado. O ministério de Jesus apenas começara. Ele ainda iria enfrentar os Judeus e por fim libertar o povo de Israel da opressão que pesava sobre eles. Estava claro para eles que esse ministério ainda precisava de muito recurso para avançar até o seu destino final. Para que então jogar fora um perfume tão caro? É melhor vendê-lo e guardar o dinheiro.

O Senhor percebe a falta de compreensão de seus discípulos e tenta explicar:
Ora, derramando ela este bálsamo sobre o meu corpo, fê-lo a fim de preparar-me para a minha sepultura. (Mat 26:12)


Não é desperdício, afirmou Jesus. Ela está preparando meu corpo para a minha inevitável sepultura, ainda que vocês não queiram aceitar, ainda que vocês não compreendam. Isso que você estão considerando jogar dinheiro fora, é na verdade o que de mais acertado ela poderia fazer, por isso não a importunem.

Deus nos concede recursos os mais diversos. Dinheiro, bens, disposição para trabalhar, relacionamentos, saúde, habilidade para ensinar, inteligência, criatividade, capacidade para empreender, conhecimento e tantos outros. Jesus tenta explicar que só duas maneiras de usar o que temos recebido: dentro ou fora do Reino de Deus.

Até aí os discípulos concordavam. Eles até estavam pensando em vender o perfume e comprar uns exemplares da Torá em uma linguagem mais popular para distribuir na periferia de Jerusalém. Mas o que Jesus queria explicar era que esse não era um projeto do Pai. Não era o passo seguinte para o estabelecimento do Reino. O passo seguinte era a morte do filho de Deus.

Não somos as pessoas confiáveis para decidir por nós mesmos o destino dos bens que o Senhor nos deu por empréstimo, a não ser que estejamos sintonizados com o mover de Deus e com o desenrolar do avanço do Seu Reino.

Os discípulos não estavam compreendendo que o avanço do Reino de Deus estava ligado diretamente à própria pessoa de Cristo e sua morte na Cruz. Por isso, qualquer investimento em direção a Ele era legítimo e necessário. Da mesma forma, meu irmão, seu dinheiro, seus bens e seus dons só estarão sendo corretamente aplicados se o forem para o avanço do Reino de Deus.

Os discípulos tinham seus próprios caminhos para um Reino que era mais deles do que de Cristo. Na cabeça de algum isso passava inclusive por lugares de honra e poder, um à direita e outro à esquerda. Mas esses não eram os caminhos de Cristo.

Você também tem caminhos próprios para o seu Reino? Você tem aplicado neles dinheiro, bens e a própria vida? Pode ser que você se surpreenda, mas não vale apostar em nada que esteja fora do caminho de Deus para o estabelecimento do Reino Dele.

Por que?

Por que, perguntou Judas, por que não se vendeu esse perfume. A pergunta poderia ser feita a Maria. Porque você não vendeu esse perfume? Maria será que você tá batendo bem da cabeça? Ô Maria, porque você insiste em aplicar seu dinheiro nessa igreja? Ô José, porque você continua gastando seu tempo nessas reuniões? Será que você perdeu a noção do que é sensato? Só poderia ser a boba da Maria!

Eram perguntas ferinas com motivações escusas. O Senhor então protegeu Maria. E explicou aos seus acusadores em forma de parábola.
(40) E respondendo Jesus, disse-lhe: Simão tem uma coisa a dizer-te. Respondeu ele: Dize-a, Mestre. (41) Certo credor tinha dois devedores; um lhe devia quinhentos denários, e outro cinquenta. (42) Não tendo eles com que pagar, perdoou a ambos. Qual deles, pois, o amará mais? (43) Respondeu Simão: Suponho que é aquele a quem mais perdoou. Replicou-lhe Jesus: Julgaste bem. (44) E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta com suas lágrimas os regou e com seus cabelos os enxugou. (45) Não me deste ósculo; ela, porém, desde que entrei, não tem cessado de beijar-me os pés. (46) Não me ungiste a cabeça com óleo; mas esta com bálsamo ungiu-me os pés. (47) Por isso te digo: Perdoados lhe são os pecados, que são muitos; porque ela muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama. (48) E disse a ela: Perdoados são os teus pecados. (Luc 7:40-48)

Maria quebrou o vaso de alabastro com nardo puro e o derramou sobre os pés e a cabeça do Senhor porque seu coração estava cheio de gratidão. Ela era uma pecadora que havia alcançado o perdão do Senhor.

Ela não fazia parte de nenhuma família importante de sacerdotes, nem tinha profetas em sua linhagem. Ela não era uma profunda conhecedora da Torá, e nem mesmo era bem recebida nas sinagogas. Os seus pecados eram muitos, mas o perdão de Jesus era ainda maior, por isso seu coração estava cheio de gratidão. Por isso frasco de perfume caríssimo não era algo a que ela pudesse se apegar. O seu Senhor merecia muito mais.

Enquanto cada um de nós não compreendermos o quanto somos pecadores, o quanto os nossos pecados ofendem ao Senhor, não haverá lugar em nosso coração para a gratidão.

Enquanto nos acharmos dignos, honestos e merecedores de um tratamento especial por parte do Senhor, não compreenderemos a Sua Graça, que nos alcançou sem que nós merecêssemos nada; e o nosso amor por Ele será sufocado pelo amor aos vasos de alabastro que encontramos pelo caminho.

Conclusão

Como Jesus predisse, a história de Maria é contata e recontada em todos os lugares onde o evangelho tem chegado. É a história de uma pecadora cheia de gratidão que abriu mão de algo precioso aos olhos de todos apenas para fazer parte do avanço do Reino de Deus.

Qual é sua história, meu amigo? Você tem feito com Simão que se achava tão bom que não precisa tanto assim de Jesus? É difícil achar em seu coração gratidão a Ele? Lembre-se então que sem Ele sua vida está destinada à separação de Deus. Mas o arrependimento sincero, chorado aos pés dele resultará em perdão e vida eterna.

Qual é a sua história, meu irmão? Como ela será contato no futuro? O que dirão os filhos dos filhos dos seus filhos? Oro ao Senhor para que sua história seja a história de Maria, que colocou o que de melhor ela tinha a serviço do Reino de Deus...
BISPO/JUIZ.PHD.THD.DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.