Subscribe:

domingo, 11 de novembro de 2012

SE DESVIE DA LANÇA DE SAUL, POIS A INVEJA MATA...




                               SE DESVIE DA LANÇA DE SAUL, POIS A INVEJA MATA...

Saul começou a amar legitimamente Davi, “amá-lo muito mesmo” (16:21). Saul foi o primeiro rei de Israel. Por algum tempo as coisas estavam indo muito bem com ele, mas nenhuma quantidade de sucesso externo poderia ter protegido Saul do que estava crescendo dentro do seu coração. Pouco tempo depois, Davi estava se tornando muito popular por ter sozinho libertado Israel das mãos dos filisteus, e algo mudou em Saul. Sua disposição para com Davi passou de um grande amor a suspeita (18:09). E então as lanças começaram a voar e a suspeita se transformou em medo (18:12), e o medo se transformou em terror total (18:15). O resultado? Saul determinou que Davi fosse condenado à morte (19:01).
Há um subtexto em toda esta história que vale a pena mencionar. Veja como a Bíblia diz em: 1 Samuel 18:10 “No dia seguinte, um espírito maligno, da parte de Deus, se apossou de Saul, que teve uma crise de raiva em casa; e Davi, como nos outros dias, dedilhava a harpa; Saul, porém, trazia na mão uma lança
Você notará como muitas vezes se fala de Davi e sua harpa, e, inversamente, Saul e sua lança. Se não fosse tão triste, seria cômico (ver 19:19), consulte 20:33, onde Saul arremessa sua lança em seu próprio filho, e depois (ver 26:7), onde Saul agora só dorme com a lança.
Então você tem Davi, com harpa na mão, e você tem Saul, com a lança na mão.
Um deles era um instrumento de cura, o outro instrumento para ferir.
Um deles foi usado para libertar, o outro para destruir.
Um deles era um instrumento para aliviar, outro para atacar.
Eu tenho que perguntar: O que está em suas mãos? O que as pessoas que estão perto de você dizem que está em suas mãos? Você está constantemente falando de vida, paz e ajuda aos feridos? Você procura uma maneira de abençoar, interceder, e libertar as pessoas que estão sob ataque espiritual? Ou você está encravando as pessoas na parede, partindo do seu ponto de origem e ferindo as pessoas? Em um conversa você vê a oportunidade de criticar e insultar?
A Bíblia tem muito a dizer sobre importância de nossas palavras; Na língua há o poder da vida e da morte, a língua tem o poder de abençoar e amaldiçoar, os lábios do justo apascentam a muitos, etc. Mas o que me enoja nesta história não é só o fato de Saul escolher a lança, mas em fazer isso várias vezes como eu fiz.
A razão de eu ter feito é a mesma razão de Saul. Estou inseguro. Eu tive que me perguntar, “Eu sou como Saul? Inseguro? Eu sou atormentado com inveja? Eu acredito que Deus não pode lidar com esta situação? Só eu quero estar no controle, no trono (ou no palco)?” E a minha resposta honesta quebrou meu coração.
Se eu fosse honesto, eu diria que estava esperando alguém para ferir e rebaixar, para que eu fosse superior. Soa tão estúpido não é? (O pecado sempre o faz, após o fato).
São sempre inseguros, ineficazes, líderes carnais, que jogaram lanças. Você já viu isso nas pessoas, você deve ter visto isso em si mesmo, o ciúme é um traiçoeiro inquilino do coração. Se você está atirando lanças, constantemente usando palavras duras, sempre tendo que fazer o seu antes de chegar em casa, peça ao Senhor para revistá-lo e revelar o que realmente está acontecendo dentro de você. A verdade é: provavelmente você está revelando mais sobre si mesmo do que a pessoa que você está caluniando.
Então o que faremos? Como podemos ir contra isso? Olha o que fez Davi, ele se abaixou e nunca mencionou isso. Aconteceu de novo, então Davi se abaixou novamente. E ele saiu de lá.
Saul é inseguro e carnal; Davi é ungido e andando no temor de Deus. E Davi nunca jogou uma lança de volta. Parece que se alguém poderia ter realmente sido bem sucedido com uma lança, Davi teria sido um excelente candidato. Mas Davi não ousaria, na verdade, ele se quebrantou até mesmo por cortar a orla do manto de Saul. Essa foi a resposta de Davi para a unção de Saul: “Longe de mim colocar minha mão sobre o ungido de Deus” (I Samuel 24:6).
Que palavras poderosas. Quando estiver seguro de quem você é e o que Deus te chamou para ser, você será capaz de reconhecer e respeitar a unção de Deus sobre os outros, e ao respeitar a unção, poderá ser a unção que você receberá. Davi tinha essa estima pela unção de Deus sobre Saul que mesmo na loucura de Saul e de raiva, Davi não desrespeitou Saul sem violar sua própria consciência (1 Samuel 24:5).
Longe de mim colocar minha mão sobre o ungido de Deus.” Se alguém foi ungido por Deus, se Deus está usando alguém, faríamos bem “manter as nossas mãos” longe deles. Temos de fechar a boca e parar a pequena fofoca, maledicência e máculas.
Em Deuteronômio 20, Deus está dando instruções a Israel sobre o que fazer quando eles iam para a guerra para cercar uma cidade. Há um versículo fascinante (19) onde Deus diz: “Quando você está cercando uma cidade, tenha cuidado para não destruir as árvores frutíferas, porque você deve comer de seus frutos.” Se as árvores estavam sem qualquer fruta, eles usavam essas árvores como suas armas, rampas, aríetes, assim por diante. Mas a chave para nós é: Na sua mentalidade de guerra, não deixe o seu machado indiscriminadamente voar! Em uma guerra, é fácil deixar os nossos eixos voarem, afinal, é intenso! Mas se não formos cuidadosos, podemos (mesmo sem querer) acaba cortando o que o Senhor nos deu, informações a serem coletadas.
Há pessoas em sua vida e há pessoas em minha vida que somos tentados a cortar, depreciar, deixar às moscas. Se houver alguma fruta em sua vida: Não faça isso. Perceba: o inimigo é o inimigo. Lembra do que Jesus disse a Pedro? “Guarda a tua espada Pedro!” Por quê? Ele estava prejudicando as pessoas com ela! O que aconteceria se toda a energia que gastamos discutindo sobre a doutrina ou o estilo realmente fosse para combater o inimigo real? Se houver frutos, não os corte. Se é alguém ungido de Deus, tire as mãos fora!
Olha, há uma diferença entre a crítica construtiva e arremessar lanças. Há uma diferença entre a repreensão e a maledicência. , “Quando eu critico alguém, é um sussurro em sua orelha, mas quando eu louvar alguém, eu grito de cima dos telhados.” E esta é a chave para libertar-se da armadilha do ciúme: Celebração.
Celebração é o antídoto para o veneno do ciúme. Se você se sentir tentado a jogar lanças, escolha celebrar, louve publicamente a pessoa ou ministério. E se você não encontrar nada digno de louvor, tente o que sua mãe lhe disse quando você era jovem: “Se você não puder dizer algo agradável, cale a boca estúpida!”.
Aprendi a fazer isso. Já fico ansioso para homenagear publicamente as pessoas. Quando um nome aparece e eu sinto que pode me ameaçar ou partir minhas inseguranças, eu amo elogiar e celebrar. Na verdade, tive a oportunidade de conhecer o artista a quem me referi acima. Eu tive que confessar meu lixo para ele, disse-lhe tudo sobre ele, porque eu o caluniei, e pediu-lhe que me perdoasse. Ele foi mais do que gracioso. Hoje ele se tornou um amigo confiável e conselheiro cujo fruto é uma bênção significativa na minha vida. Quem sabe o que Deus pode fazer quando nós nos humilhamos celebrarmos os outros e deixamos que o Senhor liberte-nos para seremos realmente o que Ele nos criou e nos chamou para sermos...
BISPO/JUIZ.PHD.THD.DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.