Subscribe:

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

FOI SAMUEL OU FOI SATANÁS QUE APARECEU A SAUL...




                              FOI SAMUEL OU FOI SATANÁS QUE APARECEU A SAUL...

Texto: I Samuel 28
Introdução: O caso de Saul e a feiticeira de En-Dor, em 1 Samuel 28, tem gerado muita polêmica e muitas especulações. Como professor, já por vários anos, tenho sido questionado nos seminários que tenho ministrado acerca deste caso.
Nossa posição é que não foi Samuel quem apareceu para Saul e, sim, houve ali uma manifestação de um outro espírito ou fraude. A seguir analisaremos o caso.
I – Antes do encontro
O motivo que levou esse rei a recorrer à “médium”, “mãe de santo”, “macumbeira”, pessoa que consultava os mortos para resolver o seu problema, é o mesmo motivo que leva hoje milhões de brasileiros a buscarem uma solução para os seus problemas no Espiritismo, apesar de Saul saber que Deus não admitia esse procedimento.
Foi o desespero a causa principal, pois os inimigos de Israel, os filisteus, estavam prestes a atacar os israelitas, e quando viu o acampamento dos seus inimigos, com seu aparato militar, “foi tomado de medo, e muito se estremeceu o seu coração” (versículo 5). Após ter-lhe sido recusada a resposta divina foi que ele então procurou a médium.
Saul estava desesperado, perturbado espiritualmente, porque Deus não lhe respondia de forma alguma, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas. Em outras palavras, O Senhor não lhe respondeu nem pessoalmente (por sonhos), nem por através dos sacerdotes (Urim) – os responsáveis pela intercessão do povo diante de Deus – e nem pelos profetas, os instrumentos de Deus para revelar sua vontade aos homens.
Temos aqui um argumento Gramatical (verso 6): “o Senhor… não lhe respondeu.” O verbo hebraico é completo e categórico. Na situação presente de Saul, Deus não lhe respondeu, não lhe responde e não lhe responderá nunca. O fato é confirmado pela frase: “… Saul… interrogara e consultara uma necromante e não ao Senhor..’ (1 Cr 10.13-14).
Se Deus não havia lhe respondido pelos métodos tradicionalmente corretos, porque Deus agora lhe respondia através de uma sessão mediúnica? Porque Deus mudaria de idéia? Creio que Deus não lhe responderia em nenhuma circunstância.
Antes da morte de Samuel, Saul havia desterrado os médiuns e os adivinhos  porém quando Saul procurou a “médium”, Samuel já estava morto (1 Samuel 25.1). Deus o rejeitara, pois o Espírito de Deus havia se afastado dele conforme 1 Samuel 16.14.
II – O encontro com a feiticeira
O capítulo 28 trata da suposta sessão espírita, em que o rei estava desesperado, atormentado, com urgência, porque os filisteus estavam próximos e o rei Saul sabia que era pecado, desobediência a Deus, consultar pessoas envolvidas com feitiçaria, espiritismo e consulta aos mortos, (Êxodo 22:18, 1 Samuel 28:3). Foi como se Saul dissesse: “Se Deus não me responde, então o diabo vai me responder”. E ele fez isso.
A crônica de 7-25 fora escrita por uma testemunha ocular: logo, por um dos servos de Saul que o acompanhara à necromante (7,8). Freqüentemente, esses servos eram estrangeiros (21.7; 26.6; 2 Sm 23.25-39) e quase sempre supersticiosos, crentes no erro (7) – razão por que o seu estilo é tão convincente. Assim devemos ler o relato compreendendo que este foi registrado na perspectiva da testemunha ocular. O simples relato não garante que a aparição de Samuel tenha sido autêntica.
Esta crônica que é parte da história de Israel, pela determinação divina, entrou no Cânon Sagrado. E deve estar lá, como lá estão os discursos dos amigos de Jó (42.7), as afirmações do autor de “debaixo do sol” (Ec3.19; 5.18; 9.7,9,10, etc), a fala da mulher de Tecoa (2 Sm 14.2-21), etc. – palavras e conceitos humanos. (Infelizmente, esta crônica é interpretada por muitos sob o mesmo ponto de vista do servo de Saul).
Provavelmente,  o servo de Saul,  acreditava no poder da “mãe de santo” e sabia muito bem onde ela poderia ser encontrada. Portanto provavelmente os fatos da sessão espirita foram registrados por alguém que não era temente a Deus. Assim Saul apelou à médium de En-Dor como o último recurso de um desesperado, em flagrante violação de uma lei divina que ele mesmo anteriormente procurara cumprir.
A própria médium sentiu-se receosa quando descobriu a identidade de Saul, que se apresentara a ela disfarçado. Depois de o rei ter-lhe assegurado que nenhum mal lhe aconteceria, a mulher deu início à sessão, evocando a presença de Samuel a pedido de Saul. É necessário notar que o rei não viu o pretenso Samuel que se manifestou na ocasião (versículo13).
Analisando-se o caso, não negamos a sinceridade da mulher ao relatar o que estava vendo,  (11-14). Nem tão pouco recorremos à interpretação parapsicológica (que é possível), mas diretamente à Bíblia que, em si mesma, tem os argumentos necessários para desmentir as afirmações do servo de Saul. Antes, porém, vejamos a palavra médium (heb), que é traduzida em outras versões por “espírito adivinhador”, ou “espírito familiar” e no texto grego (LXX) por (engastrimuthos) “ventriloquo” (um de fala diferente), palavra que indica a espécie de pessoa usada por um desses “espíritos”.
III – Descrevendo a sessão
Examinemos um Argumento Ontológico: Deus se identificou como Deus dos vivos: de Abraão, de Isaque, de Jacó, etc, (Êx 3.15; Mt. 22.32). Nenhum deles perdeu a sua personalidade, integridade, ou superego. Seria Samuel o único a poluir-se, indo contra a natureza do seu ser, contra Deus (verso 6) e contra a doutrina que ele mesmo pregara (15.23), quando em vida nunca o fez? Impossível.
O pecado de Samuel tornar-se-ia mais grave ainda, por ter ele estado no “seio de Abraão” e tendo recebido uma revelação superior e um conhecimento mais exato das coisas encobertas, e, por não tê-las considerado, nem obedecido as ordens de Deus (Lc 16.27-31). Mas Samuel nunca desobedeceu a Deus (12.3-4).
Durante a sessão espírita, em momento algum, a Bíblia diz que o rei Saul viu com os seus próprios olhos, o “profeta Samuel”, como afirma a Bíblia: “Entendendo Saul que era Samuel…” Quando ele perguntou à mulher: “Que vês?”, ela respondeu: “Vejo um deus que sobe da terra” (versículo 13). Insatisfeito com a resposta, ele inquiriu novamente: “Como é a sua figura?”, ao que ela respondeu: “vem subindo um ancião, e está envolto numa capa”. A narrativa bíblica diz então que “entendendo Saul que era Samuel, inclinou-se com o rosto em terra e se prostrou” (versículo 14) [Ênfase acrescentada] Saul deduziu que o vulto que subia da terra, ao qual ele não via, era o profeta Samuel.
É importante observar aqui, que apenas a médium alega estar vendo algo. As conclusões de Saul apoiam se nas declarações da médium, que entendemos faltar com a verdade. Saul nada viu ou ouviu. Ele foi induzido pelas afirmações da mulher.
Assim como acontece numa sessão espírita, o médium fala como se fosse a própria pessoa falecida, as pessoas não conseguem ver mas somente ouvir a voz do espírito que fala por intermédio do médium. No caso por exemplo de Chico Xavier, ninguém ouve nem vê, mas simplesmente recebe a mensagem psicografada, ou seja, escrita.
Vejamos um Argumento Doutrinário: Consultar os “espíritos familiares” é condenado pela Bíblia inteira (vet 28.3). Fossem os espíritos de pessoas, e Deus teria regulamentado a matéria, mas como não são. Deus o proibiu. Aceitando a profecia do pseudo-Samuel, cria-se uma nova doutrina, que é a revelação divina mediante pessoas ímpias e polutas. E nesse caso, para serem aceitas as afirmações proféticas, como verdades divinas é necessário que sejam de absoluta precisão; o que não acontece no caso presente (Vejam como são precisas as profecias a respeito de Cristo: Zc 9.9 ; SI22.18 e jo19.24; SI 69.21. Ex 12.46; Nm 9.12; SI 34.20 e jo 19.36; Zc 12.10; jo 19.37, . etc).
IV – Analisando as profecias de “Samuel”
A profecia do falso Samuel, isto é, acerca do que iria acontecer na vida de Saul foi clara, como se vê no versículo 19: “O SENHOR entregará também a Israel contigo na mão dos filisteus, e amanhã tu e teus filhos estareis comigo; e o acampamento de Israel o Senhor entregará na mão dos filisteus” Essa profecia não se cumpriu na íntegra, conforme passaremos a observar: Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus; ele se suicidou (1 Samuel 31:4) e seu corpo foi recolhido do campo de batalha pelos moradores de Jabes-Gileade (1 Samuel 31:11-13).
Também não morreram todos os filhos de Saul – este tinha seis filhos e três deles sobreviveram. Morreram na batalha Jônatas, Abinadabe e Malquisua (2 Samuel 31:8-10; 21:8). Esses fatos tornam essa profecia uma flagrante contradição com o testemunho divino a respeito de Samuel, pois está escrito que “o Senhor era com ele, e nenhuma das sua palavras deixou cair em terra” (1 Samuel 3:19).
É claro, portanto, que não foi Samuel quem se manifestou em En-Dor. Tudo não passou de uma fraude ou de artimanha de um espírito maligno.
Mas suponhamos que os críticos desta tese que estamos desenvolvendo estejam certos. Suponhamos que Samuel tenha vindo do seio de Abraão para falar com Saul. Então Samuel diz:  “…amanhã tu e teus filhos estareis comigo”. Neste caso, como poderíamos explicar que um suicida, como Saul, poderia estar ao lado de Samuel no seio de Abraão após extinguir a sua própria vida? Seria uma incoerência muito grande e desrespeito de Samuel para com o Senhor garantir a um suicida seu lugar junto ao seio de Abraão.
Porém, a palavra “Amanha, tu e teus filhos estareis comigo”, deve ser visto como uma promessa que vem de um espírito de engano vindo do inferno, que esta dizendo a Saul: “amanhã, tu e teus filho estareis comigo”…., (no inferno, deduzo eu).
V – Saul e Samuel no mesmo lugar?
O suposto Samuel disse a Saul, “… amanhã tu e teus fihos estareis comigo” (1 Samuel 28.19). Saul ao morrer, não foi para o mesmo lugar onde estava o verdadeiro Samuel, pois este se encontrava no paraíso no Sheol, conforme prometido por Deus em sua Palavra àqueles que o temem (conforme Lucas 16:19-31). Sobre o rei Saul, entretanto, foi pronunciado o juízo divino: na Bíblia encontra-se explicitada a causa de sua morte.
“Assim morreu Saul por causa da sua transgressão cometida contra o Senhor, por causa da palavra do Senhor, a que ele não guardara; e também porque interrogara e consultara uma necromante”. 1 Crônicas 10.13
VI – Conclusão
Admitir-se que o profeta Samuel apareceu naquela sessão espírita e conversou com o rei Saul é negar a moral de Deus. Se o Espírito do Senhor se afastara do rei Saul, se Deus não lhe respondera mais, ou seja, Deus não lhe respondia pelos meios legais, e se o profeta Samuel nunca mais o procurou até o dia em que faleceu, (1 Samuel 15:35), será que o nosso Deus permitiria que Samuel falasse com Saul numa sessão espírita proibida por Ele, e através de “mãe de santo”, uma “médium”?
A desobediência sempre traz o juízo divino. A consulta aos mortos é proibida por Deus (Dt. 18. 9-12) e qualquer tentativa de se estabelecer contato com eles é desobediência aos preceitos de Deus, e suas trágicas conseqüências não se farão esperar.
Isaías nos adverte:
“Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adinhos  que chilreiam e murmuram, acaso não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva!” (Isaías 8:19,20)...
BISPO/JUIZ.PHD.THD.DR.EDSON CAVALCANTE

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.